Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

sugestão para esta 5ª feira: concerto gratuito de ana moura e jantar no nobre estoril

Temos boas notícias para si e más notícias para os seus jovens herdeiros. A fadista Ana Moura vai dar um concerto esta quinta-feira no Casino Estoril e a entrada é gratuita. Infelizmente, não podem entrar no casino menores de 18 anos. Posto isto, a nossa sugestão é simples: empacote a criançada para um destino não muito longínquo e vá ver aquela que é uma das melhores fadistas da actualidade. Com o dinheiro que poupa nos bilhetes, aproveite e vá jantar num tête-à-tête ao Casino Estoril. E onde, pergunta Vocelência. Ao novo restaurante de Justa Nobre, respondo eu. Qualquer semelhança entre este restaurante e o Bitoque no Ponto é pura coincidência.

Estivemos lá pouco depois de o restaurante ter aberto e é uma pequena maravilha. Como fomos jantar tarde, optámos por dividir uns óptimos petiscos. Mas, como o concerto – a propósito do seu álbum "Desfado" – só começa às 22h30 (às 21h15 tocam Ana Roque e Bruno Fonseca), dá para jantar antes ou depois – a escolha é sua. O casino fez ainda um acordo com a CP para o caso de querer ir de comboio e não ter chatices para arrumar o carro. Basta dizer que vai aos Grandes Concertos do Casino Estoril (Etah, nome pomposo!) e pagará apenas um euro por um bilhete de ida e volta. É claro que pode sempre encontrar aquelas turbas de jovens que lhe pedem emprestado o seu iPhone novo para nunca mais o dar de volta. Mas por um euro onde é que se arranja segurança?

Nós estaremos seguramente no Lounge D na próxima quinta-feira (se calhar, é melhor levar o carro) e, quem sabe, se não voltamos ao Nobre. 

Só de pensar naquela sopa de lagosta...

 

 

ganhe bilhetes para o concerto dos xutos com o vinho dos xutos

Um vinho com nome de banda? Uma banda com nome de vinho? Não é natural. O que é natural e fica bem é cada um usar o cabelo com que nasceu... Peço desculpa, perdi-me, não queria falar do restaurador Olex; queria falar do vinho Xutos&Pontapés - que, apesar de não ser natural, é um vinho da Casa Agrícola Alexandre Relvas, a mesma que produz o Herdade de São Miguel. E porque é que se lembra o meu amigo mistério de falar da Casa Agrícola Alexandre Relvas a uma hora destas, pergunta o taxista lá do fundo: por acaso, os Xutos&Pontapés vão apoiar o Cavaco Silva para um terceiro mandato em Belém? O mundo está louco, mas ainda não chegou a tanto. Não senhor. A propósito do concerto dos Xutos, no próximo dia 8 de Março, no Meo Arena, a CAAR (vamos lá parar de repetir o nome do Alexandre Relvas, senão a Comissão Nacional de Eleições ainda interdita o blog do Casal Mistério...) está a oferecer, em parceria com a Sapo Sabores, cinco bilhetes duplos para o espectáculo.

Para concorrer, basta ir ao Sapo Sabores e responder a uma pergunta sobre o vinho dos Xutos; ou então ir à página do Facebook da CAAR e enviar uma fotografia original e criativa e coiso e tal. Para saber mais pormenores, despache-se, vá até qualquer um destes sites, leia as instruções com atenção e concorra até dia 24 de Fevereiro. Para ir ver o João Cabeleira a suar pela Bastet, vale a pena fazer qualquer coisa. Eu estou nisto - mas discretamente, para não ser descoberto.

Um "tchau, bacano" para si, onde quer que esteja,

Ele

e agora algo completamente diferente...

 

Alguém me pode responder a uma pergunta simples e directa? Porque é que em todos os concertos em Portugal as meninas que sentam as pessoas passam o espectáculo inteiro, histéricas, a correr de um lado para o outro da sala a impedir as pessoas de tirarem fotografias com os telemóveis? Eu compreendo o drama dos direitos de autor e percebo perfeitamente que se combata a pirataria ilegal. Mas alguém acha que uma pessoa com um telemóvel, sentada na última fila da sala, vai recolher imagens para as vender? Alguém acredita que os minivídeos gravados da plateia com um smartphone servem para produzir DVDs piratas do espectáculo que depois serão vendidos por fortunas no mercado negro? Alguém está convencido que as fotografias têm qualidade para reprodução na imprensa?

Durante anos foi proibido filmar e fotografar nos concertos para defender os direitos de autor. E durante anos isso fez sentido. Mas entretanto o mundo mudou, o Steve Jobs inventou o iPhone, o Mark Zuckerberg criou o Facebook e toda a gente tem um telemóvel, uma câmara fotográfica e uma conta numa rede social. Tudo no mesmo aparelho. Isso não transforma os espectadores de concertos em perigosos assassinos dos direitos de autor. Transforma-os apenas em clientes que estão a gostar de um espectáculo e que gostariam de partilhar uma fotografia desse momento com os amigos. É assim tão difícil de perceber?

 

Ele