Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

adivinhe quanto tempo esperámos para provar uma tapioca da rita pereira

15621795_352885301756835_5435533766185620018_n.jpg

Quando alguém me falava de tapioca eu lembrava-me sempre dos maravilhosos pequenos-almoços que experimentámos em Trancoso, no Brasil, com esta espécie de crepe fininho e crocante recheado com as melhores maravilhas que a Natureza já produziu: fruta fresca acabada de apanhar, goiabada divinal ou um queijo coalho único. No entanto, as minhas fabulosas memórias gastronómicas foram esmagadas, em Dezembro passado, por uma espera de 43 longos minutos a olhar para uma fotografia da Rita Pereira sorridente, numa televisão.

Eu confesso que tenho uma enorme simpatia pelo talento e pelo sorriso contagiante da Rita Pereira, mas 43 minutos a olhar para uma fotografia sua enquanto esperava por uma tapioca é um pouco demais – até para um fã incondicional.

 

já viu a vista do novo miradouro de lisboa? abre esta sexta-feira no topo do amoreiras shopping

13010586_10153825153813705_5008614184286272663_n.p

É a grande novidade da semana. O Amoreiras Shopping vai abrir, esta sexta-feira, um miradouro no topo da Torre 1 com uma vista panorâmica sobre Lisboa. Segundo os responsáveis do espaço, este é o único miradouro que tem uma vista de 360 graus sobre a cidade. Sem nada a atrapalhar o seu ângulo de visão. Daqui consegue ver o castelo de São Jorge...

 

onde é que pode comer um almoço de ovos perfeito para a sua dieta? na última novidade do cascaishopping

5dfe40_90d9f157ba19488c81e9537515f6b83e.jpg

Janeiro é sempre um mês difícil para quem gosta de comida. Por um lado, esgotámos a nossa quota anual de calorias nos últimos sete dias de 2015. Por outro, fizemos promessas precipitadas de contenção alimentar a partir do terceiro copo de champanhe na Passagem de Ano – e isso ainda vai demorar uns dias a esquecer. 

A sua única salvação é que há duas maneiras de encarar esta austeridade calórica: fazendo como a minha querida Mulher Mistério e mergulhando 30 dias numa imensa piscina de saladas, smoothies, sumos detox e outras variações de verde; ou transformando-se num Indiana Jones alimentar e partindo à descoberta de novas e deliciosas soluções gastronómicas que sejam bem vistas pela sua sempre exigente balança.

Escusado será dizer que eu assento que nem uma luva no papel de Indiana Jones. E foi quase de chapéu na cabeça e chicote na mão que descobri o Eggcelent, um restaurante exclusivamente de ovos que começou no Amoreiras Plaza e que recentemente se expandiu até ao Cascaishopping. 

 

novidade! novidade! abriu uma loja pop up de doces turcos no oeiras parque e nas amoreiras

IMG_6078 (1).jpg

Há dois tipos de pessoas: aqueles que gostam muito de doces e aqueles que gostam de doces muito doces? Eu encaixo-me mais no primeiro grupo, Ela encaixa-se mais nos dois grupos. E foi exactamente Nela que eu pensei quando vi a nova loja pop up do Oeiras Parque, a Apple Times (também há outra nas Amoreiras). Este verdadeiro Éden do açúcar é uma loja só de doces turcos: os famosos turkish delights (as tradicionais gomas cobertas de açúcar de confeiteiro e com sabor a água de rosas e limão), as frutas cristalizadas (de que nem eu nem Ela somos grandes fãs) e as maravilhosas baklavas (feitas com frutos secos e mel).

É aqui que convém fazer uma pausa. Se não gosta de doces muito doces, o melhor é dar meia volta e dedicar o seu tempo disponível a ler o Avante! ou outro jornal do regime. Se gosta, estamos aqui nós de braços abertos para o receber com um sorriso de Joker na cara.

 

 

barbatana, a loooonga espera no novo restaurante das amoreiras

12189747_771186352991896_5280706991191956756_n.jpg

Há poucas coisas piores do que um restaurante que dá para os dois lados. O mínimo é assumir-se publicamente, perante a sociedade: ou é um restaurante self-service, de tabuleiro em punho; ou é um restaurante com empregados a servirem à mesa. O que não pode ser é um restaurante de self-service no balcão e um restaurante de servir à mesa na cozinha. Quer dizer, poder pode – mas não é a mesma coisa. 

