Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

as receitas mais típicas da época do 25 de abril

Em dia de revolução, deu-me para a nostalgia dos anos 70. É certo que tinha acabado de nascer, por isso seria difícil lembrar-me do que quer que seja. Os meus pais viveram o acontecimento com a dignidade que se impunha. À mesa, claro. E o que é que se comia à mesa dos portugueses no histórico ano de 1974? 

20150425_170638.jpg

 

 

sabe o que é que se comia nos restaurantes em 1974? bem vindo ao primeiro ano das estrelas michelin em portugal

Revoluode25deAbrilVitorValente19740008.jpg

Hoje é dia de pôr um cravo na lapela e um babete ao pescoço. Com o cravo, celebra a revolução política; com o babete, comemora a revolução gastronómica. E porquê? Porque 1974 foi o ano do 25 de Abril, mas foi também o ano em que Portugal se estreou no famoso Guia Michelin, com quatro restaurantes a entrarem directamente para o top das estrelas: o Portucale (no Porto), o Pipas (em Cascais) e o Aviz e o Michel (em Lisboa).

(Na verdade, já tinha havido duas estrelas para o restaurante Escondidinho, no Porto, em 1936-38, mas o ano de 1974 foi o primeiro em que Portugal teve estrelas no formato moderno do guia.)

É por isso que hoje decidimos fazer uma edição revivalista do Casal Mistério. Neste post, fica a conhecer os restaurantes da moda em 1974. À tarde, mostramos-lhe as receitas do ano da revolução.

 

 

40 coisas que o 25 de abril nos deu nos últimos 40 anos...

...além da liberdade, da democracia e do fim da guerra colonial.


1 - A Coca-cola

2 - A erradicação da Spur Cola

3 - Os festivais de música (e não estamos só a falar do Rock in Rio)

4 - As novelas brasileiras (para Ela, mais o "Roque Santeiro"; para Ele, a "Guerra dos Sexos")

5 - As manifestações (especialmente as que acabam com as raparigas agarradas aos polícias de choque)

6 - A caipiroska, a morangoska e todas as outras comidas e bebidas com nomes proto-soviéticos

7 - Os caramelos para cá da fronteira de Badajoz

8 - O inter-rail de mochila às costas

9 - As companhias de aviação low-cost, por muito difícil que seja arranjar lugar para as pernas

10 - Os hostels e a sua decoração trendy

11 - O fim da ditadura das pastilhas Gorila

12 - O MacDonalds, a Pizza Hut e afins

13 - A festa do Avante (incluindo os comícios do Jerónimo de Sousa)

14 - A televisão privada (mesmo contando com o Macaco Adriano, do Big Show SIC)

15 - As entrevistas hilariantes do Bernardino Soares sobre a Coreia do Norte

16 - O Otelo Saraiva de Carvalho a contracenar com a Julie Sargeant

17 - A Fnac e as outras mega-livrarias

18 - O Emmanuelle e as mais de 15 sequelas que foram feitas a seguir

19 - O carpaccio, com pesto, com rúcula e com tudo aquilo a que temos direito

20 - O sushi, o sashimi, o temaki, o niguiri, o uramaki e todas as outras comidas japonesas acabadas em "i"

21 - A dieta mediterrânica, que de dieta tem muito pouco

22 - Os chocolates Daim (hmmmmm!)

23 - As Oreo cookies e todas as outras bolachas recheadas

24 - O Nespresso (não confundir com as outras cápsulas de café)

25 - A Internet e estes vossos amigos que tanto vos prezam

26 - Os graffiti (nada a ver com aquelas frases "João+Ana love forever")

27 - A difusão dessa maravilhosa expressão "A brigada do reumático"

28 - As músicas do Chico Buarque

29 - A democratização do Santini

30 - As pipocas no cinema (bom, isto, se calhar, não foi tão bom assim...)

31 - O novo Chiado e todas as lojas fantásticas que continuam a abrir

32 - A baixa do Porto e a onda de turistas que não páram de chegar

33 - Os desenhos animados checoslovacos do Vasco Granja

34 - A vodka russa

35 - As dezenas de cervejas belgas

36 - A oficialização do salazar como um respeitável artigo de cozinha

37 - As anedotas do Samora Machel

38 - As roulotes de cachorros quentes para quem sai da noite às cinco da manhã

39 - Os bigodes à Manuel Galrinho Bento

40 - E, especialmente, a liberdade de escrever coisas super-mega-hiper-inteligentes como tudo o que está neste blog

 

E só para acabar...

 

 

 

 

 

Bom 25 de Abril,

Casal Mistério

o dia-a-dia de um português em 1974

E se em 1974 houvesse Facebook? O que é que as pessoas publicariam nos dias antes da revolução? Soubemos pelo Diário de Notícias que o Teatro Maria Matos lançou um desafio inédito a um escritor: convidou-o a criar uma personagem e a fazer um relato pessoal do dia-a-dia no último mês da ditadura. O nome do escritor só será divulgado no fim, depois do dia 25 de Abril. É uma ideia fantástica que mistura a memória histórica com os sentimentos pessoais.

É certo que, até agora, ainda não foram feitos posts sobre restaurantes da época e muito menos sobre hotéis. Mas o Casal não resiste a um autor anónimo, que mantém o mistério. E por isso estamos a acompanhar diariamente a vida de Pedro Xavier aqui. Vai ver que vale a pena.

 

 

Um abraço para si, em Abril, onde quer que esteja,

Ele