Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

novidade! novidade! agora pode comer o melhor marisco no mercado de cascais

Mal chegámos de férias, enfiámo-nos no carro e fomos directos a Cascais. Não para visitar o Ricardo Salgado nem para abrir uma conta no Banco Mau. Fomos conhecer o novo restaurante de marisco do momento. Aberto há poucas semanas, o Marisco na Praça é a primeira boa notícia da remodelação do Mercado da Vila, que a Câmara de Cascais tem feito no último ano à mesma velocidade que o Banco de Portugal investiga o BES.

Eu sei: podia ser mais rápido. Eu sei: o novo restaurante podia ser mais divulgado. Eu sei: até podia ter uma página no Facebook, já que estamos no ano da graça de 2014. Mas também sei outra coisa: este novo spot é uma óptima notícia para o Verão. E tem três qualidades difíceis de encontrar: bom marisco, bom ambiente e bons preços.

 

A ementa 

O método

Na verdade, não há bem uma ementa. O restaurante funciona como se fosse um mercado. Localizado na zona onde as peixeiras da praça têm as suas bancas, está cuidadosamente rodeado de vidro para reduzir o barulho e o cheiro à volta. Mal entra, encontra uma banca com o marisco do dia e os preços ao quilo. Tem um rapaz a atendê-lo e é a ele que diz quanto quer de cada marisco e como o quer cozinhado. Depois ele pesa à sua frente e manda o marisco para a cozinha. Enquanto isso, o cliente segue em frente até à caixa, onde paga o marisco que pediu e as bebidas. E aqui decide: quer comer ali ou quer levar para casa? Se quiser ir embora, adeus e boa viagem. Se quiser ficar, aproveite que isto é bom. Depois de escolher onde se quer sentar, os empregados servem-no como se estivesse num restaurante normal. Trazem-lhe mais bebidas e mais comida, se quiser. Tudo o que pedir na mesa paga no fim.

O marisco

Mas, vamos voltar ao princípio. Então, o que é que há na banca do marisco à nossa espera? Bruxas de Cascais, perceves, amêijoas, ostras, canilhas, camarões, carabineiros, sapateira e a mais agradável de todas as surpresas: lambujinhas. Eu sei que o nome não é digno de um sítio onde viveram reis, príncipes e banqueiros. Mas posso garantir que é um marisco maravilhoso. Considerada a segunda divisão distrital da amêijoa, a lambujinha é muitíssimo saborosa e muito mais barata. Com uma concha mais frágil e menos côncava, vale mesmo a pena experimentar. Nós pedimos lambujinhas à Bulhão Pato e estavam deliciosas.

A seguir, escolhemos umas ostras, que estavam fresquíssimas, ao nível das de Cacela Velha, se bem que mais caras (2 euros a ostra), e umas deliciosas bruxas de Cascais. Este marisco, muito difícil de encontrar, é um irmão anão do cavaco – não o Presidente da República, o marisco dos Açores. Muitíssimo saboroso e bem cozido, é caro. Mas como é muito pequeno, com 200 gramas (16 euros) tem um óptimo prato para dividir.

Finalmente, escolhemos um camarão frito com um magnífico arroz de alho (solto e delicioso) e uns perceves, a única desilusão da noite – estavam muito salgados e cozidos demais: ao tirar a casca, o marisco soltava-se da cabeça.

Por tudo isto, pagámos menos de 25 euros por pessoa. O preço pode baixar até aos 15 euros por pessoa se optar, por exemplo, por uma sapateira.

 

A cerveja

Há muito tempo que não bebia uma imperial tão estupidamente gelada. Para dias de calor a seguir à praia, é perfeito.

 

O ambiente 

O ideal é ir cedo, a seguir à praia. Assim faz um lanche ajantarado e evita as enchentes. Parece que à sexta e sábado costuma estar cheio, mas ao domingo está vazio.

A decoração é simples e castiça, com candeeiros em ferro, mesas em madeira e caixas de vinho com os talheres lá dentro. A cozinha está também rodeada de vidro, o que nos permite ver tudo à nossa volta: de um lado, o chef a tratar do jantar; do outros, as peixeiras a tratarem do peixe. É o ambiente perfeito para um restaurante num mercado. E ainda tem uma pequena esplanada que dá para a área exterior do mercado.

O serviço 

São miúdos. E isso tem vantagens: são simpáticos, rápidos e disponíveis. E desvantagens: quando perguntei se tinha lapas, respondeu-me que não tinha cracas. Apesar da baralhação, correu tudo muito bem. É claramente um sítio para voltar. E parece que, durante o Verão, ainda vão abrir mais restaurantes no Mercado da Vila. Um dos que mais promete é um espaço explorado pelos donos do Páteo do Petisco. A remodelação demora, mas promete.

O bom 

O sítio, mesmo no meio do mercado do peixe

O mau 

Os perceves

O óptimo 

As ostras, as bruxas e as lambujinhas

 

Boas mariscadas para si onde quer que esteja,

Ele

12 comentários

Comentar post