Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

mousse de chocolate e castanhas, a melhor maneira de comemorar o são martinho

Cá em casa o Dia de São Martinho comemora-se com a dignidade que a data merece. E como este ano não dá para vestir o fato-de-banho e ir até à praia, resolvi fazer todo um dia dedicado às castanhas. Além de castanhas assadas, vou fazer uma sopa de castanhas (veja aqui), um prato com castanhas e uma sobremesa de castanhas.

E é essa sobremesa que me traz hoje aqui ao seu encontro virtual. A receita é do fantástico site Epicurious e trata-se de uma deliciosa e ultra-fácil mousse de chocolate – e castanhas, claro. Para fazer esta maravilha, só vou precisar de castanhas cozidas, leite gordo, açúcar, extracto de baunilha, flor de sal, chocolate semi-amargo com pelo menos 70% de cacau, brandy e natas batidas. Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, veja a receita completa aqui.

EPI_120315_CHOCOLATEMOUSSE_169.jpg

 

 

os hambúrgueres do honorato são...

... uma grande desilusão. E as batatas fritas também. E o mata-bixo.

Da primeira vez que fomos ao Honorato, na Rua de Santa Marta, a expectativa era elevadíssima. Com uma óptima comunicação, cartazes a prometerem o melhor hambúrguer de Lisboa e críticas altamente elogiosas, achei que ia jantar à Meca do Hambúrguer. Mas não. 

14063752_1150312395012468_8069407881082945950_n.jp

 

o novo pap'açorda: é aqui que come a melhor mousse de chocolate e alguns dos melhores petiscos típicos portugueses

842896_508517802522615_79791724_o.jpg

Quando chega ao novo Pap'Açorda, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, a primeira coisa que encontra é uma enorme parede e dois vidros, sem qualquer porta de entrada. A segunda é o ex-secretário de Estado das Obras Públicas de José Sócrates, Paulo Campos. Eu sei que tudo isto pode ser pretexto para não entrar, mas faça um esforço: aqui comem-se alguns dos melhores petiscos portugueses, como a açorda de gambas, a canja de rabo de boi, os carapauzinhos marinados ou a divinal mousse de chocolate.

Mas antes, vamos às dicas. Para evitar a figura pouco recomendável da minha querida Mulher Mistério a tentar empurrar um enorme vidro como se fosse uma porta misteriosa, dirija-se à área central da entrada: aquilo que parece uma parede preta é, no fundo, uma gigantesca porta giratória.

Para evitar ex-governantes, dirija-se ao bar e peça um gin tónico. Pelo caminho, repare no fantástico espaço do novo Pap'Açorda.

 

e agora algo... surpreendentemente saudável: mousse de chocolate com creme de coco e sem açúcar

É possível fazer uma mousse de chocolate e comê-la sem remorsos nem culpas? É sim, senhora! Graças ao espetacular blog Well and Full onde descobri esta incrível receita, que demora poucos minutos a fazer e tem um ingrediente secreto que a torna cremosa e deliciosa. Já adivinhou qual é? Acertou! É o abacate, pois, claro. Além de dois abacates, leva cacau em pó, geleia de agave ou xarope de ácer, leite de amêndoa e extrato de baunilha. Para fazer o creme de coco, só precisa de uma lata de leite de coco, deixada no frigorífico de véspera. Se quiser saber as quantidades certas de cada ingrediente, espreite aqui a receita original.

WellandFull-12-4-768x1152.jpg

 

mousse de chocolate com menta, uma receita vegan e saudável

Eu sei o que está a pensar. Este casal é ligeiramente esquizofrénico. Um dia Ele partilha uma receita com Nutella e bolachas Oreo, no dia seguinte Ela ataca com uma mousse de chocolate saudável e vegan. Mas é precisamente por isso é que nos damos bem. Os opostos atraem-se. Ele só pensa em receitas hipercalóricas, eu penso em receitas de preferência com calorias negativas. Ele come e não engorda, eu respiro e já estou a engordar. Pior, se o Descartes me tivesse conhecido, no seu tempo, teria mudado a sua máxima para: ”Penso, logo engordo”.

Enfim, é a minha sina. Daí, a minha luta insane por receitas maravilhosas e saudáveis. E foi assim que me deparei com esta mousse vegan do site Vegan Family Recipes. Demora 5 minutos a preparar, e só preciso de leite de coco, cacau em pó, extrato de menta e chips de chocolate vegan (opcional e, se não for vegan, pode comprar os chips normais). Se quiser saber as quantidades certas destes ingredientes para duas pessoas, espreite aqui a receita original.

