Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

o almoço mais fresco do verão: tártaro de salmão com queijo fresco e wasabi, uma receita fácil, deliciosa e muito light

20160809_210145.jpg

Há poucas receitas mais agradáveis no Verão do que o maravilhoso tártaro de peixe: fresco, doce, ácido, salgado e picante, consegue juntar quase todos os sabores num prato leve e dietético. Uma das teorias sobre a invenção deste prato foi publicada na prestigiada revista The Atlantic em 2010. Supostamente, um dos primeiros peixes a ser servido cru nos Estados Unidos terá sido um atum, em 1984, no restaurante Chaya Brasserie, em Beverly Hills.

O Chaya tinha acabado de abrir e apresentava um menu de degustação onde o prato mais famoso era o bife tártaro. Um dia, um grupo de seis clientes pediu ao chef para substituir o bife tártaro por outra coisa que não tivesse carne. O chef era Shigefumi Tachibe, um japonês criado em França que conhecia bem o sushi então praticamente inexistente no mundo ocidental.

Tachibe entrou na cozinha a correr, sem saber bem o que preparar, e a primeira coisa que viu à frente foi uma óptima posta de atum: "Era parecida com carne e era gorda como a carne vermelha". Foi por isso que se lembrou de improvisar um bife tártaro com atum. Cortou o peixe em cubos, preparou um molho com a mesma maionese servida com o bife tártaro e provou: "Estava óptimo", relembra. O prato fez um sucesso tão grande que começou a ser pedido por vários clientes – até que foi incluído na ementa.

Cá em casa, a minha querida Mulher Mistério prefere sempre o salmão ao atum, mas não dispensa uma refeição de tártaro por semana. Ontem preparámos esta deliciosa receita improvisada que mistura o peixe (gordo e saboroso) com queijo fresco (suave e macio) e um molho de lima, soja e wasabi (salgado, frutado e picante que corta a gordura do peixe na perfeição). Vai ver como é fácil de fazer e saudável de comer.

 

20160809_205629.jpg

Ingredientes

Para 2 pessoas

  • 400 g de lombo de salmão
  • 1 lima grande
  • 2 colheres de sopa de molho de soja
  • 1 cebola roxa média picada
  • 2 queijos frescos pequenos
  • 1 tomate médio cortado em cubos
  • 1 mão cheia de coentros
  • 2 colheres de chá de wasabi
  • 2 colheres de chá de rábano-picante ralado (se não encontrar, use gengibre)
  • Flor de sal do Algarve
  • Tostas fininhas de pão alentejano para acompanhar

 

O segredo desta receita é o peixe. Se tiver um salmão fresco, tem uma receita deliciosa; se não, mais vale dedicar-se à pesca – ou então mudar de peixaria, a nossa preferida fica aqui. Corte o peixe em cubos pequeninos e coloque-o numa taça. Esprema a lima como deve ser (aprenda aqui a espremer a lima de maneira a não ficar amarga), junte o molho de soja e envolva bem o peixe no molho. 

Agora é a vez da cebola, do tomate, dos coentros (só as folhas) partidos à mão (quanto mais picar os coentros, mais eles perdem o sabor) e do queijo fresco que lhe vai dar um toque macio e suave. Acrescente o wasabi (se gostar de mais picante, coloque mais) e o rábano-picante e volte a misturar tudo. Antes de servir, tempere com flor de sal a gosto – para mim, a flor de sal do Algarve é imbatível.

Cá em casa, comemos o tártaro por cima daquelas divinais tostas de pão alentejano que compra em alguns supermercados. Tempere as tostas com azeite e flor de sal antes de colocar o peixe por cima. Almoço mais fresco do que este não há.

 

Um óptimo tártaro para si onde quer que o calor esteja,

Ele

 

receita e foto: casal mistério