Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

7 erros que tem de evitar quando cozinhar o seu peru de natal

Há duas coisas obrigatórias no Inverno: a Serra da Estrela é a única estância de ski que fecha cada vez que neva e nós somos a única família que come um peru por pessoa no Natal. Ok, é capaz de não ser todo esse exagero, mas adoro a pele estaladiça, o molho caramelizado, a carne tenrinha e o recheio suave. Um Natal sem peru é para mim tão grave como o Bruno Carvalho sem aquela voz de marialva ressacado.

E quando falo de peru tem de ser um peru delicioso, cozinhado mesmo no ponto. No ano passado, já aqui falei daquilo que deve fazer para cozinhar um peru perfeito; este ano vou falar daquilo que não pode fazer – nunca, jamais, em tempo algum. E para isso o fabuloso site The Kitchn juntou os sete erros que tem mesmo de evitar quando pegar num avental.

6cf07a53f8850c1071709272752ade51e780516f.jpeg

 

 

passagem de ano: 4 maneiras originais de fazer mini crepes blinis, uma entrada de chorar por mais

Vou admitir uma coisa publicamente que vai fazer com que Ele rejubile na cadeira de felicidade: foi Ele que me mostrou pela primeira vez os crepes blinis. Sabem aquele género de marido que acha que a mulher só descobriu o mundo depois do casamento? É Ele. Amoroso...

Mas num único ponto Ele tem razão: foi graças a Ele que descobri os blinis. É verdade. Maldita a hora porque, além de serem deliciosos, engordam, claro. Estas mini panquecas dão uns aperitivos ou umas entradas fantásticas para o seu jantar de Passagem de Ano. Basicamente pode pôr o que lhe apetecer em cima, doce ou salgado, o sucesso é garantido. Aqui ficam quatro sugestões diferentes que encontrei no delicioso site Ichigo Shortcake.

7176081037_2a3571f8a0_b.jpg

 

 

ceia de ano novo: quais os melhores vinhos para acompanhar cada queijo

Tive dois grandes desgostos que marcaram profundamente a minha vida. O primeiro foi ver, aos 6 anos, O Campeão morrer à frente do filho. O segundo foi descobrir, aos 26, que os queijos não se comem apenas com vinho tinto. Não é fácil aguentar desilusões desta dimensão sem me tornar de um dia para o outro na versão masculina da Pomba Gira. Mas eu resisti. E é por isso que, todos os anos, dedico uma boa parte da minha passagem de ano a homenagear os queijos e os vinhos.

No entanto, para tudo sair perfeito é preciso encontrar o vinho ideal para cada queijo. E, se no Natal, encontrei um fantástico guia para combinar os vinhos com os pratos natalícios, agora descobri um magnífico dicionário para decidir que vinho deve acompanhar cada tipo de queijo. O trabalho de casa foi feito de forma irrepreensível e ultra-completa pelo site Fix.

Só tem de procurar o queijo que vai servir e ver quais as castas de vinho que mais se adequam. As castas e os queijos portugueses foram acrescentados por nós.

wine-cheese-pairings.jpg

 

 

ano novo – a alternativa mais requintada às 12 passas da meia-noite: tostinhas com brie, passas e redução de vinho branco

É o meu maior sacrifício de Ano Novo. Ter de comer 12 passas seguidas, sem mais nada, em apenas 12 segundos é quase tão penoso como ter de engolir as 23 pastilhas elásticas que Jorge Jesus ingere por cada jogo de futebol. Eu confesso que todos os anos tenho uma pequena discussão de fim de ano com a minha querida Mulher Mistério por causa da polémica das passas. Eu resisto, Ela insiste. E, como em todos os casais do século XXI, eu cedo e Ela ganha. 

Pois bem, este ano vai haver uma pequena surpresa. Para suavizar o meu sofrimento, vou disfarçar as passas no meio de uma receita maravilhosa. E enquanto Ela despejar mãos cheias de frutos para dentro da boca, eu vou deliciar-me com duas destas magníficas tostinhas com queijo brie do fantástico blog Bite Me.

Para levar a cabo esta minha rebelião festiva, só preciso de passas brancas, queijo brie, pão de baguette ou de sementes, manteiga sem sal, 1 vagem de baunilha partida ao meio na vertical, açúcar, vinho branco Chardonnay e água. Mas para ver as medidas certas, é melhor consultar a receita original aqui.

DSC_0246.jpg

 

 

um guia para sobreviver ao natal dentro das calças: quais são as sobremesas mais e menos calóricas da consoada

4978445919_df3eac626a_o.jpg

Primeiro as más notícias: segundo a British Dietetic Association, estamos todos a preparar-nos para comer 6 mil calorias apenas no Dia de Natal – são três vezes mais do que devíamos comer ao longo de 24 horas. Agora, as péssimas notícias: este verdadeiro camião TIR de calorias tem consequências e elas vão notar-se na balança – no final da época de Natal terá engordado entre 1 e 2,5 kg.

Presumo que, neste momento, já esteja a correr à volta do computador para começar a abater tudo aquilo que ainda vai comer. Mas não é preciso tanto. Basta apenas saber o que engorda mais e o que engorda menos.

