Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

o pão é carcaça, a maionese não é caseira, o ambiente é caótico – então o que faz deste um dos restaurantes mais famosos do algarve?

20170730_200632 3.jpg

Nunca julguei possível poder gostar de um couvert composto por umas torradas de carcaças cortadas ao meio, barradas com uma manteiga de qualidade duvidosa e acompanhadas por uma maionese Hellmann's com alho. Só a ideia de misturar manteiga e maionese no mesmo pedaço de pão já deixa a minha querida e pseudo-saudável Mulher Mistério à beira de um colapso nervoso. E então se esse pedaço de pão for a velha e desenxabida carcaça que acompanhou anos e anos dos meus lanches de infância, o cenário ainda se torna mais improvável. Mas, no entanto...

...no entanto, assisti verdadeiramente abasurdido ao aspirar de torres de carcaças torradas mergulhadas em maionese. Não só por parte da minha querida Mulher Mistério, mas de toda a família em peso (e aqui a palavra peso aplica-se com todo o seu significado).

Na verdade, aquelas torradas tornam-se irresistíveis exactamente por me lembrarem da minha infância, quando os lanches eram feitos de carcaças com manteiga sem qualquer tipo de peneiras. Quando não havia hipermercados Continente nem dezenas de marcas de manteiga para comprar. Quando uma simples maionese de alho era o supra-sumo da gourmesice nacional.

 

 

pombos, vendedores de óculos escuros, turistas e umas ostras divinais: o nosso almoço no novo restaurante do chef kiko

18216426_1855095054741929_9162009113426731835_o.jp

Não tenho qualquer tipo de escapatória. Estou verdadeiramente sitiado por bandos de turistas que falam com o tom de voz da Cristina Ferreira em dia de entusiasmo supremo. E mesmo que tivesse escapatória, a alternativa não seria muito melhor: uns passos mais à frente, uma condutora de tuk tuk discute audivelmente com um arrumador de carros, de jornal em punho, que a repreende por ter parado a mota no meio da estrada para mostrar um mapa a um grupo de turistas.

Atrás de si, quase dez carros começam a apitar desenfreadamente em sinal de protesto contra a fila. O condutor de um camião do lixo sai para a rua para se juntar à confusão. Entretanto, sou abordado por um vendedor de óculos escuros. Digo-lhe que não quero. Insiste em inglês. Digo que sou português. Insiste em português. Volto a recusar. Enquanto ele se afasta, um pombo aproxima-se e voa para cima da minha mesa. Meu Deus, onde é que eu me vim meter?!

Na esplanada do novo restaurante O Surf & Turf, no Mercado da Ribeira, em Lisboa.

 

 

será que este é o melhor gelado de lisboa?

10389595_935034053194750_295847162330191598_n.jpg

Está oficialmente aberta a época do gelado. Com estes 30 graus à sombra das seis da tarde, já não sei o que fazer para tentar arrefecer este meu corpinho de Adónis. Ou melhor, até sei – o problema é a tirania dietética da minha querida Mulher Mistério que, depois de ter sobrevivido à dieta das modelos da Victoria's Secret, acha-se uma top model em potência.

Por mim, refrescava-me com gelados ao pequeno-almoço, ao almoço, ao lanche, à ceia e ao jantar. E especialmente depois de ter provado os divinais gelados artesanais da Davvero, no Cais do Sodré.

 

o melhor brunch saudável de lisboa está aqui! todos os dias! e por 13 euros!

15085586_358841281135347_4298935896495157096_n.jpg

Senhoras e senhores, meninas e meninos, tenho o prazer de lhes apresentar o Nicolau. Apesar de ter nome de gente e focinho de cão, é o novo e mais do que irresistível café de Lisboa. O Nicolau é a mascote do café aberto com o mesmo nome na baixa da cidade, no Verão passado, e está pomposamente exposto na sala, através de um quadro muitíssimo menos arrepiante do que o novo busto do Cristiano Ronaldo.

 

adivinhe quanto tempo esperámos para provar uma tapioca da rita pereira

15621795_352885301756835_5435533766185620018_n.jpg

Quando alguém me falava de tapioca eu lembrava-me sempre dos maravilhosos pequenos-almoços que experimentámos em Trancoso, no Brasil, com esta espécie de crepe fininho e crocante recheado com as melhores maravilhas que a Natureza já produziu: fruta fresca acabada de apanhar, goiabada divinal ou um queijo coalho único. No entanto, as minhas fabulosas memórias gastronómicas foram esmagadas, em Dezembro passado, por uma espera de 43 longos minutos a olhar para uma fotografia da Rita Pereira sorridente, numa televisão.

Eu confesso que tenho uma enorme simpatia pelo talento e pelo sorriso contagiante da Rita Pereira, mas 43 minutos a olhar para uma fotografia sua enquanto esperava por uma tapioca é um pouco demais – até para um fã incondicional.

