Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

jantar do dia do pai: salmão braseado, sashimi de atum e salada de mozzarela com tomate, abacate e azeite de trufas

Cá em casa Dia do Pai é dia do pai na cozinha. Não, não me estou a lamentar, estou só a constatar um facto. Mais vale passar dez minutos à frente do fogão do que três horas enfiado num restaurante a abarrotar com famílias numerosas forçadas a comemorar a data com um jantar fora. É um dia especial? Então prepare um jantar especial. E deixe os restaurantes para o almoço ou para os dias em que os outros 9.999.999 portugueses não têm nada para comemorar.

E quem diz à frente do fogão, diz à frente do balcão, porque hoje em dia cozinhar não implica obrigatoriamente lume, óleo, panelas e milhares de calorias. Hoje juntam-se cá em casa três gerações de pais e quatro gerações de filhos. E como é preciso agradar a bocas dos 5 aos 90 anos, a ementa é saudável. 

 

Aperitivos

Bolas de wasabi torrado envolvidas em amendoins. A nossa marca preferida é a Lorenz e está à venda no Continente por dois euros e pouco a embalagem.

Requeijão de Azeitão do El Corte Inglès.

Broa de milho (não podemos dizer de onde é para não darmos demasiadas pistas sobre quem somos).

 

Entrada

Sashimi de atum. Ai, comida japonesa, isso dá uma trabalheira! Nada disso. É a coisa mais simples de fazer. Compra o lombo de atum (tem de ser numa peixaria da sua confiança, para lhe darem o peixe mais fresco) já arranjado para sashimi: sem espinhas e sem pele. Depois corta às fatias com um dedo mindinho de espessura e dois dedos de altura. Também pode cortar as fatias mais fininhas, mas aí passa a ser carpaccio e deixa de ser sashimi. Coloca o peixe numa travessa e serve com pratinhos de molho de soja e wasabi. Chamem-nos esquisitos, mas cá em casa não gostamos de gengibre – nem sequer do cheiro – por isso é coisa que não passa da porta da rua.

 

Prato principal

Lombos de salmão braseados. Na mesma peixaria onde comprou os lombos de atum, peça também uns lombos de salmão fresco para sashimi (é uma técnica falível, como todas as outras, mas eu acredito que, ao pensarem que vai comer peixe cru, se preocupam em dar-lhe o peixe mais fresco que tiverem). Depois tem duas hipóteses: ou passa com um maçarico (para leite creme, não para soldar as dobradiças da porta) à volta de todo o peixe ou, se só tiver o maçarico para soldar, coloca uma frigideira para grelhar com o lume no máximo e, quando estiver muito quente, coloca o salmão sobre um fio de óleo (o azeite queima a uma temperatura mais baixa e a ideia é que o lume esteja muito forte). Deixa 30 segundos em cada lado, só para marcar o peixe e tira. Eu ponho um pouco de flor de sal por cima, mas pode servir com molho de soja. 

Salada de mozzarela com abacate. Corta uns oito tomates, bem maduros aos cubos – se não conseguir o tomate vindo directamente da horta, aconselho o do Minipreço, que costuma ser óptimo – e junta com dois queijos mozzarela de búfala – olhe que a mozzarela de búfala é bastante melhor do que a mozzarela normal – e dois abacates bem maduros também aos cubos. Tempere tudo com azeite, vinagre balsâmico, flor de sal e um bocadinho de azeite de trufas por cima. Misture e já está.

Sobremesa

É aqui que o saudável vai para o beleléu. Desde os tempos mais remotos que sobremesa do Dia do Pai é Santini. E não é um Santini qualquer. É de avelã, meloa e framboesa, os melhores sabores – e não há discussão, porque hoje o pai é que manda! Se não houver meloa, venha o limão para a Senhora da Dieta não começar já a queixar-se.

Um bom Dia do Pai para si, onde quer que esteja (e espero que não seja num restaurante cheio de gente),

Ele

almoço para o dia do pai: a esplanada do darwin's

Quer uma verdadeira surpresa para o Dia do Pai? Então, finja que não leu este post, vá buscar os miúdos à escola à hora do almoço e leve o Homem a almoçar em família à esplanada do Darwin's, mesmo em cima do rio Tejo, em Lisboa. Isso, sim, é uma surpresa a sério. Nós já lá estivemos. E gostámos.