Todo este meu profundo e sustentado raciocínio foi burilado ao longo dos 22 penosos minutos que esperei pelo meu almoço, sentado na zona de restauração das Amoreiras, com o tabuleiro vazio do Barbatana pacientemente pousado à minha frente e o pager, que me deveria avisar quando a comida estivesse pronta, mudo ao meu lado.

 

 

novidade! novidade! abriu uma pizzaria do bairro nas amoreiras (e tem uma deliciosa pizza de presunto de vaca)

10940620_763673017001396_3408211639509843703_n.jpg

As pizzas à fatia são conhecidas como o petisco "Vai ser tão bom, não foi?". É aquela comida perfeita que é deliciosa e engorda menos. Podemos provar só uma fatia da nossa pizza preferida sem precisarmos de fazer quatro maratonas a seguir para não nos sentirmos culpados. 

O problema é quando chega o momento da verdade. E, depois de termos passado noites em claro a sonhar com aquela pizza espectacular, encontramos uma fatia ressequida e requentada a olhar para nós. Vamos lá esclarecer esta questão com tranquilidade: pizza boa é acabada de sair do forno, ainda com a massa a estalar e o topping a fumegar. Ora, pizza vendida à fatia não pode ser acabada de fazer, porque se eu vou comer apenas uma fatia alguém vai ter de comer as outras muitos minutos depois. 

 

 

um doce surpreendente para o dia dos namorados? os brigadeiros de amendoim da praça central das amoreiras

1555527_667145876669401_363273476_n.jpg

Estive lá no princípio desta semana e ainda me dou violentos estalos na cara a cada 12 minutos e meio. Não, ainda não fui ver as "Cinquenta Sombras Grey" nem adoptei novos hábitos privados cá em casa. Estou a falar dos brigadeiros de amendoim da Praça Central das Amoreiras. Confesso a minha ignorância de principiante: apesar de já ter ido almoçar à Praça Central, nunca tinha provado um brigadeiro de amendoim. E, desde que lá fui e essa novidade aterrou de pára-quedas na minha vida, tenho de me sovar com alguma regularidade para garantir que não é um sonho.

 

 

praça central das amoreiras, o paraíso dos brigadeiros, das trufas, dos gelados e dos cafés

10523843_319087748279421_246520459956899237_n.jpg

O que é que pode ser melhor do que café e chocolate? 

Não sabe?

Não responde? 

Paralisou?

Congelou?

A resposta é fácil: café e gelado – e chocolate também. Tudo junto. E no mesmo local.

Foi assim que nasceu a Praça Central, nas Amoreiras: uma mistura de chocolates Godiva, gelados Artisani e cafés Delta. Que mais é que um homem pode desejar? Só mesmo uma mesa limpa...

1555527_667145876669401_363273476_n.jpg

O serviço 

- Boa tarde, já escolheram?

- Já, ia só pedir-lhe se limpava aqui a mesa, sff...

- Concerteza.

E foi neste momento que o empregado olhou para a mesa e espetou o dedo indicador, não para me atacar "à dedada", como dizia o cozinheiro do Ratatouille, mas para atacar uma migalha que estava em cima da mesa. Com o cuidado de um relojoeiro, encostou o dedo indicador à migalha e elevou-a à altura dos olhos. Depois deu-lhe um subtil piparote para o chão. Virou as costas e afastou-se.

Eu ainda pensei que ele voltaria com um pano embebido em detergente uns segundos depois. Mas não. Voltou com os individuais e os pratos para nos servir. Quando percebi que, para ele, a mesa estava limpa, procurei ser um pouco mais específico:

- Depois não se esqueça de passar aqui um pano, sff.

Perante a surpresa pelo absurdo do meu pedido, o empregado hesitou, interiorizou a mensagem, encolheu os ombros e resignadamente acabou por ceder: uns segundos depois, apareceu com um pano na mão (a parte do detergente já é duvidosa...).

Com a mesa limpa, a coisa melhorou bastante. Eu senti-me à vontade para me encostar ao prato e aspirar cada migalha de chocolate que me apareceu à frente.

