Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

sabe o que é que se comia nos restaurantes em 1974? bem vindo ao primeiro ano das estrelas michelin em portugal

Revoluode25deAbrilVitorValente19740008.jpg

Hoje é dia de pôr um cravo na lapela e um babete ao pescoço. Com o cravo, celebra a revolução política; com o babete, comemora a revolução gastronómica. E porquê? Porque 1974 foi o ano do 25 de Abril, mas foi também o ano em que Portugal se estreou no famoso Guia Michelin, com quatro restaurantes a entrarem directamente para o top das estrelas: o Portucale (no Porto), o Pipas (em Cascais) e o Aviz e o Michel (em Lisboa).

(Na verdade, já tinha havido duas estrelas para o restaurante Escondidinho, no Porto, em 1936-38, mas o ano de 1974 foi o primeiro em que Portugal teve estrelas no formato moderno do guia.)

É por isso que hoje decidimos fazer uma edição revivalista do Casal Mistério. Neste post, fica a conhecer os restaurantes da moda em 1974. À tarde, mostramos-lhe as receitas do ano da revolução.

 

00001_xl.jpg

Agora, faça de conta que está de volta a 1974 e quer ir jantar fora. Preferia a sopa rica de peixe e o bife Chateaubriand do Aviz? Ou o peixe e o marisco do Pipas, em Cascais? No Portucale, podia apreciar uma das vistas mais extraordinárias do Porto. E no Michel (o único que já está fechado), podia conviver com o chef mais excêntrico do País: aquele que parou Lisboa quando, em 1971, se vestiu de sheik árabe com uns amigos para ir jantar ao restaurante Tavares – e a brincadeira acabou na primeira página dos jornais como se fossem sheiks verdadeiros que tinham vindo negociar petróleo a Portugal.

1525464_687272354658105_1101780671_n.jpg

Fora das estrelas Michelin, no Porto eram populares as francesinhas do Astronauta ou o bife na frigideira com ovo e batatas fritas do restaurante Capoeira. Em Lisboa, podia ainda beber uma cerveja com uns croquetes no Gambrinus ou comer o famoso bacalhau espiritual da Casa da Comida. E nessa época já havia o fantástico marisco e a óptima cerveja da cervejaria Ramiro. Tinha ainda acabado de aparecer uma novidade fresquíssima no país: a moda do frango assado, uma especialidade do restaurante Bonjardim, em Lisboa.

Rest Aviz 2.jpg

No entanto, jantar fora em 1974 era uma raridade. Um capitão das Forças Armadas ganhava 9.900 escudos (menos de 50 euros) por mês e um quilo de bacalhau (que tinha sido considerado um alimento de luxo em 1974) custava 82 escudos e 50 centavos (41 cêntimos de euro). Um café ficava por 1,5 escudos (menos de um cêntimo) e uma semana de férias em Londres custava 2.500 escudos (12,5 euros) na Agência Abreu.

Eu sei, isto já soa a conversa de alfarrabista, mas fiquei encantado com a hipótese de jantar em 1974. E o que seria a comida? Para mim, sai um linguado à la meunière e um pudim flan de sobremesa. Para beber, pode ser uma Spur Cola. E para si?

 

Um bom 25 de Abril para si onde quer que esteja,

Ele

 

PS: Também sinto falta de anúncios como o do champô Pantène que, na época, patrocinava a Volta a Portugal: "Com Pantène sempre à cabeça!".

 

3 comentários

Comentar post