 

O ambiente

À primeira vista, este restaurante é lindo – o espaço é amplo, arejado e com luz natural a entrar por todos os recantos da sala; a decoração é exuberante sem ser kitsch, é extravagante sem ser pirosa, é colorida sem ser berrante; a clientela é calma, civilizada e fala baixo, o que num espaço todo aberto é fundamental para não transformar um restaurante numa cantina.

À segunda vista, este restaurante é surpreendente  depois de ver todo este ambiente civilizado e sofisticado, este banho de bom gosto e de boa educação, entrei na casa-de-banho e encontrei, ao lado da reluzente torneira e do brilhante lavatório, um copo cheio de palitos. Como?! Depois de desfilarem os seus elegantes fatos cinzentos e as suas discretas gravatas azuis pela sala de jantar, estes senhores enfiam-se na casa-de-banho a palitar os dentes à frente do espelho?

Quando voltei à mesa, percebi finalmente a justificação para um restaurante destes fornecer aos seus clientes palitos iguais aos que usa o empregado do balcão da pastelaria Cristal, na Lapa: entre as dezenas de CEOs, administradores e consultores que frequentam o Darwin’s à hora do almoço, pode encontrar também várias secretárias em discretos tête-a-tête, alguns políticos em secretos tráficos de influências e uns poucos jornalistas em nebulosas buscas de notícias. E sempre é melhor ter um político a palitar os dentes fechado na casa-de-banho do que sentado à mesa.

A ementa

Explicado o fenómeno sociológico dos palitos, vamos ao que interessa: a comida. E essa é uma das grandes vantagens do Darwin’s: a ementa varia consoante a hora do dia, consoante a estação do ano e consoante a vontade das pessoas. É mais leve no Verão, mais barata ao almoço, mais demorada à noite.

Em dias como estes, com um sol de Verão e uma temperatura de Primavera, o que mais apetece é comer um prato leve na magnífica esplanada mesmo em cima do Tejo. E hipóteses não faltam, por exemplo para comemorar amanhã o Dia do Pai: salada de frango com tostas de queijo de cabra, bruschetta de presunto e queijo da Serra com doce de tomate ou tempura de frango com queijo da ilha e mel sobre salada. Já experimentei todos estes pratos e são simplesmente maravilhosos para uma tarde de calor. Depois há também quatro opções de Brás: o tradicional bacalhau com coentros e os mais criativos pato assado com funcho (delicioso!), salmão com rúcula, ou beringela com courgette, tomate e coentros.

Desta vez, eu optei por alguma coisa ligeiramente mais consistente – um lombo de bacalhau com crosta de broa sobre risotto de soja (o bacalhau estava muito bem cozido, a crosta de broa crocante e só o risotto de soja é que foi uma desilusão para quem esperava a combinação perfeita entre a comida japonesa e a italiana) – e Ela por um lombo de salmão com crosta de funcho sobre risotto de cebola roxa, tomate cherry, coentros e balsâmico (o salmão estava mal passado, como deve ser, a crosta de funcho dava um sabor maravilhoso e o risotto não deixou qualquer vestígio no prato).

Com uma refeição brutal como esta, e com o calor que está, não houve qualquer hipótese de ingerir um único grão de açúcar que fosse. Por isso, passámos a sobremesa – até mesmo os fantásticos gealdos Häagen-Dazs. E ganhámos tempo para dar um mini-passeio a pé junto ao rio, o que sempre passa alguma simpática ilusão de perda de parte das calorias que ingerimos ao almoço.

O serviço

Eu contei 14 empregados na sala, a maioria simpática e prestável, o que daria uma média avassaladora de 8,3 clientes por empregado se a sala estivesse cheia. E não estava. Ou seja, aqui os clientes não esperam para pedirem um café, outra Coca-cola ou a conta. Mas o serviço de cozinha é um pouco demorado. Tudo o que são pratos levam, pelo menos, 15 minutos a chegar à mesa.

