Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

novo bar do gin no el corte inglés

Notícias fresquinhas, lindinhas e acabadinhas de chegar (e outros diminutivos que nos possam vir à cabeça): o supermercado do El Corte Inglés, em Lisboa, abriu um novíssimo bar do gin. Quer isto dizer que agora temos de ir a um supermercado para beber um copo? É claro que não – é apenas uma liberdade poética para dizer um cantinho exclusivamente dedicado ao gin. E quem diz um "cantinho", diz um "cantão". O novo spot terá mais de 70 referências de gin, águas tónicas de todas as cores e feitios e qualquer erva ou especiaria de que nos possamos lembrar para realçar os aromas da bebida. Pelo menos, é isso que prometem. O supermercado garante mesmo que esta é a "melhor montra de gins do País, graças à oferta de marcas e variedades".

Além de tudo isto, pode ainda contar com degustações e a visita regular de especialistas para falarem de misturas, técnicas e conselhos úteis para quem gosta de gin. O novo espaço abriu na sexta-feira e eu, como qualquer pessoa inteligente, estava lá caidinho no domingo. Pequeno detalhe: quando lá cheguei, estava fechado. Por isso, infelizmente, ainda não é desta que há Crítica Mistério ao spot. Fica a notícia. E as fotos disponibilizadas pelo El Corte Inglés. Se entretanto passarem por lá, digam qualquer coisa.

 

Um bom gin tónico para si onde quer que esteja,

Ele

funky, uma sugestão para ir abanar o capacete hoje à noite

Ainda não percebi bem se tenho idade para isto ou não. Mas como não conto partilhar convosco a minha data de nascimento, nem a minha profissão, nem a minha morada e muito menos o meu nome, o melhor é deixar a conversa por aqui. De qualquer forma, sempre que entro numa discoteca e acho que a música está um bocadinho a atirar para o alta demais, começo a pensar se tenho idade para isto. E foi exactamente isso que pensei no fim-de-semana passado no Funky, "o bar/nightclub mais cool de Lisboa". Como tinha visto a página do bar no Facebook e conseguido incrivelmente juntar sozinho todas as palavras que lá estavam escritas, formei uma ideia nesta cabeça que está para o universo da inteligência como o Chipre está para a União Europeia: vamos a um bar, com cadeiras, mesas, um ambiente simpático e música cool em fundo. 

O Funky, de facto, tem um bar, tem cadeiras, tem mesas, tem um ambiente muito simpático, mas não tem música cool em fundo – tem música disco em cima de nós. Pelo menos, para alguém com uma provecta idade como a minha. De resto, o espaço é magnífico: a decoração é vintage e acolhedora, os empregados são prestáveis e simpáticos e o dono é o Hernâni Miguel, que é o mesmo que dizer um dos mais antigos homens da noite do Bairro Alto, onde tinha o famoso Targus. Tal como os outros empregados, Hernâni sorri para os clientes, confirma se já foram atendidos e assegura que tudo está a correr bem. Frequentado por publicitários, jornalistas, escritores e todo o género de pessoas que costumava ir ao Targus, o Funky está dividido em zona de bar, onde pode ficar sentado a conversar, e zona de dança, onde pode ouvir DJs ou concertos ao vivo. 

Problema grave: o gin tónico. Apesar de toda a disponibilidade e boa vontade do barman, não se consegue fazer um gin decente com água tónica Snappy (não tenho bem a certeza se a marca era mesmo esta, mas se não era estava lá perto). Além de ser doce demais, não joga com nada – é mais refrigerante do que tónica. E como eu não pretendo beber um sumo de gin, para a próxima prefiro passar. Nem os copos em balão, nem as folhas de coentros, nem as cascas de limão cuidadosamente cortadas e espremidas para nós conseguem fazer esquecer aquela água tónica que ainda hoje me persegue o paladar. É mau demais para ser verdade. E não joga com o preço: um gin Bombay corrente com uma água tónica destas por 9 euros???

Da próxima vez, experimento a imperial. Aí não há hipótese de falhar, pois não?

 

O bom 

A decoração e o ambiente

O mau 

O volume excessivo da música na zona do bar

O péssimo 

A água tónica

 

Uma boa abanadela de capacete para si, onde quer que esteja,

Ele

gin bombay sapphire com laranja, lima, anis e cardamomo

 

Ingredientes 

  • 1 cálice de gin Bombay Sapphire
  • 1tónica Fever Tree Mediterranean
  • 2 tiras de casca de laranja
  • 2 tiras de casca de lima
  • 3 bagas de cardamomo
  • 1 flor de anis estrelado

 

- Anis?! Isso é o licor que a minha avó bebia!

- Não comece já a queixar-se do anis no gin. Nós estamos a falar de anis estrelado. Trata-se de uma flor seca, com um aroma muito leve que quase não se sente.

- Então, se não se sente, porque é que põem no gin?

- Pare lá de ser embirrento, homem (só os homens é que conseguem ser assim tão chatos). O anis vai libertar um aroma ligeiríssimo que se vai misturar com a lima e a laranja, formando um sabor exótico, perfeito para este gin.

