Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

petisco de fim de tarde no algarve: as óptimas ostras a 1 euro em cacela velha

Aqui não vamos para ser bem atendidos, vamos para comer como em poucos outros sítios do País. Estou a falar de ostras, claro.

 

O ambiente 

Não espere nada de muito sofisticado. Nem nada de pouco sofisticado. Sofisticado é uma palavra que ainda não chegou à Casa da Igreja. E ainda bem. Fazem falta sítios como este – que não mudam com os anos e que mantêm o estilo claramente castiço. Aqui, os bancos são corridos, o ar condicionado é uma porta aberta para a rua e as toalhas de mesa são daquele papel meio ondulado das tascas de antigamente. Aqui, quando entramos de xanato no dedo, areia nos pés e cabelo no ar, depois de um longo dia de praia, sentimo-nos como o Príncipe Carlos a entrar no McDonald's: claramente overdressed. O restaurante (não sei bem se lhe podemos chamar restaurante) é simples e quer manter-se simples.

 

Existe uma sala interior, com cinco ou seis mesas, onde o calor andará perto da temperatura na Amareleja e a humidade relativa ao nível das Filipinas. A alternativa é conseguir um lugar na esplanada, que dá para um simpático largo onde não passam carros, mesmo em frente à igreja de Cacela-Velha. No dia em que lá fomos, havia uma pequena banda com um acordeão a tocar na rua e umas senhoras da igreja a venderem numa esquina uns maravilhosos bolos de figo, de alfarroba, de amêndoa ou das três coisas juntas (é claro que foi a nossa sobremesa, mas já lá vamos). 

O sítio é agradável, mas os bancos corridos não têm encosto e as mesas são grandes demais. Por isso tem duas hipóteses: ou vai por volta das cinco da tarde e tenta arranjar um lugar na esplanada antes de a multidão chegar ou tenta colar-se a uma mesa que esteja ocupada. Foi o que fizemos. Como íamos só quatro – os elementos mais velhos da família sub-18 ficaram em convívios adolescentes – impingimo-nos para a mesa de um simpático casal que estava sozinho e que não se importou de conviver com mais quatro almas famintas. É a vantagem do local: os empregados podem não ser uma simpatia, mas os outros clientes são.

 

O serviço 

Limitam-se a cumprir. Servem rapidamente e em força, não facilitam, não conversam e não sorriem. Se fosse noutro sítio qualquer, eu amuava. Aqui não. Quem me dá estas ostras dá-me tudo.

A ementa 

Não há pratos, só há petiscos. A ideia é vir comer qualquer coisa ao fim da tarde antes de se atirar para uma jantarada digna desse nome. E as ostras são obrigatórias.

Primeiro, prove as ostras, depois prove as ostras e no fim prove as ostras. Não há comparação entre as ostras daqui ou as de qualquer outro local das redondezas. As ostras de Cacela são famosas. Mas a fama é injusta. Deveriam ser conhecidas como as ostras da igreja. Tanto no restaurante Casa Velha como na Fábrica, ali perto, o marisco é óptimo. Mas entre o óptimo e o fabuloso vai uma ligeira diferença. E aqui as ostras são fabulosas. Além de virem frescas sabem muitíssimo a mar, são grandes e suculentas. Não é exagero: sente-se claramente a diferença de sabor entre estas ostras ou as dos outros sítios. Depois, há um argumento adicional: cada ostra custa 1 euro. Leu bem: 1 euro. Por cada ostra comprada na Comporta, come duas ostras e meia aqui – e melhores!

Além das ostras, tem amêijoas boas, camarão e cadelinhas (na época delas). Para acabar, pode pedir um chouriço assado na canoa. Mas assim já ninguém consegue jantar a seguir. A nossa sugestão é: ostras e, se tiver muita necessidade de variar, umas amêijoas ou umas cadelinhas.

Acompanhe tudo com uma imperial muito gelada e está feito: ganhou o dia. Para sobremesa, os bolos estavam óptimos, mas não me parece que as senhoras da igreja estejam lá sempre.

A seguir a este lanche, levante-se e dê uma volta pelo largo da igreja: a vista para a ria Formosa é de sonho.

O bom 

O ambiente descontraído

O mau 

A dificuldade em arranjar lugar na esplanada

O óptimo 

As ostras

 

Um bom petisco para si onde quer que esteja,

Ele 

 

1 comentário

Comentar post