Felizmente, na semana passada a Zaask, uma plataforma online de contratação de serviços locais, deu-nos uma ajuda essencial para os próximos dias: um guia das tradicionais sobremesas de Natal com mais e menos calorias e com mais e menos açúcar.

Mas antes de começarmos, veja lá se adivinha: sabe qual é a sobremesa mais calórica da sua mesa de Natal? E acha que a mais calórica é também a que tem mais açúcar? As informações são baseadas numa lista de receitas publicadas pelo site Receitas de Dieta e representam os valores por porção normalmente servida. Prepare-se para as surpresas.

 

 

terrina de queijo de cabra com doce de figo e pesto, a estrela da sua mesa de natal

Este é provavelmente o aperitivo mais irresistível de sempre. Quando descubro na mesma receita três dos meus ingredientes preferidos – queijo de cabra, doce de figo e pesto –, entro numa espécie de transe, fico com falta de ar, o oxigénio não chega ao cérebro e resultado: afeta-me a memória e rapidamente me esqueço que estou de dieta. É científico. Está provado. Logo é incontrolável… Esta fantástica receita, que encontrei no blog Katie at the Kitchen Door, tem tudo para se tornar na estrela mais cintilante da sua mesa de Natal. Só precisa de manteiga sem sal, um queijo de cabra macio, sal e pimenta, pesto, doce de figo e nozes tostadas e picadas. Se quiser saber as doses certas destes ingredientes, para um aperitivo que dê para 8 a 12 pessoas, espreite aqui a receita original.

2014-07-23-082-800x1200.jpg

 

a nossa noite de óscares

 

A noite de Óscares é demasiado especial para ser apenas mais uma noite em frente à televisão aqui em casa. Por isso, decidi criar um evento que, se correr bem, poderá tornar-se uma tradição anual: vou entrar na cozinha e fazer uma ceia digna de uma passadeira vermelha: elegante e light.

 

Ementa para a noite dos Óscares:

Aperitivo – pimentos padrón (já o vi fazer várias vezes: é só lavá-los e atirá-los para dentro de uma frigideira com azeite a ferver até ficarem escuros, porque não gosto deles muito picantes e quanto mais cozinhados menos picantes). Enquanto os passamos pelo sal e metemos um e outro à boca, entre goles de vinho para apaziguar a língua em chamas, ouvimos a maravilhosa Jennifer Lawrence vencer o Óscar de Melhor Atriz Secundária pela sua brilhante prestação em “Golpada Americana”. Se bem que o meu coração também se inclina para Julia Roberts que, além de continuar linda de morrer, mostra que é muito mais do que a pretty woman em “Um Quente Agosto”. Para qualquer uma delas seria o segundo Óscar.

 

E ainda antes de voltar para a cozinha, torço ferverosamente por Jared Leto para Melhor Ator Secundário, pela sua exímia atuação em “O Clube de Dallas”. Pensando bem, não ficamos nada mal servidas se subir ao palco o Bradley Cooper: sempre é um colírio para os olhos. Até de rolos na cabeça, aquele homem é giro, caramba.

É nesta altura que o meu querido marido mistério me faz uma tromba descomunal e eu fujo para a cozinha. Para fazer o quê? Aceitam-se apostas. Qual é o único prato que uma pessoa que não sabe cozinhar consegue fazer? Claro! Ovos mexidos. Sim, mas não são uns ovos mexidos quaisquer!

 

Prato principal – Ovos mexidos com parmesão e cebolinho. Parto os ovos e deito-os para uma taça. Misturo com um garfo três ou quatro vezes, só para partir a gema e não deixar ficar com a consistência de uma omolete. Passo o cebolinho por azeite a ferver, com o lume no máximo. Atiro os ovos e o parmesão previamente lascado lá para dentro. Mexo com uma colher de pau, e ao fim de 20/30 segundos desligo o lume, para não deixar os ovos secar. Continuo a mexer até as claras cozinharem. Depois retiro os ovos rapidamente da frigideira para eles não continuarem a cozinhar e acrescento tomate cherry.

Quase duas horas depois (porque isto tudo parece muito fácil quando é Ele a cozinhar mas, com a minha mania das limpezas, os meus timings são outros!), regresso à sala com a minha obra-prima nas mãos, mesmo a tempo de ouvir a diva Meryl Streep receber o seu quarto Óscar, se bem que Cate Blanchett (e a sua Jasmine) é uma adversária de peso.

Quanto ao Melhor Ator Principal, apesar do meu coração pender para Leonardo Di Caprio (que está magnífico em “O Lobo de Wall Street”), acho que ainda não vai ser desta que o menino bonito de Scorcese leva o Óscar para casa. Porque este é o ano de Mathew MacConaughey. A sua impressionante transformação e sacrifício para protagonizar “O Clube de Dallas” vão ser recompensados esta noite. 

 

E quando tento levantar-me do sofá para fazer uma sobremesa (ou seja, ir buscar Santini ao congelador), o meu corpo não deixa, e ferro a dormir antes de serem anunciados o Melhor Realizador e o Melhor Filme. Mas convenhamos, haja resistência e idade para gramar com uma maratona destas até de madrugada sem pestanejar.

 

Boa noite de Óscares,

Ela