Vegan_Mint_Chocolate_Mousse-9.jpg

 

a melhor surpresa dos últimos tempos: a fantástica e criativa comida do boi-cavalo em lisboa (sim, é nome de restaurante)

Captura de ecrã 2015-11-05, às 20.22.40.jpg

É preciso ter muito pouco amor ao negócio para chamar Boi-Cavalo a um restaurante. E é preciso ter ainda menos amor ao carro para ir a guiar até Alfama. Tirando estes dois pequenos detalhes, ide em paz e que a fome vos acompanhe.

Este é um dos restaurantes mais criativos e irreverentes a que eu fui nos últimos tempos. Aqui toda a comida tem um toque diferente, original, imprevisível. E é isso que mais me fascina quando desloco os meus seis torneados abdominais para jantar fora. O resto – o ambiente, o barulho, o conforto – é secundário quando chegamos a um sítio onde a comida nos deixa de boca aberta (não de fome, mas de espanto!).

 

mousse de chocolate com apenas dois ingredientes com a assinatura de um chef com 3 estrelas michelin? é isso mesmo que acabou de ler

Eu sei. Parecemos obcecados com receitas de mousse de chocolate com poucos ingredientes. Já aqui falámos de uma receita de mousse de chocolate com 3 ingredientes, e aqui também, mas agora descobri no blog eat live run esta receita com apenas 2, ainda por cima, do famosíssimo chef Heston Blumenthal, o proprietário do fantástico restaurante Fat Duck, no Berkshire, que não tem uma, nem duas, mas sim três estrelas Michelin! E os ingredientes para 4 pessoas são:

(entra o som dos tambores)

265 g de chocolate meio-amargo (com pelo menos 70% de cacau), partido em pedaços e 240 ml de água.

São estes os dois ingredientes: chocolate e água! Não é incrível? Se quiser e só se quiser, pode acrescentar 4 colheres de sopa de açúcar, mas já é opcional. Sem o açúcar esta mousse sabe muito a chocolate. Eu, chocólotra confessa, prefiro assim. Mas se normalmente gosta de um sabor mais suave e doce, junte o açúcar.

mousse 2 ingredientes.jpg

 

mousse de chocolate e coco só com 3 ingredientes: há melhor maneira de começar a sua semana?

A mousse de chocolate é para mim um dos pratos mais maravilhosos que a Humanidade já conheceu. E continua a conhecer. Cada vez mais. É por isso que eu passo metade do meu dia a pesquisar novas formas de fazer mousse de chocolate. E outra metade a comê-las. Adoro a mais tradicional e simples de todas as mousses, gosto ainda mais se lhe puder acrescentar café e até como mousse de chocolate com húmus, com abacate ou com banana

Foi, por isso, no estado de mais profunda euforia que encontrei esta última receita para a Minha Enciclopédia Universal da Mousse de Chocolate: mousse com coco. E sabe que mais? Só leva três ingredientes. Veja lá se não vale a pena perder a cabeça com isto...

IMG_4115.jpg

 

 

mousse de chocolate fácil e saudável com apenas 3 ingredientes (até eu consigo fazer!)

Com a minha queda natural para a falta de jeito na cozinha, nunca me atirei para grandes aventuras culinárias. Ele, sim, é o mestre cá de casa, eu sou mais amiga das receitas básicas e do microondas. Mas agora tudo mudou e, minhas senhoras e meus senhores, vou fazer uma... mousse de chocolate. Acredito que, para quem trata a cozinha por tu, seja uma coisa óbvia e fácil de se fazer, mas para mim, está ao nível de um prato de alta gastronomia. Só que até eu consigo fazer esta incrível, fácil e saudável receita do blog bea's cook book e assim surpreender os meus queridos e trocistas filhos que vivem a dizer que eu sou um desastre na cozinha.

image.jpg

 

 

grei, um restaurante que fechou antes de acabarmos de jantar

Há algum tempo que tinha curiosidade de conhecer o Grei. Quando eu era criança, chamava-se Chester, depois foi um restaurante argentino, agora é o Grei. Atenção: Grei com i, não tem qualquer relação com o senhor das sombras. Infelizmente.

10295461_1473747262860267_2270337239357700212_o.jp

 

 

uma sobremesa light para o jantar do dia do pai: húmus de mousse de chocolate

Tenho uma confissão a fazer. E não pensem que é uma graçola qualquer. O assunto é sério. Não sei o que é que se passa comigo. Ando estranho. E esta noite aconteceu o inevitável: sonhei com o Júlio Isidro

Acha grave? Então prepare-se porque isto não acaba aqui. Quando estava a tomar o meu duche matinal (hoje foi dia de banho!), comecei inopinadamente a cantar o Umbadá. E acabei enrolado na toalha a dançar o É o Bicho. Por isso, antes que acabe a escrever este post no sotaque espanhol do Vasco Lourinho, tenho de fazer qualquer coisa urgente para liquidar esta crise de meia idade que se abateu sobre mim neste Dia do Pai. Preciso de um doce para me sentir jovem de novo a pedalar uma bicicleta enquanto assobio o Verão Azul.