De todos os empregados com que nos cruzámos, só o chefe de sala, que nos recebeu à entrada, é que fez questão de não sorrir. É um estilo, mas não é um estilo simpático.

 

O óptimo - A decoração, a esplanada, a vista

O bom - A comida

O razoável - O chefe de sala

 

E agora que já se faz tarde, vou ali palitar os dentes, onde quer que os palitos estejam,

Ele

o melhor presente para o dia do pai (pelo menos para ele)

O que é que se dá a um pai que adora cozinhar e… comer? Um showcooking enquanto se come a sua comida preferida! E como Ele é um Pai Especial, vou esticar-me e vou oferecer-lhe (eu não, a nossa equipa de futsal, claro) uma experiência de luxo: o Live Sushi no Ritz Bar, agora também às quartas-feiras. Antes apenas às quintas e sextas, ao almoço e ao jantar, o Sushi Lounge do Ritz Bar recebe agora o sushiman António Muniz 3 dias por semana.

Com nove anos de carreira, o sushiman do Four Seasons Hotel Ritz Lisbon passou pelo Aya e especializou-se na fusão dos sabores ocidentais com os orientais. Por isso será sem dúvida uma felicidade suprema para Ele ver, ao vivo e a cores, António Muniz a criar, cortar e temperar sashimi de salmão, atum, pregado, robalo e aprender a fazer gunkans e urumakis, entre mil e uma outras coisas. Porque aqui quanto mais colorido mais delicioso. E o truque está na faca e na apresentação, que na cozinha japonesa é uma forma de arte.

E enquanto Ele não tira os olhos do sushiman, eu entretenho-me a roubar discretamente as peças à medida que vão ficando prontas. Ou seja, ele aprende, eu como. Será um presente envenenado? Nãaaoooo! É simplesmente delicioso!

Com a chegada da primavera, vale também a pena aproveitar o bom tempo para almoçar no terraço do hotel com vista para o parque Eduardo VII. Até há um menu com um preço fixo que, convenhamos, para os parâmetros do Ritz, nem é estupidamente caro - é só muito caro:

 

Menu Almoço Sushi 

- Temaki Saké Negi: salmão e alho francês (1 peça/cone), ou Saké Maki: rolo de salmão (6 peças)

- Selecção Sushi/Sashimi (Entre 18 a 20 peças)

- Sobremesa do dia

- 1 bebida (copo de vinho branco ou tinto, refrigerantes, imperial ou água)

- 36,50 Euros por pessoa

Bom dia do Pai para todos os pais e filhos,

Ela

as cartas de um pai para os filhos

Descobri, através do óptimo Às Nove no Meu Blog, um dos melhores blogs sobre pais e filhos e um dos maiores talentos da escrita na Internet. Vou já avisando que não tem nada a ver com restaurantes, com comida, com hotéis ou com viagens. Mas tem a ver com a vida. E fala dela de uma forma maravilhosa (de vez em quando, até com uma receitinha à mistura). O autor do blog chama-se Pedro Fonseca e é um ex-publicitário do Recife, no Brasil, que quis dedicar-se à escrita. Começou por lançar um projecto fantástico a que chamou Loja de Histórias e que era tão simples quanto isto: um site onde Pedrinho (é assim que é conhecido no Brasil) recebia uma fotografia enviada por qualquer pessoa, de qualquer parte do mundo. Só fazia duas exigências: não podia ser um auto-retrato e não podia vir acompanhada de nenhuma legenda. Com base nessa fotografia desconhecida, Pedrinho escrevia um texto. Ao longo de mais de um ano, publicou milhares de textos e tornou-se uma referência de elegância, bom gosto e sensibilidade na blogosfera.

Agora Pedrinho tem este novo projecto a que chamou Do Seu Pai. São cartas dirigidas aos seus três filhos (o mais velho tem 5 anos) para eles lerem no futuro e saberem como foi a sua infância com os pais. O blog é maravilhoso, as fotografias são óptimas e as cartas são escritas com uma simplicidade e uma profundidade desconcertantes. Vale a pena visitar. E ler. É aproveitar enquanto os miúdos não crescem.

