Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

o novo pap'açorda: é aqui que come a melhor mousse de chocolate e alguns dos melhores petiscos típicos portugueses

842896_508517802522615_79791724_o.jpg

Quando chega ao novo Pap'Açorda, no Mercado da Ribeira, em Lisboa, a primeira coisa que encontra é uma enorme parede e dois vidros, sem qualquer porta de entrada. A segunda é o ex-secretário de Estado das Obras Públicas de José Sócrates, Paulo Campos. Eu sei que tudo isto pode ser pretexto para não entrar, mas faça um esforço: aqui comem-se alguns dos melhores petiscos portugueses, como a açorda de gambas, a canja de rabo de boi, os carapauzinhos marinados ou a divinal mousse de chocolate.

Mas antes, vamos às dicas. Para evitar a figura pouco recomendável da minha querida Mulher Mistério a tentar empurrar um enorme vidro como se fosse uma porta misteriosa, dirija-se à área central da entrada: aquilo que parece uma parede preta é, no fundo, uma gigantesca porta giratória.

Para evitar ex-governantes, dirija-se ao bar e peça um gin tónico. Pelo caminho, repare no fantástico espaço do novo Pap'Açorda.

 

Captura de ecrã 2016-04-29, às 13.13.23.png

O ambiente

Dividido em duas salas (uma para fumadores, outra para não fumadores), tem também dois bares onde pode beber um copo antes de se sentar. Com um tecto alto e simples de armazém, é arejado e agradável e tem alguns detalhes de decoração que conquistaram logo a minha querida Mulher Mistério, como a parede preta com os nomes dos pratos escritos em várias línguas, o chão com mosaicos em tons de branco, cinzento e preto e a garrafeira toda em vidro a dividir o restaurante. 

12472591_1139694439404945_4067993757009266326_n.jp

Além de Paulo Campos, o ambiente mistura gente de todas as idades e nacionalidades, o que dá vida ao local. Quando nós fomos, estava praticamente cheio, mas há bastante espaço entre as mesas, o que evita aquele clima desagradável de ter um casal de namorados sem conversa vidrado na mesa do lado.

No fundo, com a mudança do Bairro Alto para o Cais do Sodré, o Pap'Açorda conseguiu transformar-se num restaurante mais arejado, mais alegre e onde dá muito mais prazer ir. Só uma coisa é que se manteve igual: a comida deliciosa.

12718395_1129583760416013_4587326407663327302_n.jp

A ementa

Nós entrámos directamente para o bar, onde ficámos à espera de um casal amigo enquanto bebemos um óptimo gin tónico Sharish (€10), servido com lima, maçã e água tónica Schweppes premium. Os cubos de gelo mais pareciam gelo picado, mas o pior não é isso – é o facto de não haver um único aperitivo para enganar um estômago vazio antes da entrada do gin. Nem uma amêndoa, nem um amendoim, nem uma batatinha frita... 

Captura de ecrã 2016-04-29, às 13.13.57.png

O couvert

Apressada a transferência para a mesa, para tentar ingerir alguma coisa que absorvesse o álcool, tivemos de esperar 20 minutos até que chegasse o couvert (€2,50 por pessoa). É tempo demais, mas também é bom demais. Além de três tipos de pão e duas manteigas (uma de ervas boa e uma de alho que me pareceu demasiado forte para começar uma refeição), chegaram aqueles que entraram directamente para o top dos melhores pastéis de massa tenra que já comi. Em tamanho miniatura (que é o ideal para um couvert), tinham uma massa muito leve e macia e um recheio de atum divinal: para lá do sabor muitíssimo apurado, era cremoso e vinha ainda quente. Para completar, vem uma mistura de azeitonas pretas e verdes.

1002943_564306713610390_549560443_n (1).jpg

As entradas 

E se os pastéis de massa tenra estavam divinais, os carapauzinhos alimados (€7,50) que comemos de entrada estavam do outro mundo. Minúsculos e escalados, vêm com aneto e uns grãos de pimenta rosa tão suaves que se desfazem em flocos. O molho é tão bom e o peixe tão fresco que eu seria capaz de ainda estar lá agora a virar doses de carapauzinhos como se fossem minis.