O problema é que sempre que eu pronuncio a palavra doce nesta casa arregalam-se sobre mim dois gigantescos olhos verdes a quererem saltar das órbitas de raiva. É Ela. Essa Senhora agrilhoou-me a esse inferno que dá pelo nome de dieta. NÃO AGUENTO MAIS! Quero voltar a comer bolos com a mesma voracidade com que o Alf devorava gatos!

E foi no meio desta profunda depressão, originada pelo regresso do grande Júlio Isidro à televisão, que encontrei esta sobremesa do Popsugar: um húmus de mousse de chocolate ideal para o jantar da vasta Família Mistério que vamos ter esta noite cá em casa para comemorar o dia dos pais mais misteriosos do planeta. E ainda tem uma vantagem acrescida: como esta receita só tem 100 calorias e 5 gramas de açúcar por dose, penso que estará enquadrada nos rigorosos padrões de exigência da minha tirana Mulher Mistério.

560d00a05110f713_chocolate-hummus.jpg.xxxlarge_2x

Ingredientes

  • 1/4 de chávena de amêndoas cruas sem sal
  • 5 tâmaras sem caroço
  • 425 g de grão de bico de lata lavado
  • 1/4 de chávena de cacau amargo
  • 2 colheres de chá de xarope de ácer
  • 1 colher de chá de extracto de baunilha
  • 1/4 de colher de chá de canela em pó
  • 1/2 chávena de leite de soja com baunilha

 

Coloque as amêndoas num triturador ou na Bimby e ligue no máximo até se transformarem numa manteiga (deve demorar cerca de 5 minutos, dependendo do tipo de triturador que usar). Despeje o resto dos ingredientes e bata tudo até ficar com uma mousse aveludada. Sirva com uns palitos de fruta para ir molhando enquanto enumera todos os elogios que o seu pai tanto merece (no meu caso, são bastantes).

Há sobremesa mais deliciosa para um pai que quer voltar aos anos 80? E ainda por cima light, saudável, dietética, vegan e qualquer outra característica obrigatória de que Ela se lembre à última hora...

 

É Umbadá para todos os pais deste mundo onde quer que eles estejam (especialmente para o Tio Julião),

Ele

 

receita e foto: popsugar

mousse de café e chocolate para me 'aquecer' o dia

52ef3ddf2fb0114bf6db980db0da4ff6.jpg

Não é segredo para ninguém que o chocolate faz bem à alma, levanta o moral e consegue transformar um dia “não” num maravilhoso dia de sol. Não sei se é sinal da terceira idade a aproximar-me perigosamente de mim ou se é do próprio boletim meteorológico mas ultimamente tenho sentido um frio de rachar. Serei a única? Estou a precisar de uma injeção de açúcar com o meu ingrediente preferido: chocolate, ou melhor, com os meus dois ingredientes preferidos: chocolate e café. As minhas preces foram ouvidas e o espectacular blog Playful Cooking criou esta fantástica mousse que se faz em apenas 20 minutos e dá para 4 pessoas. Já estou a aquecer!

 

a mousse de chocolate que demora apenas 12 minutos a fazer

Este post é culpa da Maria João Nogueira. Por isso, antes de começar a ofender-nos aí desse lado por estarmos a publicar mais uma fatwa anti-dieta natalícia, queixe-se à Maria João. Foi ela que nos desafiou no domingo passado a encontrar "uma receita supimpa de mousse de chocolate" a tempo da consoada. E nós, entre compras, viagens para fora, preparação das refeições dos próximos dias e presentes de última hora, lançámo-nos numa detalhada pesquisa gastronómica e encontrámos esta promissora receita de David Lebovitz

E, se olhar com atenção, vai perceber que esta mousse tem vários argumentos a seu favor. Em primeiro lugar, é de um dos mais prestigiados autores de culinária do mundo. Depois, consegue ser cremosa e consistente, leve e densa, tudo ao mesmo tempo. A seguir, quase só leva chocolate, o que a torna ideal para quem verdadeiramente gosta de chocolate. Finalmente, ganhou um respeitoso concurso de mousses de chocolate organizado pelo óptimo blog Gourmantine.

Perante tudo isto, fui à procura da receita que David publicou originalmente numa das suas bíblias da culinária doceira, o The Sweet Life in Paris, altamente recomendável para quem, como eu, vive à procura das melhores sobremesas que a humanidade já produziu.

