Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

onde almoçar esta semana? na nova peixaria que acabou de abrir no centro comercial alegro

10418876_775241455879511_4914513570278290868_n.jpg

O serviço

Quando chegámos à fila para sermos atendidos na Nova Peixaria, a última novidade no Centro Comercial Alegro, em Alfragide, tínhamos à nossa espera um empregado com a facilidade de expressão da múmia de Tutankamon e a facilidade de sorrir de Cavaco Silva (não há grandes diferenças entre estas duas metáforas, pois não?). Depois de um extenso diálogo em que o empregado conseguiu proferir seis ditongos e meio sorriso, já tínhamos os nossos pedidos anotados.

Na Nova Peixaria, tudo tem de ser rápido e eficaz. Desde que abriu, há duas semanas, o restaurante tem diariamente, à porta, uma enorme fila de gente ansiosa por experimentar peixe fresco a preços de shopping. Por isso compreende-se que não haja tempo para grandes simpatias. Especialmente por parte de quem está a percorrer a fila de clientes à espera enquanto tenta adiantar os pedidos. 

A partir daí, com os outros empregados, a simpatia subiu consideravelmente. O grande problema, no entanto, é a espera: é difícil ter de ficar menos de 10 minutos em pé só até conseguir chegar à caixa para pagar.

 

10702022_719915538078770_2432535831110964132_n.jpg

O ambiente

O conceito é inspirado no restaurante original que abriu no ano passado no Parque das Nações: pregos, hambúrgueres, espetadas, ceviches, tártaros e saladas – tudo de peixe. A decoração é clean e elegante, especialmente para um restaurante de shopping: listas em tons de azul nas paredes, mesas e cadeiras de madeira e candeeiros minimalistas feitos de lâmpadas penduradas no tecto. O único problema são as frases poéticas sobre o mar que estão espalhadas pelo espaço. Vamos lá esclarecer aqui um detalhe: se eu quisesse ler Fernando Pessoa, sentava-me à lareira com o cachimbo na mão e um olhar melancólico nos olhos. Não ia a um restaurante. Aí vou para comer e divertir-me, não para reflectir sobre Deus ter querido "que a Terra fosse toda uma, que o mar unisse, já não separasse". Mas por falar em comer...

Captura de ecrã 2015-04-21, às 00.09.44.png

A ementa

Agora, sim, começamos a falar de coisas sérias. Um prego de dourada é coisa para deixar a minha querida Mulher Mistério arrepiada até à raiz das sobrancelhas:

- Prego de dourada?!

Estas foram as únicas três palavras que Ela conseguiu proferir antes de descer sobre si aquele ar de enjoo típico de quem é incapaz de experimentar alguma coisa ligeiramente diferente do bife com ovo a cavalo.

- Mas não comes prego de atum?, perguntei eu meio a medo.

- É diferente.

- Porquê? Também é peixe...

- Porque sim.

10805838_751195281617462_5697105707381057551_n.jpg

Perante a força deste argumento, desisti. E pedi o prego de dourada, claro! Escusado será dizer que, como sempre, estava certíssimo. A dourada vem servida apenas em forma de lombo (sem espinhas, rapaziada) e está cozinhada de forma irrepreensível: estaladiça na pele e suculenta no peixe. A acompanhar vêm duas fatias de um bolo do caco razoável e uma fantástica salada mediterrânica. E o que é uma salada mediterrânica?, ia perguntar-me já de seguida. Uma salada mediterrânica é uma mistura maravilhosa de alfaces, cebola roxa, coentros (adoro coentros na salada!), tomate cortado aos cubos e – a surpresa para o fim – trigo integral, o que lhe dá uma textura absolutamente surpreendente (até rima e tudo!). Além de tudo isto, ainda vieram mais dois acompanhamentos: uns legumes assados no forno muito empapados (cozinhados demais) e uns chips de batata doce que estavam frios e pouco estaladiços.

18923_827405080663148_4730487146645097746_n.jpg

A minha prezada Senhora Mistério optou por um tártaro de atum (€6,50 menu com bebida, que é como quem diz: água porque infelizmente a Nova Peixaria só tem Pepsi e o chá do menu era demasiado doce) que adorou: o atum era fresquíssimo, com um forte sabor a limão. A acompanhar, a mesmíssima salada mediterrânica, duas óptimas torradas de bolo do caco quentes e estaladiças, e as chips de batata doce, que, tal como as minhas, estavam frias e não eram brilhantes. 

 

A sobremesa

Para acabar, eu consegui convencê-la de que meia sobremesa tinha menos calorias do que uma peça de fruta e, quando Ela percebeu, tinha à sua frente, para dividirmos, um brigadeiro de tacho (€1,80) com um aspecto duvidoso. É verdade: neste caso, o aspecto era inversamente proporcional ao sabor. Por baixo de uma capa de chocolate com ar ressequido, estava uma mousse ainda quente, com a consistência de uma espuma e o sabor de um brigadeiro.

E sabe qual é a melhor notícia de todas? Em breve vai poder provar este brigadeiro em outros locais: a Nova Peixaria está a expandir-se.

 

O bom

O prego de dourada e o tártaro de atum

O mau

Os legumes no forno

O óptimo

A salada mediterrânica e o brigadeiro de tacho

 

Um bom peixe para si onde quer que a peixaria esteja,

Ele

 

fotos: nova peixaria

 

1 comentário

Comentar post