Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

estas são as melhores panquecas de nova iorque (e são fáceis de fazer)

Começou por ser um pequeno café de um casal onde podia comer panquecas a qualquer hora – até de noite. Ganhou duas vezes o prémio para as melhores panquecas de Nova Iorque, dados pela revista New York. Passou a ter filas à porta. Abriu restaurantes em Tóquio, Dubai, Singapura e Banguecoque. E recentemente recebeu o melhor elogio que podia ter: a top model Chrissy Teigen, autora de um livro de cozinha e que se tonrou uma guru da alimentação saudável, garantiu que comeu ali as melhores panquecas de todos os Estados Unidos da América.

Tudo graças a uma receita simples, da Clinton St. Baking Company, que junta uma divinal e fofinha massa com um espantoso recheio de mirtilos e nozes. Por cima, leva ainda uma deliciosa manteiga de ácer – isso mesmo, feita com xarope de ácer.

O segredo para esta massa fofinha está em não a bater demasiado – para evitar que se liberte o glúten da farinha, tornando a massa densa e pesada. 

Felizmente, o meu dia melhorou bastante quando percebi que a Clinton St. Baking Company fez o favor à Humanidade de publicar um livro onde encontra a receita milagrosa. E a revista InStyle tratou do resto: divulgar a receita a quem não tem o livro ao lado.

É exactamente por isso que amanhã me vou atirar de cabeça para dentro de um prato cheio destas promissoras panquecas.

image_2017-11-18_17-47-42.jpg

 

Ingredientes

Para 18 a 20 panquecas

  • 500 g de farinha
  • 1 colher de sopa de fermento
  • 150 g de açúcar
  • 1 colher de chá de sal
  • 6 ovos grandes com as gemas separadas das claras
  • 720 ml de leite gordo
  • 170 g de manteiga sem sal, derretida
  • 1 colher de chá de extracto de baunilha
  • 250 g de mirtilos
  • 50 g de nozes picadas
  • 65 g de açúcar de confeiteiro
  • Manteiga de ácer a gosto

 

Comece por juntar todos os ingredientes secos – farinha, fermento, açúcar e sal – numa taça (de preferência de metal). Noutra taça, bata as gemas, à mão, com o leite, a manteiga derretida e o extracto de baunilha. Agora, junte os ingredientes líquidos aos secos e continue a bater – sempre à mão – até formar uma massa com alguns grumos, mas onde está tudo bem ligado. 

Noutra taça, bata as claras em castelo durante menos tempo do que o habitual – não deixe que elas fiquem totalmente solidificadas. Aqui, o chef da Clinton St. Baking Company abre uma excepção e deixa-o usar uma batedeira eléctrica, mas avisa para ter cuidado e não bater as claras demais – têm de ficar a meio caminho de se tornarem claras em castelo.

Envolva cuidadosamente metade das claras na massa, com a ajuda de uma espátula de borracha. E depois a outra metade. A massa tem de ficar com alguns grumos e vários pedaços de claras à vista.

Aqueça uma frigideira a cerca de 180 ºC (acho que não vou chegar ao ponto de medir a temperatura da frigideira), com um pedaço de manteiga derretida, e deite um pouco de massa no centro (mais ou menos quatro colheres de sopa). Deixe cozinhar a parte de baixo da panqueca e, antes de a virar, espalhe uma colher de sopa de mirtilos e uma colher de chá de nozes picadas pelo topo, pressionando ligeiramente para ficarem enxertados na massa. Quando começar a ver bolhas a formarem-se à superfície, vire e cozinhe a panqueca do outro lado e repita o processo até a massa acabar.

Sirva com o açúcar de confeiteiro por cima e um pouco de manteiga de ácer (que basicamente é uma mistura de 115 g de manteiga derretida, em lume brando, com 80 ml de xarope de ácer). Parece tentador, ou não?

 

Uma óptimas panquecas para si onde quer que esteja,

Ele

 

receita: clinton st. baking company; foto: michael harlan turkell

2 comentários

Comentar post