Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

croquetes com crosta de amendoim, picapau, amêijoas e gambas ao sal: onde comer os melhores petiscos

O mundo parou na semana passada para conhecer as novas estrelas Michelin do país. Nós paramos hoje para conhecer os melhores petiscos para acompanhar uma cervejinha bem gelada. As estrelas Michelin são uma maravilha, mas fim-de-semana alargado que se preze exige um bom petisco com uma imperial ao lado. E quando falamos de petiscos não podemos evidentemente deixar de falar de croquetes, de picapau, de amêijoas ou de gambas. Daqueles petiscos que nos deixam a boca a aguar como se fosse as cataratas do Niagara.

 

Os Croquetes com Crosta de Amendoim, da Tasca da Esquina, em Lisboa

Tasca da Esquina - Croquetes 2.jpg

Se um croquete satisfaz muita gente, um croquete com crosta de amendoim satisfaz muito mais. Esta divinal criação do mundo da croqueteria é uma invenção da fantástica Tasca da Esquina, em Lisboa, e é também uma das 73 fabulosas receitas do primeiro livro do Casal Mistério (que encontra aqui).

Os croquetes da Tasca da Esquina são um dos petiscos que fazem parte do couvert, juntamente com um bom pão saloio, um paté de salmão, espadarte e atum com um forte sabor a mar, umas azeitonas tenrinhas e temperadas com orégãos e um fantástico queijo de entorna que é aquele queijo pequenino alentejano muitíssimo saboroso e amanteigado.

Mas o que nos traz aqui hoje são os divinais croquetes. Feitos com um recheio hiperleve, que quase parece um creme, levam uma crosta de amendoim crocante que é qualquer coisa do outro planeta. O recheio leva chouriço, carne de vaca, vinho branco e uma pitada de colorau – tudo na medida certa, leve, desfiado e tão cremoso que quase se desfaz na boca. O exterior mistura o pão ralado com o amendoim picado, o que torna a crosta ainda mais crocante e saborosa. Com uma boa mostarda a acompanhar são irresistíveis.

 

O Picapau do Lombo, do Pinóquio, em Lisboa

Silvia Costa_Pinoquio2.jpg

Há dois estilos muito bem definidos de picapau, aquele que é para mim o melhor prato para acabar um delicioso jantar de marisco: o picapau que leva pickles, azeitonas e um molho avinagrado; e o outro que se limita a misturar azeite, alho e louro, realçando o sabor da carne. Eu voto claramente no exílio dos pickles e no molho a saber essencialmente a alho. E, por isso, o meu picapau preferido é o da cervejaria Pinóquio, em Lisboa, uma das nossas receitas eleitas para o livro As Escolhas do Casal Mistério.

Primeiro, é feito com gigantes e suculentos cubos de carne do lombo mal passados. Depois, leva um molho suave que mistura alho, louro, sal e um toque de vinho branco. A mistura da carne alta e mal passada com o alho e o louro é absolutamente irresistível. E, então, se acompanhar com um delicioso e solto arroz de alho e uma geladíssima cerveja de pressão, fico quase tão feliz como o Donald Trump em dia de cabeleireiro.

 

As Gambas ao Sal, do Mar do Inferno, em Cascais

20161006_135104.jpg

Adoro gambas fritas, venero gambas grelhadas, idolatro gambas al ajillo – mas, para mim, nada se equipara à simplicidade das gambas ao sal. E as melhores de todas estão no restaurante Mar do Inferno, em Cascais. Não estou a falar de gambas cozidas com água e sal. Estou a falar de gambas cozidas muito rapidamente em muito pouca água (ao vapor também ficam óptimas) e depois temperadas com grossas pedras de sal marinho.

O segredo desta receita (que também faz parte do livro As Escolhas do Casal Mistério) está na frescura do marisco e no tempo de cozedura. É isso que vai deixar as gambas suculentas, deliciosas e com o recheio da cabeça quase líquido. Tudo isto misturado com o sal grosso e o inconfundível sabor a mar fazem deste um dos melhores pratos do planeta para acompanhar um bom vinho branco.

 

As Amêijoas à Bulhão Pato, do Covão dos Musaranhos, em Óbidos

IMG_0322.JPG

Não há volta a dar: um restaurante onde pode saborear umas gigantes amêijoas apanhadas na Lagoa de Óbidos, a poucos metros de distância da cozinha, é o equivalente gastronómico a um desfile ao vivo da Victoria's Secret (é claro que nunca assisti a um nem tenho a mínima vontade de o fazer, minha querida Mulher Mistério...).

No restaurante Covão dos Musaranhos, com uma esplanada a dez literais passos da Lagoa de Óbidos, há tudo isso: amêijoas enormes, suculentas e incrivelmente deliciosas, feitas com um equilibradíssimo molho com alho, coentros, azeite, sumo de limão, piripiri e um copo de vinho branco. Se quiser conhecer melhor este paraíso da amêijoa, leia o texto que escrevemos sobre o Covão aqui; se quiser conhecer a receita, é procurar o nosso livro em qualquer livraria. Aliás, na quarta-feira, os chefs do Covão dos Musaranhos estiveram a preparar estas amêijoas divinais na apresentação do livro As Escolhas do Casal Mistério, no El Corte Inglés. Mas essas, infelizmente, acabaram logo todas.

Agora, é só escolher qual o petisco com que vai deliciar-se neste fim-de-semana.

 

Um óptimo petisco para si onde quer que esteja,

Ele

 

fotos: nicolas lemonnier; sílvia costa; mar do inferno; covão dos musaranhos