- Mas se nem se vai sentir para que é que o usam?

- Vai sentir mais no olfacto do que no paladar. Por isso, se estiver mesmo irritado com o anis neste gin, coloque-o no início, mexa e depois tire-o antes de começar a beber.

image.jpeg

- E este gin não tem mais nada de jeito para lá do anis?

- Você é mesmo chato! Sossegue um bocadinho e leia. Primeiro refresca o copo com o gelo. Depois, deita duas finas cascas de laranja e outras duas de lima, cortadas com um descascador de vegetais. Posto isto, coloca três bagas de cardamomo e uma flor de anis estrelado.

- Lá vem o anis...

- ...cale-se lá um minuto. Despeja um cálice de gin Bombay Sapphire e mistura para absorver os aromas. Depois despeja uma garrafa de Fever Tree Mediterranean através da colher torcida para não perder o gás. Mistura mais uma ou duas vezes e está pronto a servir.

- Então e o anis?!

- Irra que o homem é insuportável. Deixe o anis em paz. Se fica mais descansado, tire-o antes de beber ou então sirva-o à sua mulher que este gin é mais floral, feminino e para pessoas sensíveis - o que definitivamente não é o seu caso. Mas faça-me um favor: procure evitar abrir a boca enquanto estiver com Ela, ou a relação vai acabar mal.

 

Umas boas últimas horas de fim-de-semana, de preferência sem domingueiros a maçá-los,

Ele

gin fifty pounds

Como começar a semana

 

- Gin Fifty Pounds

- Água tónica Fever Tree Premium Indian

- Casca de limão

- Zimbro

 

É fácil, é rápido e ajuda em dias como este. Mal chegar a casa, antes de ligar a televisão e logo a seguir a pousar o casaco em cima do sofá, dirija-se em passo de marcha até à cozinha. Tire um copo de gin do armário e encha-o com pedras de gelo. Faça o gelo rodar dentro do copo até refrescar todos os lados. A seguir, escorra a água do gelo que derreteu, corte uma casca de limão, dobre-a e coloque-a lá dentro juntamente com quatro bagas de zimbro ligeiramente espremidas entre os dedos para libertar um pouco mais os aromas. Chegou então o momento do Fifty Pounds. Despeje suavemente o gin enquanto conta 1001, 1002, 1003. Se o dia tiver sido mesmo difícil, pode ir até aos 1005, mas mais do que isso já entra no campo da patologia. Mexa um pouco com a colher torcida para o gin absorver os aromas do limão e do zimbro e deite uma garrafa de água tónica Fever Tree Premium Indian através da colher para não perder o gás. Mexa uma ou duas vezes e já está. Agora pode sentar-se no sofá - está pronto para sobreviver até sexta-feira e para rever na televisão os melhores golos de Eusébio.

 

 

Como dizia uma lenda do jornalismo desportivo, uma boa semana para si onde quer que esteja,

 

Ele

bulldog e o tribunal constitucional

A bebida ideal para ouvir juízes

 

 

 

 

Era aquele senhor com voz de elefante e pronúncia de Mota Amaral a entrar pela televisão e eu a sair pela cozinha. Hoje em dia, política sem álcool é como muamba sem gindungo - ou, como diria o Jorge Perestrelo, é como futebol sem golos. Ouvir o Tribunal Constitucional obriga-me a preparar um gin; ouvir o Passos Coelho, dois; o Paulo Portas, três; e quando chega o Seguro, o melhor é beber logo pela garrafa. Mas aquele juiz com uma capacidade de dicção ímpar, uma voz envolvente e uma queixada de fazer inveja ao Mutley fez-me lembrar algo um pouco mais sofisticado - este é um momento para um Bulldog.

- Peguei numa laranja, num limão e numa toranja que tinha acabado de receber no meu cabaz de legumes e frutas da horta e cortei uma fatia comprida da casca de cada um.

- Juntei-os num copo de gin cheio de gelo e misturei um pouco com uma colher torcida.

- Depois deitei um cálice de gin Bulldog e continuei a misturar.

- A seguir deitei uma água tónica Schweppes Premium Pimenta Rosa cuidadosamente através da colher e voltei a mexer.

Depois de tudo isto, bebi. E bebi. E bebi. No fim, parecia que Portugal é que tinha acabado de emprestar 73 mil milhões de euros à Alemanha para esta sair da crise.

 

 

Um abraço para si, onde quer que esteja,

Ele

porto tónico

A companhia perfeita para ver o Benfica

 

 

  

Quem é que disse que o Benfica só pode ser visto com uma garrafa de cerveja na frente e um prato de tremoços na boca? Desde que o Jorge Jesus esteja na bancada, em vez de estar em cima do lombo de um polícia, o futebol não tem de ser assim. A suada vitória deste domingo, frente ao poderoso Olhanense, foi assim: três cálices de Quinta do Noval extra seco, uma rodela de limão, uma garrafa de água tónica Thomas Henry e muito gelo. Isto estava dentro do copo. Dentro da taça, um saco de amêndoas com sal. E agora podem soltar o Jesus, que já estamos preparados para tudo.

 

Um abraço para si, onde quer que esteja,

Ele