Um abraço para o Pedrinho, onde quer que ele esteja,

Ele

o presente ideal para o dia do pai (escolhido por um pai)

Vamos lá falar de coisas realmente importantes. Sabe que dia é hoje? Exactamente, 10 de Março? Sabe o que é que se celebra este mês? Não, não estou a falar da Quaresma... Ok, eu refaço a pergunta: sabe o que é que se celebra para a semana? Ainda não chegou lá? Na próxima quarta-feira?... 19 de Março?... Com a breca, é o Dia do Pai, minhas senhoras com os filhos ainda em idade de não terem disponibilidade financeira para comprarem um presente. É provavelmente uma das datas mais importantes do ano - a única que, na falta de um Dia Internacional do Homem, é dedicada a todas as pessoas deste Mundo que podem ter barba. Por amor da Santa, falta pouco mais de uma semana e já quase não há tempo para comprar um presente decente para quem dedica toda a sua vida a tratar dos filhos, da mulher, da cozinha, da roupa suja, das limpezas, de fazer as camas (sim, isto mudou um bocadinho nos últimos anos) e de todos os trabalhos de jardinagem e de bricolage que nos foram atribuídos à nascença, como se todos os homens viessem ao mundo com uma habilidade congénita para trocar caixilhos de lâmpadas e fazer buracos com o Black&Decker nas paredes.

E é para as alertar para a tremenda importância do dia 19 de Março que eu estou aqui hoje. Não precisam de ir passear para o Chiado à procura de um presente qualquer (até porque costumam voltar com quatro sacos com vestidos e sapatos para vocês e um par de meias para nós). Basta sentarem-se à frente desse computador e digitarem "comprar ginebra" e todo um maravilhoso mundo de consumo se abrirá à vossa frente. Sem precisarem de se meter no carro, sem precisarem de procurar estacionamento e sem precisarem também de voltar com os tais quatro sacos de vestidos e sapatos novos. Aqui o processo é simples: escolhem se preferem comprar gins, águas tónicas, especiarias ou todo um mundo de acessórios, encomendam, pagam por cartão de crédito, pay pal ou transferência bancária e, no máximo, 72 horas depois têm a encomenda em casa. Os preços são bastante mais baratos do que aqueles que encontra em Portugal, mas os custos de envio são carotes. Por isso, quanto mais comprar, mais barato fica - a partir de 79 euros em compras, não paga custos de envio.

Se precisar de ajuda para a guiar por este mundo do gin, estou cá para ajudar.

 

Há uma imensidão de óptimas marcas de gin em saldos:

Gin Bulldog (inspirado em Winston Churchill) por €19,95, no Jumbo custa €28,99;

Gin Martin Millers por €20,50, no Jumbo custa €28,90;

Gin Nordés por €26,50, no Jumbo custa €37,49;

Gin Mombassa Club com a oferta de um copo em balão por €27,95, no Jumbo custa €32,89 sem o copo;

Gin London nº 1 por €29,56, no Jumbo custa €37,38;

Gin G'Vine por €32,50, no Jumbo custa €38,79;

Gin Mare com quatro garrafas de Fever Tree Mediterranean e dois raminhos de rosmaninho por €36,95, no Jumbo só a garrafa de Gin Mare custa €35,00 e o pack de quatro garrafas de Fever Tree €6,49.

E há vários acessórios que qualquer pai gostaria de ter na cozinha, já que passa lá tanto tempo:

Couvetes para fazer gigantes bolas de gelo que podem levar frutas, ervas ou especiarias lá dentro (€7,95);

Um shaker transparente fashion (€8,95);

Um kit completo com dois copos de balão, uma colher torcida, um coador para cocktails, uma medida e dois gins miniatura (€32,94).

 

Se quer saber a minha opinião, eu voto na couvete para fazer as bolas de gelo gigantes, numa garrafa de Mombassa Club e numa caixa de quatro águas tónicas Fever Tree Indian. Por esta ordem.

 

Boa compras para si, onde quer que esteja,

Ele

 

P.S: Este post não se dirigia a ninguém em específico, muito menos a alguém que viva nesta casa e ainda não se tenha lembrado que daqui a uma semana vai precisar de comprar um presente de Dia do Pai.