 

este texto é essencial para o seu natal e passagem de ano: estamos a falar da melhor loja de queijos do país!

15350594_805045146302490_737354196595345993_n.jpg

Hoje não vale a pena falar de restaurantes nem de hotéis. Nem de receitas ou pratos elaborados. Faltam menos de 24 horas para a véspera de Natal e já não há tempo para jantares fora nem para fins-de-semana tranquilos. As poucas horas que nos restam são para tratar daquele que para mim é um dos momentos mais importantes de qualquer jantar: a hora do queijo.

Aquele momento em que molhamos a colher no recheio amanteigado de um Queijo da Serra, ou que desfazemos em lascas um fabuloso Parmesão, ou que derretemos no forno um extraordinário Camembert com frutas secas e nozes.

Apetece, não apetece? Eu calculei… E é por isso que me tornei um peregrino da Queijaria, em Lisboa. Desde que descobri esta fabulosa loja especializada em queijos artesanais (foi aqui, nos idos de 2014) que não consigo dar um jantar em casa sem lá ir antes abastecer-me de maravilhosos exemplares: desde um forte e intenso Blue Cheese a uma cremosa e suave Burrata.

 

croquetes com crosta de amendoim, picapau, amêijoas e gambas ao sal: onde comer os melhores petiscos

O mundo parou na semana passada para conhecer as novas estrelas Michelin do país. Nós paramos hoje para conhecer os melhores petiscos para acompanhar uma cervejinha bem gelada. As estrelas Michelin são uma maravilha, mas fim-de-semana alargado que se preze exige um bom petisco com uma imperial ao lado. E quando falamos de petiscos não podemos evidentemente deixar de falar de croquetes, de picapau, de amêijoas ou de gambas. Daqueles petiscos que nos deixam a boca a aguar como se fosse as cataratas do Niagara.

 

Os Croquetes com Crosta de Amendoim, da Tasca da Esquina, em Lisboa

Tasca da Esquina - Croquetes 2.jpg

Se um croquete satisfaz muita gente, um croquete com crosta de amendoim satisfaz muito mais. Esta divinal criação do mundo da croqueteria é uma invenção da fantástica Tasca da Esquina, em Lisboa, e é também uma das 73 fabulosas receitas do primeiro livro do Casal Mistério (que encontra aqui).

Os croquetes da Tasca da Esquina são um dos petiscos que fazem parte do couvert, juntamente com um bom pão saloio, um paté de salmão, espadarte e atum com um forte sabor a mar, umas azeitonas tenrinhas e temperadas com orégãos e um fantástico queijo de entorna que é aquele queijo pequenino alentejano muitíssimo saboroso e amanteigado.

Mas o que nos traz aqui hoje são os divinais croquetes. Feitos com um recheio hiperleve, que quase parece um creme, levam uma crosta de amendoim crocante que é qualquer coisa do outro planeta. O recheio leva chouriço, carne de vaca, vinho branco e uma pitada de colorau – tudo na medida certa, leve, desfiado e tão cremoso que quase se desfaz na boca. O exterior mistura o pão ralado com o amendoim picado, o que torna a crosta ainda mais crocante e saborosa. Com uma boa mostarda a acompanhar são irresistíveis.

 

 

já alguma vez imaginou jantar numa colorida cabana de pescadores, no centro de lisboa? então tem de conhecer o isco

13096271_1188802894493715_3066019097205778780_n.jp

Primeiro, um aviso: se tem mais de um metro e setenta, pense duas vezes antes de se sentar num destes banquinhos castiços à frente de uma destas mesas de escola primária; se for o Luís Marques Mendes, então seja bem-vindo ao Isco, este restaurante foi feito a pensar em si. 

Agora, vou desfazer um dos grandes mistérios que acompanharam a sua vida ao longo dos últimos três anos: infelizmente, eu não sou o Luís Marques Mendes e por isso passei todo o jantar a tentar encontrar um sítio onde arrumar confortavelmente as minhas pernas de Cristiano Ronaldo. Levantei as pernas, estiquei as pernas, encolhi as pernas e não consegui encontrar uma única posição adequada ao meu alto e espadaúdo metro e oitenta e quatro.

Não se pode dizer por isso que tenha tido uma refeição extraordinariamente confortável. Em compensação, pode dizer-se com toda a segurança que tive uma refeição deliciosa de peixe e marisco que me custou menos de 30 euros.

Mas antes da comida, vamos às cadeiras.

 

os deliciosos petiscos e a looooonga espera para jantar no novo bairro do avillez em lisboa

14184529_10154084230878439_7400102626609647171_n.j

Duas horas é o tempo que um aluno do ensino secundário demora a fazer um exame nacional de Latim.

