Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

os 5 erros que não pode cometer quando começar uma dieta

flat-lay-2583212_960_720.jpg

A minha querida Mulher Mistério diz que este texto é totalmente descabido. Segundo a Ela, ninguém começa uma dieta no dia 28 de Junho. Nesta altura do mês, ou a dieta está já no auge ou o melhor é esquecer. Mas a verdade é que, quando eu comparo as 125 dietas que Ela já fez este ano com os conselhos essenciais dados por respeitados nutricionistas à revista Women's Health, rapidamente percebo que a minha querida Mulher Mistério tem feito tudo ao contrário. Por isso, se calhar, o melhor é recomeçar a dieta mais uma vez e não cometer os erros do costume.

 

1. Cortar alimentos ou grupos de alimentos

Quer emagrecer cortando totalmente o glúten? Ou os lacticínios? Ou o açúcar? Erro. Segundo a nutricionista Adina Pearson, só deve fazer cortes radicais quando tem alergias a certos alimentos ou grupos de alimentos. Caso contrário, isso só vai aumentar o seu desejo pelos alimentos que cortou. Está a ver aqueles ataques de fome súbitos a meio do dia, em que o que lhe apetecia desesperadamente era um chocolatinho? Ou uma bolachinha? Ou outros doces acabados em "inho" para dar a ideia de que não engordam? "A eliminação pode aumentar o seu desejo pela comida restrita e faz o seu cérebro acreditar que essas comidas sabem melhor do que na realidade sabem". O ideal é reduzir muito o consumo de certos alimentos, mas nunca fazer cortes radicais. Ingerir açúcar de vez em quando acaba por ser bom para a dieta.

salad-2756467_960_720.jpg

2. Ficar com fome depois de comer

Todas as pessoas são diferentes e têm necessidades diferentes, por isso a nutricionista Adina Pearson aconselha a não seguir cegamente as quantidades previstas nas dietas: "Tentar controlar quanto come através das regras de outra pessoa nunca será sustentável". O ideal é que a dieta que segue o deixe satisfeito. Só assim pode durar no tempo e fazê-lo emagrecer de forma consistente. Por isso, já sabe: se ficar com fome, coma mais um bocadinho – de comida menos calórica, claro, mas nunca fique com fome. "Tem de ser flexível e responder às suas necessidades".

blueberries-1576409_960_720.jpg

3. Mudar tudo de uma vez

É o primeiro passo para desistir. "Nós apreciamos o seu entusiasmo, mas o sucesso a longo prazo vem de fazer mudanças ao seu estilo de vida de forma progressiva. Só assim consegue viver com as mudanças durante anos". O conselho é de Edwina Clark, responsável de nutrição do site Yummly. Comece por fazer algum exercício no seu dia-a-dia. Depois aumente a carga. E, quando se sentir confortável com isso, faça as mudanças nutricionais também progressivamente. Pode demorar mais tempo, mas Edwina Clark garante que é a única forma de não ter uma recaída e não voltar a engordar.

color-1869132_960_720.jpg

4. Acordar mais cedo para ir para o ginásio

Este conselho da directora do Centro de Nutrição do Boston Medical Center, nos Estados Unidos, é tudo o que a minha querida e dorminhoca Mulher Mistério queria ouvir. Ginásio para ela já é um filme de terror, então se for de manhã é um autêntico Poltergeist. Pois bem, agora Caroline Apovian vem dizer que sacrificar o sono por exercício é o maior erro que pode cometer: "É durante o sono que as nossas hormonas da fome e da saciedade são equilibradas".

Por isso, se quer perder o apetite tem de dormir bem. Um estudo concluiu mesmo que, no dia seguinte a uma noite mal dormida, as pessoas ingeriam uma média de 385 calorias a mais do que o costume. No dia seguinte! Não estamos a falar de um ano depois!

smoothies-2253423_960_720.jpg

5. Escolher os exercícios que queimam mais calorias

Mais uma boa notícia para a minha querida e anti-jogging Mulher Mistério. Se não gosta de correr, não adianta forçar. O conselho é dado pela nutricionista Tory Tedrow. E a razão é simples: a corrida pode queimar mais calorias do que o ioga, mas se odiar correr vai acabar por desistir e, se gostar de praticar ioga, é mais provável que continue. No final, o ioga praticado consistentemente vai acabar por ser mais eficaz do que uma corrida, de três em três semanas, e contra a sua vontade. "No que toca a exercício físico, escolha sempre um plano que inclua exercícios de que gosta". 

O problema – mais uma vez citando a minha querida e sábia Mulher Mistério – é quando não gosta de nenhum exercício.

 

Uma óptima dieta para si onde quer que o peso esteja,

Ele

 

fotos: pixabay