541566_828042537246400_485281994690114299_n.jpg

A ementa 

Além dos chocolates, do café e dos gelados, há alguns pratos do dia, saladas, hambúrgueres e outras comidas rápidas. Como estávamos com pressa e o nosso único objectivo do dia eram os brigadeiros, Ela pediu uma salada caprese e eu um creme de couve-flor, um dos legumes que menos gosto neste planeta. No entanto... a sopa estava fantástica. Além de hiper-cremosa, estava mega-saborosa e ultra-leve. 

Já a salada Dela tinha um excesso de verde (alface e rúcula) directamente proporcional a uma escassez de tomate e mozzarella.

Mas o que importa aqui não são os verdes. São os chocolates. Além de um expositor só com trufas Godiva e outro só com os ótimos gelados Artisani, a Praça Central tem três tipos diferentes de brigadeiros: um tradicional de chocolate – macio e viciante; um beijinho de coco – super-mole e não doce de mais; e um casadinho – um brigadeiro metade branco e metade castanho, de um lado é feito de chocolate e do outro é de leite condensado. Escusado será dizer que devorei o casadinho, mesmo apesar do nome ridículo que orgulhosamente ostenta. Ela continua a preferir o brigadeiro tradicional, mas também adorou o beijinho de coco.

1012933_831416343575686_9187234074769109732_n.png

O ambiente 

Fica mesmo debaixo da escadaria principal das Amoreiras, num local de passagem, mas tem uma decoração sóbria e simpática. É claramente um óptimo sítio para passar depois do almoço para beber um café e comer um chocolate. Da próxima, será uma trufa. E nem preciso de me sentar e ter de lidar com a migalha limpa à dedada. Ficarei ao balcão – e basta.

 

O bom 

O creme de couve flor

O óptimo 

Os brigadeiros

O péssimo 

O empregado a limpar a mesa com a mão

 

Bons brigadeiros para si onde quer que esteja,

Ele

 

fotos: praça central

já fomos ao novo selfish das amoreiras, um fast food com hambúrgueres de peixe, tártaros de salmão e atum braseado

660_1_L.jpg

Confissão prévia (não, não vou revelar a minha identidade, vou só tratar dos preliminares): os primeiros dias de um restaurante ou de um espaço aberto ao público são sempre caóticos. Horas de espera, descontrolo absoluto no serviço, máquinas que não funcionam, caos na cozinha. É normal e, por isso, é que que eu evito entrar num restaurante novo com menos de dois meses de sofrimento alheio.

No entanto, arrastado de braço dado com a senhora minha mãe, lá tive de ir às Amoreiras e dei de caras com a inauguração semi-clandestina da nova área de restauração. A senhora, do alto dos seus 60 e vários anos, ficou em choque com o cheiro a peixe, com a desorganização do serviço e especialmente com os 30 minutos de espera, em pé, à frente do balcão, pelo prato que teimava em não sair. Mas ficou encantada com o que comeu.

Eu, como estava num restaurante acabado de abrir, dentro de uma área de restauração acabada de abrir, desvalorizo e atiro este desabafo para uma nota prévia. Se daqui a dois meses voltar ao SelFish e passar pelo mesmo, aí farei um post inteiro dedicado ao caos. Agora não. Faço um post inteiro dedicado a uma ideia brilhante.

 

 

última hora: abriu hoje a nova zona de restauração das amoreiras (e nós contamos todos os detalhes – até o cheiro que lá está...)

10336677_10152284859248705_4293407280368203380_n.pHá novidades a borbulhar nas Amoreiras. Há uns dias, abriu uma nova loja da Padaria Portuguesa, no segundo piso, junto à Loja das Meias, numa zona tranquila e irresistível. Hoje foi inaugurada a nova área de restauração do shopping menos shopping do país. Totalmente forrada a madeira, foi decorada por Nini Andrade Silva e projectada pelo atelier de arquitectura Saraiva + Associados. O espaço tem imensas vantagens e uma gigantesca desvantagem.

 

 

dim sum, light and fun, uma surpresa muito agradável nas amoreiras

10173641_573730016067409_2896541664441083383_n.jpg

-“Dim o quê?”, perguntou a minha mãe, em choque.