Duas horas é o tempo de duração de um jogo de curling (se tudo correr bem, claro!).

Em duas horas, é possível celebrar dois casamentos, dá para jogar uma partida e meia de râguebi, consegue-se ir de Lisboa ao Algarve de carro.

Em duas horas, pode embarcar num avião no Porto e sair em Paris para comprar uns deliciosos queijos num mercado francês.

Mas, em duas horas, eu e a minha querida Mulher Mistério não nos conseguimos sentar numa mesa para quatro pessoas, numa sexta-feira à noite, na Taberna, do Bairro do Avillez, em Lisboa. Em bom rigor, demorámos duas horas e quatro minutos desde que chegámos com um casal amigo até que nos sentámos no novíssimo restaurante da moda em Lisboa.

O novo espaço de José Avillez é um projecto claramente ambicioso demais para quem quer manter um serviço minimamente adequado ao século XXI. E esse é o maior problema do Bairro do Avillez – porque a nível da comida ou da decoração o restaurante é uma maravilha.

 

 

os hambúrgueres do honorato são...

... uma grande desilusão. E as batatas fritas também. E o mata-bixo.

Da primeira vez que fomos ao Honorato, na Rua de Santa Marta, a expectativa era elevadíssima. Com uma óptima comunicação, cartazes a prometerem o melhor hambúrguer de Lisboa e críticas altamente elogiosas, achei que ia jantar à Meca do Hambúrguer. Mas não. 

14063752_1150312395012468_8069407881082945950_n.jp

 

novidade! novidade! o páteo do petisco vai abrir um novo restaurante junto à praia do guincho, em cascais

image.jpeg

Começou com um pequeno pátio no bairro da Torre, em Cascais, depois expandiu-se para o Mercado de Cascais, logo a seguir para o Palácio do Chiado, em Lisboa e, agora, vai chegar à Areia, perto da praia do Guincho.

O quarto espaço do Páteo do Petisco vai ocupar o lugar do antigo Rola na Areia, no Clube D. Carlos, ao lado do Parque de Campismo, perto do Guincho. Com uma simpática esplanada e um espaço agradável, ideal para as crianças correrem e brincarem, o novo restaurante vai chamar-se Páteo do Guincho e tem tudo para ser mais um sucesso.

 

um dos restaurantes com mais charme do algarve: pizzas, ceviches e petiscos feitos com produtos da horta

10268439_707588315949126_9006329272073939266_n.jpg

Este é um restaurante de detalhes. Primeiro a localização: estamos no meio de um pinhal, rodeados de árvores, pinhas e caruma, uma das paredes é totalmente feita de vidro – nos dias de vento está fechada, nos dias de calor está toda aberta, é como se estivesse a jantar no meio do pinhal. Depois a decoração: tudo foi pensado, desde a manteiga embrulhada em papel vegetal aos talheres entregues dentro de baldes de latão, passando pelas latas de conservas onde é servido o couvert. Finalmente a comida: o atum vem do mercado de Olhão, o patê é caseiro, a focaccia é cozida num forno a lenha à nossa frente e alguns dos ingredientes vêm da horta do hotel.

Mas há mais.

 

e quando um dos melhores hambúrgueres de lisboa se junta a uma das melhores esplanadas de lisboa, isso é...

13339610_520593914799637_2405695578904028687_n.jpg

Vem uma pessoa, num lindo dia de sol, preparada para esplanadar e acaba a abarrotar. E porquê? Porque não é fácil resistir aos encantos da Wagyu. Não estou propriamente a falar da última ninfa da mitologia grega, mas sim da melhor e mais saborosa carne do mundo. E é esta carne que pode encontrar dentro de duas fatias de pão de hambúrguer, na magnífica esplanada do Atalho Real, no meio de um jardim cheio de árvores, num lindo dia de sol.

Mas antes de falarmos de carne, vamos ao sol.

 

uma esplanada em cima do mar, com óptimo sushi, um fantástico prego de atum e uma televisão para ver o euro

IMG_6144 (1).jpg

Caros concidadãos, tenho um importante anúncio a fazer à Nação.

Pausa...

Silêncio...

Suspense...

Bocejo...

Ups, é melhor acabar com a expectativa senão corro o risco de chegar à sétima linha de texto com a concidadania a dormir profundamente.

 

 

18 ideias de sanduíches deliciosas para levar para a praia

Não resisti a partilhar estas fantásticas ideias que encontrei no BuzzFeed para um lanche de praia diferente, colorido e saudável (bom, mais ou menos... umas são bem mais light do que outras, mas ao fim-de-semana tudo é permitido). Porque ninguém merece só pão e manteiga. Além de que manteiga não faz bem a nada. Por isso, toca a lanchar com energia e alegria – e com pão integral à fatia.