Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

massa chinesa com queijo da serra e alecrim (ou como aproveitar a casca do queijo da serra)

serra 3.jpeg

O momento em que nos despedimos pela última vez de um Queijo da Serra é sempre um momento triste e difícil de ultrapassar nas nossas vidas. Esta semana, foi com alguma pena que olhei pela última vez para uma raquítica casca de queijo amanteigado que durou apenas uma semana no prato – cá em casa acho que as crianças aprenderam a gostar de queijo antes de terem aprendido a falar. E foi no momento que que me preparava para começar as cerimónias fúnebres, junto ao caixote do lixo, que parei e olhei para o meu lindíssimo seminovo tacho que a minha querida Mulher Mistério fez a delicadeza de me oferecer. 

– Alô, Terra chama Ele! Acorda, homem! Olha para as infinitas oportunidades que existem ao juntares estas duas preciosidades: um tacho e uma casca de queijo da Serra! Não deites isso fora, seu cérebro de perú!

A voz segura do meu neurónio esquerdo soou-me como uma premonição nos ouvidos. Parei a dez centímetros do saco do lixo e recuei lentamente em modo rewind até ao balcão da cozinha. Parecia o Michael Jackson a dançar o Thriller para trás.

 

serra 2.jpeg

Ingredientes 

  • 500 g de massa chinesa
  • 1 casca de Queijo da Serra
  • Alecrim
  • Sal

 

Sem hesitar, pus um saco de massa chinesa a cozer durante três minutos. Convém ir mexendo para ela se soltar. Enquanto isso, liguei o forno no máximo e contemplei a minha querida casca como quem olha para a Gisele Bündchen a acordar ao nosso lado. Mal realizei que uma casca de queijo da Serra não tem nada a ver com a Gisele Bündchen, e que essa só podia ser uma associação feita por um perfeito idiota, fui apanhar um pouco de alecrim à minha mini-horta biológica. Quando a massa acabou de cozer, passei-a por um passador e coloquei a casca raspada no fundo do tacho. A seguir, pus a massa, sal grosso, o resto de queijo que consegui raspar com a colher e o alecrim. Levei tudo ao forno durante cinco minutos e fui abrir uma magnífica garrafa de Amantis Reserva Tinto que tinha posto meia hora antes no frigorífico (sim, no Verão, faço isto para não beber o vinho quente demais).

serra.jpeg

O resultado foi uma massa molhada no meio e tostada na parte superior. A que se juntou um maravilhoso cruzamento do sabor forte do queijo com a suavidade do alecrim. Imperdível. É uma óptima maneira de rentabilizar mais um bocadinho um magnífico Queijo da Serra. Ainda por cima, não estava uma noite muito quente. Por isso foi perfeito. Venha o próximo queijo que agora tenho o neurónio direito a reclamar.

 

Um abraço para todos os neurónios da minha pequena cabeça, onde quer que eles estejam,

Ele

 

fotos: casal mistério

 

1 comentário

Comentar post