-“Dim Sum, mãe! São pequenos pastéis cozinhados a vapor, super macios. São uma espécie de pastéis de massa tenra orientais, só que saudáveis!”, respondi com tal determinação que a convenci em dois minutos. A minha querida progenitora, tal como eu, está sempre em dieta. Isto da genética é dose... Por isso, lá fomos as duas experimentar este espaço tão discreto, tão discreto, que eu achava que tinha aberto recentemente, e afinal abriu há dois anos, no Amoreiras Shopping Center.

 

 

um maravilhoso almoço de sushi por 13 euros

Há coisas difíceis de descrever. E a farofa de sésamo é uma delas. Trata-se de uma farinha que consegue ser mais clara do que a Branca de Neve e mais suave do que a pena de um pássaro. Eu duvido que muita gente equilibrada mentalmente já tenha experimentado saborear a pena de um pássaro na boca (e para conservar a sanidade da minha Família Mistério não vou aqui dizer se já experimentei ou não...). Mas digamos que imagino que a sensação seja razoavelmente semelhante.

A farofa de sésamo é uma farinha finíssima e aveludada que provoca na língua uma sensação macia e inesperada. Não tem nada a ver com a textura da farinha nem com a textura da farofa. Como diziam os Monty Python, é "something completely different".

E o que levará esta criatura que escreve com os dentes a lembrar-se de farofa de sésamo a uma hora destas?

 

 

a nova pastelaria das amoreiras: pastéis de tentúgal e queijadinhas deliciosas

Antes de começar a ler, olhe lá outra vez para a fotografia acima. Tem bom aspecto, não tem? Até agora, para comer um bolo assim, precisava de se meter no carro, fazer centenas de quilómetros, apanhar a autoestrada, sair na direcção de Taveiro/Alfarelos, passar não sei quantas rotundas, ruas à direita e à esquerda, perder-se umas duas ou três vezes, pedir indicações a pessoas que lhe vão dizer que é já mesmo ali à frente, fazer mais não sei quantos quilómetros, perder-se outra vez, desesperar e finalmente chegar a Tentúgal. Quando fosse comer o primeiro pastel, já só queria era meter-se no carro e voltar para trás.

Agora, a sua vida vai melhorar radicalmente. Pelo menos se viver em Lisboa ou em Oeiras. Não sei se já se apercebeu mas A Pousadinha (eu sei que o nome não é brilhante, mas não desista já) abriu, há três meses, uma loja pop up no Centro Comercial Amoreiras e outra no Oeiras Parque. No meio do corredor, mesmo na entrada que dá para o lado do Amoreiras Plaza, encontra um balcão com óptimo aspecto e bolos divinais.

Uma das pastelarias mais famosas de Tentúgal, A Pousadinha é gerida por Cacilda Correia, uma senhora que dedicou grande parte da sua vida a recriar antigas e deliciosas receitas de freiras. É o caso dos mais conhecidos pastéis de Tentúgal, que são feitos com uma massa ultra-fina que as freiras colocavam por cima da Bíblia antes de enrolarem o doce de ovos: se conseguissem ler o texto por baixo da folha de massa, esta estava boa; se não conseguissem ler, estava grossa demais. Mas é também o caso das dezenas de outras opções, menos conhecidas, que pode levar para casa, quase todas com doce de ovos: 

As broinhas de batata

  

 

As carmelitas
 

 

Os lacinhos do convento
 
 

O pão de rala
 
 

As queijadas de queijo fresco

 

 

O maravilhoso pão de ló de caçoila

 

 

Se estiver de dieta, não desespere: peça as óptimas empadas de frango com farinheira. Eu trouxe para casa para o jantar e fizeram um sucesso: além de terem uma massa fininha, que não embucha, a farinheira torna o recheio húmido e delicioso. Melhor: uma empada com salada chega perfeitamente para o jantar de domingo à noite. Pelo menos, cá em casa chegou. E olhe que aqui não se come pouco. É claro que, para sobremesa, havia uns pastéis de Tentúgal e umas queijadas de queijo fresco. Mas isso já foi um exagero.

Bons doces para si, onde quer que esteja,

Ele