Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

lanche para quem não quer comer muito: as mini-empadas da padaria portuguesa

Hoje estive na sede do BES. Não aguento mais a pressão imposta por Ela. Resolvi pôr tudo em pratos limpos, esclarecer a questão, liquidar o problema. Preparei uma mochila, pus lá dentro tudo o que precisava e parti. Quando cheguei à porta da sede do banco, em Lisboa, fiz aquilo que tinha a fazer: virei à esquerda, subi a rua e entrei na porta da esquina, a da Padaria Portuguesa. Aproximei-me do balcão e pedi uma mini-empada de galinha. 

Ela não pára de me pressionar por causa dos lanches, das bebidas happy hour, dos gins tónicos, dos baldes de pistáchios, tremoços e dos amendoins envoltos em wasabi. Resolvi entrar em dieta só hoje entre as cinco e as sete da tarde. Por isso precisava de esclarecer uma questão relevante: qual é o melhor salgado para alguém de dieta? Reconheço que não pesquisei muito. Passei pelo quiosque do Banana Café, na Avenida da Liberdade, e só encontrei mini-quiches do tamanho de um prato de sobremesa, cruzei a entrada do Tivoli e vi um mordomo de cartola à entrada que assusta qualquer ser humano que não tenha um avião particular para hipotecar quando for obrigado a pagar a conta, e foi aí que vi o BES. E pensei: ora aí está um sítio que se adapta a um pobre elemento de classe média como eu. Não estava a pensar no Banco Mau, estava a pensar na Padaria Portuguesa, que fica mesmo ali ao lado.

É aqui que estão umas óptimas mini-empadas de galinha do tamanho de uma bola de golfe. Vêm ainda quentes, a massa é leve e o recheio não tem nada de seco. Com aquele tamanho, é o ideal para alguém que está sempre a ser convidado a entrar no Biggest Loser, como eu. E, ainda por cima, é boa. Com uma Coca-cola com gelo e limão (Zero, claro!) fiz a festa.

E tive companhia. Em cima da mesa à frente da minha, na esplanada, uns pombos inchados de tanta comida sorviam os restos deixados pelos clientes no prato. Confesso que achei a cena um bocado repugnante. Mas a gula foi mais forte do que eu: levantei-me e fui buscar outra mini-empada. Acha que estraguei tudo?

 

O bom 

A esplanada fresca

O mau 

Os pombos em cima das mesas

O óptimo 

As mini-empadas de galinha

 

Um bom lanche light para si onde quer que esteja,

Ele