Captura de ecrã 2014-12-22, às 23.18.44.png

 

petisqueira matateu

 

 

Confesse lá, hoje acordámos mais bem dispostos, não é verdade? Basta olhar para o telemóvel de manhã e ler aquelas duas palavras milagrosas: “quinta” e “feira”. Não, não vou falar da última feira de velharias da Quinta Grande, em Sintra. Vou falar daquele dia fantástico em que começamos a reduzir a velocidade, a fazer a aproximação à pista de aterragem que é o fim-de-semana, a entrar em modo de planador; aquele dia em que começamos a desligar os motores, em que os problemas do trabalho já não têm a mesma importância, em que as imbecilidades do chefe já não parecem tão graves; aquele dia em que já é possível jantar fora sem a confusão de uma sexta ou de um sábado. Sim, parabéns, você acabou de entrar no melhor dia da semana para sair. E, se estamos a falar em sair, temos alguém que devia conhecer. Leitor do Casal Mistério este é o Matateu; Matateu este é o leitor do Casal Mistério.

 

Feitas as apresentações, vamos ao que interessa.

 

 

O ambiente

 

Primeira coisa que devia saber: o Matateu não é bem um restaurante nem sequer apenas o nome de um futebolista famoso do Belenenses. O Matateu é mais uma festa. Aqui há barulho, confusão e descontracção. Mas aqui também há boa disposição, simpatia e animação. Quando vai jantar ou petiscar ao Matateu, tem de se convencer que não vai ser atendido por empregados de farda, não se vai sentar em cadeiras forradas, não vai ouvir um: muito boa noite, bem-vindo ao Matateu. Isto é outra coisa. O que não quer dizer que seja mau, é apenas diferente. A decoração é toda evocativa da velha glória do Belenenses: há fotografias de Matateu nas paredes, há camisolas de Matateu nas molduras, há artigos sobre Matateu impressos nos individuais por baixo dos pratos. O restaurante fica em pleno estádio do Restelo, o que pode parecer assustador, mas acaba por ser um sítio divertido. Nós estivemos lá depois de um concerto de rock – e é esse o espírito com que lá deve entrar: descontraído, bem disposto e animado. Se for assim, vai gostar. Porque aqui tanto pode ficar sentado numa mesa como ao balcão e há quase sempre amigos dos empregados e do dono à conversa. Isso quer dizer que o serviço é mau?

 

 

O serviço

 

Não. Quer apenas dizer que o serviço é ligeiramente diferente do habitual. É um local de amigos. Podem esquecer-se da sua cerveja uma vez, mas estão sempre bem dispostos. E nota-se que fazem aquilo de que gostam, o que hoje em dia é uma raridade no perigoso mundo da restauração. O João Manzarra diz uma graça quando lhe traz o pedido e o empregado não faz má cara quando você pede para trocar de mesa a meio da refeição. Não é o serviço do Gambrinus, mas também não é o aborrecimento do Gambrinus. E tem outras vantagens: é rápido, é flexível, é agradável. Numa frase, é como se estivesse numa festa de amigos. Isso quer dizer que é perfeito?

 

A ementa

 

Também não. Uma festa de amigos é agradável, mas às vezes acaba a cerveja ou o whisky. Aqui acabou uma boa parte da ementa. Quando lá estivemos, não havia o petisco da semana, não havia os pastéis de bacalhau à Brás e não havia o tomate com mozarela. Mas havia outras coisas e, felizmente, não eram nada más.

  

O couvert

O pão é de Mafra, o que não é mau; e a manteiga é de alho e pimentos, o que é ainda melhor. Mas também podia ter vindo um queijinho de Azeitão... Podia, mas por acaso não havia.

   

Os petiscos

Depois das introduções, há as habituais lascas de batata (infelizmente moles e pouco estaladiças), a punheta de bacalhau com tomate e agrião (razoável, mas com este frio não é a altura ideal para pratos destes) e as agradáveis surpresas: os ovos mexidos com cogumelos e parmesão são deliciosos e vêm feitos mesmo no ponto (atenção que não é fácil fazer uns bons ovos mexidos que não saiam secos!) e o picapau de picanha é maravilhoso: é incrível como é difícil temperar a carne com picles sem a deixar com um sabor insuportável a vinagre.

 

 

 

As sobremesas

Tudo isto acabou com uma óptima mousse de chocolate com amêndoa torrada. Podia ter acabado com um promissor crumble de maçã e canela? Poder, podia (se houvesse tudo o que está na ementa), mas não era a mesma coisa.

 

O óptimo - A descontracção, o ambiente e o picapau de picanha. 

O bom - Os ovos mexidos com cogumelos e parmesão.

O mau - A quantidade de pratos que não havia.

 

 

 

E agora meta um cachecol azul ao pescoço e ponha-se a caminho do Estádio do Restelo. Não para ver a bola, mas para gritar golo se houver o picapau de picanha,

 

Ele