Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

será que este é o restaurante com a melhor vista de lisboa?

11703108_524344034379789_981083679001987912_n.jpg

Estou orgulhoso de mim mesmo (já que mais ninguém está, pelo menos resta-me o auto-orgulho): consegui resistir estoicamente a mais um ano sem jantar fora no Dia dos Namorados. É verdade: sou um ferveroso adepto do não-jantar de Dia dos Namorados. Não aguento aquele ambiente de noivas de Santo António em que todos os empregados dos restaurantes olham para si a contabilizar quantas vezes é que dá a mão durante a refeição.

E por isso é que estou aqui hoje com uma maravilhosa sugestão para o jantar de Dia Seguinte ao Dia dos Namorados. Ou quinta-feira seguinte. Ou fim-de-semana seguinte. É indiferente a data. O importante é aproveitar aquela que é uma das mais deslumbrantes vistas de Lisboa para um jantar romântico e sossegado sem balões cor-de-rosa pendurados nos tectos nem corações de papel espalhados pelas mesas.

 

12241587_571705289643663_6821622318244264878_n.jpg

O ambiente

O rio Tejo, a ponte 25 de Abril, o Cristo Rei, Alcântara, o Mercado da Ribeira, a zona ribeirinha: senhoras e senhores, tenho o prazer de lhes apresentar a Madame Petisca. Não se trata propriamente da nova vereadora da Câmara Municipal de Lisboa, é antes um dos restaurantes com melhor vista da cidade. E tanto da fabulosa esplanada exterior como da incrível sala interior do restaurante vê tudo isto à sua volta.

11701100_523794507768075_5242765153776492515_n.jpg

A sala está totalmente rodeada por vidro, o que quer dizer que, no Inverno, é uma esplanada coberta e quentinha; mas no Verão, pode transformar-se numa sauna em potência. A única coisa que o pode salvar é essa imprenscindível invenção que dá pelo nome de ar condicionado.

11659266_523794611101398_37812277080695982_n.jpg

Situado no terceiro andar do Hotel Shiadu, na Rua de Santa Catarina, em Lisboa, o Madame Petisca tem uma esplanada simpática com mesas, sofás e protecções em vidro contra o vento. Do lado de dentro, o espaço é cheio de luz e tem um ambiente tão divertido como o nome do restaurante: as mesas têm pés de madeira e tampos pretos, e as cadeiras são coloridas e com números pintados nas costas. Há ainda umas mesas e cadeiras mais altas e um balcão de madeira, logo à entrada, com uma parede de azulejos vintagepor trás.

16251964_785449224935934_2430146072658877447_o.jpg

A ementa

Aqui a Madame petisca – e nós também. A ementa tem petiscos de todo o tipo: desde opções mais light, como uns legumes salteados com requeijão, até pratos mais pesados, como umas moelas com caril e arroz thai, passando por sugestões vegetarianas, como um hambúrguer em pão de beterraba.

Como, segundo a minha querida Mulher Mistério, ainda (e quase sempre) estamos em época de dietas, tive de negociar cada pedido com ela como se estivesse a negociar o tratado de paz israelo-palestiniano. E para acompanhar a negociação, tivemos de pedir o... o... o...

20170125_133918 2.jpg

...O couvert...

...pois então (€7)! Esta foi a primeira surpresa do dia. Vem o habitual pão – com sementes, escuro, broa, focaccia (não era nada de especial) e tostinhas grossas e ligeiramente moles (não pareciam do dia) –, vêm as normais azeitonas tenrinhas, sem caroço e temperadas com azeite e orégãos e vem um simpático queijo creme. Até aqui nada de inesperado. Só que vem também uma surpresa perfeita para começar a refeição: uma tacinha com uma mistura de frutos secos – cajús, amendoins e amêndoas. Para mim, não há nada melhor do que começar um jantar com umas amêndoas tostadas a acompanharem uma cervejinha ou um gin tónico.

20170125_134751 2.jpg

Os petiscos

Inspirada pelos frutos secos, a minha querida e prezada Mulher Mistério tornou-se subitamente muito mais tolerante no que diz respeito à sua sempre tão obsessiva dieta. E foi assim que eu me vi surpreendentemente perante uma fantástica dose de mini-chamuças de bacalhau e açafrão com molho de iogurte e coentros (€9). O recheio é óptimo, com o bacalhau macio e um equilibrado sabor a caril; e a massa, acabada de fritar, é muito fininha e ultra-estaladiça por cima. O único problema foi a base. Como as chamuças estiveram pouco tempo a escorrer depois de fritas e foram colocadas ainda quentes em cima do prato, a parte de baixo da massa, que ficou em contacto com o prato, acabou mole, o que foi uma pena.

20170125_135259 2.jpg

A seguir, veio um ligeirissimamente mais saudável rabo de boi com cogumelos, uma fresca salada de agrião por cima e uns chips de batata frita muito fininhos e imaculadamente estaladiços (€14) a acompanhar. A carne é tenrinha e saborosa e vem desfeita e misturada com os cogumelos.

Enquanto a minha querida Mulher Mistério pensava se o rabo de boi era mais ou menos saudável do que as vieiras com puré de couve-flor trufado, eu ainda consegui pedir mais duas pequenas loucuras: a alheira com esparregado e ovo de codorniz (€7) e o polvo com batata doce (€11).

20170125_135816 2.jpg

Eu sei que é um exagero de comida, eu sei que nenhum Ser Humano que não seja portador do perímetro abdominal do Manuel Serrão tem alguma dificuldade em ingerir esta quantidade absurda de comida, mas eu confesso que sou viciado em provar. Não faço questão de comer tudo até ao fim, mas se vejo um ovo de codorniz na ementa, tenho de provar.

E não me arrependo. A alheira vem em dois mini-hambúrgueres feitos com o recheio do enchido e servidos por cima de uma cama de esparregado. Finalmente, levam ainda um fantástico ovo de codorniz estrelado a cavalo.

Só o polvo é que não fazia muito o meu género. Feito com uma cebolada e um molho de tomate, era uma mistura de vários sabores demasiado intensos que acabavam por abafar o polvo.

20170125_142343 2.jpg

A sobremesa

Mais uma tentação a que é difícil resistir: a mousse de chocolate trifásica (€4) é absolutamente divinal. Sim, é doce, muito doce, mas não pode deixar de provar. Além de vir muito cremosa, leva ainda por cima uns Maltesers esmagados que lhe dão um delicioso toque crocante.

Captura de ecrã 2017-02-15, às 12.27.06.jpg

O serviço

Simpático e não muito demorado. No entanto, no dia em que fomos estava pouca gente.

14238357_706204716193719_4615582097455224171_n.jpg

As crianças

Não há menu infantil, mas, de segunda a sexta, das 12h às 15h, há um menu de almoço que dá pelo sugestivo nome de Almoço da Madame. Por €9, tem uma sopa, um prato principal, uma bebida (água, imperial, copo de vinho ou sumo natural) e sobremesa (fruta laminada, tiramisú de frutos vermelhos ou a tal mousse de chocolate trifásica).

Aos domingos, há um buffet de brunch. Mas isso fica para outro dia.

 

O bom

Os hambúrgueres de alheira e o rabo de boi

O mau

O polvo com batata doce

O óptimo

A mousse de chocolate e a vista deslumbrante

 

Um óptimo jantar de Não Dia dos Namorados para si onde quer que a vista esteja,

Ele

 

fotos: madame petisca; casal mistério

 

Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial. 

_________________________

Madame Petisca
Rua de Santa Catarina, 17, Lisboa
Todos os dias, das 12h às 00h
T: 915 150 860

1 comentário

Comentar post