Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

fomos jantar ao novo el tomate e comemos um delicioso naco de vitela (mas há mais...)

2da34e48-73b3-41ed-b69b-4df21d926d5f.jpg

Não sei o que é que se passa comigo: esta semana pareço o Speedy González da comida. Eu, que adoro sentar-me em slow motion, a saborear uma boa refeição à mesa, passei esta semana por dois restaurantes com a mesma velocidade com que os locutores de rádio lêem as letras pequeninas do rodapé dos anúncios a bancos. Primeiro foi um prego a despachar na Cervejaria da Esquina entre uma reunião chata e uma chata numa reunião. Depois foi este jantar quase às onze da noite no maravilhoso El Tomate, no Príncipe Real, de que já tínhamos falado aqui. Mas, desta vez, a culpa não foi de nenhuma reunião.

 

15f9ffd7-c2cf-4e22-bacd-85b3f9b75d82.jpg

O serviço 

Mal entrei no restaurante, pouco antes das onze, fui avisado:

– Boa noite, a cozinha fecha daqui a 15 minutos.

Não sei que ideia estapafúrdia foi a minha quando me convenci de que o horário no site haveria de estar certo: de domingo a quinta, das 12h30 às 00h00. É claro que não. Onde eu via uma interpretação literal, a gerência via uma interpretação habitual: o restaurante está aberto até à meia-noite, mas a cozinha fecha às 23h.

Remeti-me à minha insignificância cronológica e entrei rapidamente para pedir, com um dos poucos amigos que fazem o favor de partilhar o segredo do Casal Mistério como se de os códigos da bomba atómica se tratasse.

Apesar da pressa, e além de (evidentemente) se mostrarem rápidos, os empregados foram sempre simpáticos. Para mais, e como o restaurante estava longe de estar cheio, havia vários empregados para a nossa mesa. Devo confessar que cronometrei – e nunca fiquei mais de um minuto à espera que me trouxessem uma imperial.

d8ce642e-5246-45c2-a192-8c59f55f6c79.jpg

A ementa 

O couvert

Como? Perdão? Couvert? Quando me lembrei de perguntar se tinham qualquer coisa para ir comendo... chegou a entrada.

fc6148a7-4be9-4eeb-ad6d-fa9220071eaf.jpg

As entradas

Admito que estava dividido entre a vontade deglutidora de provar os choquinhos com molho tártaro e a bruschetta de bacalhau, e o bom senso de comer alguma coisa coisa ligeiramente mais leve. Perante a hora a que jantávamos e o facto de acordar no dia seguinte às 7h da manhã, optei pelo impensável: não pedir entradas. 

O meu parceiro de refeição tardia, senhor de um bom senso inabalável e de uma sensibilidade gastronómica ao nível da Maria de Lourdes Modesto, pediu uma óptima sopa do mercado (€2,40), feita de legumes, não muito grossa mas suficientemente cremosa.

19ebe0e1-ce6a-4a88-89e8-bfe108b36016.jpg

Os pratos principais

A seguir, ele manteve o rumo detox, e escolheu uma óptima salada ses bosques (€7,30), feita com uma mistura de alfaces, rúcula, salmão, manga, cebolinho, um molho chili e um fio de azeite de limão.

Eu desviei-me da virtude light e pedi um delicioso naco de vitela à El Tomate (€14,50) muito mal passado e acompanhado com três molhos separados. A carne estava tão saborosa que não precisa de molhos nenhuns, mas tem um único problema: não traz acompanhamento. Pior: se quiser pedir um acompanhamento à parte, só há batatas fritas (€1,50); não há uma salada mista ou uns legumes salteados. Optei por deixar-me ficar sossegado apenas com o naco e fui roubando discretamente alguns bocadinhos da salada ses bosques da frente.

99db70b3-034a-4486-b856-07331c5d93a8.jpg

A cerveja

A acompanhar, está lá a fantástica imperial Estrella Damm (€1,50), que eu pedi, e outras variações da mesma marca espanhola, como o Rolls Royce das cervejas, a Inedit Ferran Adriá (€9,50 por uma garrafa de 75 cl), criada pelo chef catalão em colaboração com os dois sommeliers do El Bulli, Ferran Centelles e David Seijas. (Hoje em dia, já encontra a Inedit à venda em supermercados como o Continente.)

a0c59279-4609-43af-baf7-166bbe5b6cf4.jpg

O ambiente

O candeeiro feito com garrafas de vinho vazias é o melhor resumo do que é a decoração do El Tomate: surpreendente e arejada. A iluminação é óptima, clara e alegre; as paredes e porta em vidro para a rua dão profundidade a um espaço pequeno; as flores e cadeiras às cores dão-lhe vida; e os pormenores fazem a diferença: por exemplo, o naco vem servido numa tábua de madeira clara.

c4b4e0cd-d967-4969-aaf8-36eef87db9c5.jpg

8b0fd967-1195-44ef-8ee8-5f51cfc4cacc.jpg

d5d85e59-33a9-43de-a0f0-86d2b88c1dbd.jpg

As crianças

Não há um menu infantil, mas a comida é agradável para os miúdos: sanduíches, tostas, saladas e petiscos. No entanto, o espaço não é grande e, à noite, o Príncipe Real não é um filme aconselhável a menores de 10 anos. Por outro lado, vir aqui almoçar ao fim-de-semana em família é o melhor que lhes pode dar.

d806fd1f-899a-4f6d-8400-49123668880f.jpg

O bom 

O naco à El Tomate

O mau 

Só ter batatas fritas para acompanhar

O óptimo 

A decoração

 

Boas tomatadas para si onde quer que esteja,

Ele

 

2 comentários

Comentar post