O festival continuou com umas deliciosas favinhas com alho e chouriço (€9,50) que são um dos pratos preferidos da minha querida Mulher Mistério. Muito pequeninas e tenrinhas, foram comidas vorazmente por toda a mesa.

IMG_5985.jpg

O mais difícil de dividir pelos quatro foi também o melhor prato da noite (a par dos carapauzinhos): uma inigualável canja de rabo de boi com rabanada de Vinho do Porto (€6). Cada um com uma colher em punho, atacámos a sopa sem hesitações. Servida com uma fatia de pão torrado por baixo e com o rabo de boi desfiado por cima, a desfazer-se na boca, tem uma combinação de sabores simplesmente perfeita. Levava ainda uns fios curtos de massa que não enchiam demasiado.

13000084_1144582885582767_2909980965312781476_n.jp

Os pratos principais 

Discretamente, para que os nossos amigos não percebessem que precisávamos de provar tudo (isto de ser um Casal Mistério, mesmo entre os amigos, não é fácil...), lá os conseguimos convencer a dividir também os pratos principais.

Primeiro, provámos um sável frito com açorda de ovas (€17) que estava muitíssimo fresco, mas com uma textura ligeiramente farinhenta na cobertura. A açorda estava óptima, cremosa e com umas deliciosas ovas que são a minha perdição.

1380439_609144539126607_91143144_n.jpg

A seguir, comemos a famosa açorda de gambas (€18) que está muito próxima da perfeição: leve, não muito densa, e com o ovo no ponto certo: com a clara cremosa mas cozida. As gambas eram enormes e muitíssimo bem cozidas.

Como prato de carne, pedimos as fantásticas e hiper suculentas costeletas de borrego (€23), pequeninas e feitas no ponto, com o interior bem rosado. A acompanhar veio um esparregado razoável e umas batatas fritas que, não sendo estaladiças, eram leves, saborosas e bem fritas.

A desilusão da noite foi o polvo estufado em vinho tinto e especiarias (€18) que veio tenrinho mas ligeiramente insosso e com o sabor a vinho tinto demasiado presente. A acompanhar trouxeram um puré de batata doce razoável.

1607035_675864975787896_370140656_n.jpg

As sobremesas 

Este ligeiro contratempo do polvo foi imediatamente esquecido com as estratosféricas sobremesas. O leite creme (€4) é ligeiramente mais consistente e menos cremoso do que aquilo que eu gosto, mas traz uma cobertura queimada e crocante bem fininha que estava óptima.

O melhor de tudo é a famosa mousse de chocolate (€6,50): preta mas doce, densa mas cremosa, tem um delicioso e forte sabor a chocolate, que a deixa a quilómetros de distância de muitas mousses afundadas em natas que se vêem por aí. Estava tão boa que, com o café, ainda pedimos umas fabulosas trufas de mousse de chocolate (€1,50): por fora, têm uma capa fininha de trufa; por dentro têm o recheio cremoso da mousse. Ao trincar, tudo isto se mistura na boca.

Captura de ecrã 2016-04-29, às 13.15.28.png

O serviço

Muitíssimo simpático, é no entanto um pouco demorado. E não foi só na confusão com o couvert, que levou o empregado a servir antes de nós duas mesas que tinham chegado mais tarde e a trazer o pão quase ao mesmo tempo das entradas. Quando quis pedir mais uma garrafa de vinho, fiz sinal à empregada que estava a servir outra mesa e que me fez um gesto com a cabeça a dizer que já viria. Esperei 10 minutos e nada. A certa altura, decidi pedir a uma colega que me trouxe logo a garrafa e a serviu. Quinze minutos depois, apareceu a primeira empregada a perguntar o que queria.

Tirando estes dois detalhes, correu tudo bem.

12994335_1141764169197972_4397441141813839787_n.jp

As crianças 

Não tem menu infantil e, apesar do espaço arejado, não é claramente um restaurante para crianças.

 

O bom 

O espaço e a decoração

O mau 

A demora do serviço: demorou 20 minutos a trazer o couvert

O óptimo 

A comida, em especial a canja de rabo de boi e os carapauzinhos alimados

 

Um óptimo jantar para si onde quer que a açorda esteja,

Ele

 

fotos: pap'açorda; casal mistério

 

 

Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial.

1 comentário

Comentar post