Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

a sangria mais bonita deste verão: espumante rosé com morango, manjericão e pétalas de rosa para fazer em 5 minutos

Tem amigos para almoçar em sua casa e quer impressioná-los? Então esta receita é para si. Trata-se de uma espectacular sangria de espumante rosé com morango e manjericão, do blog Heather Christo, que leva umas pétalas de rosa por cima. A mistura das flores cor-de-rosa com os morangos encarnados e com as folhas de manjericão verdes tornam esta sangria numa verdadeira obra de arte.

Ainda por cima, é facílima de preparar: demora só 5 minutos. Tudo o que precisa é de espumante rosé, licor de pêssego, pétalas de rosa comestíveis (encontra, por exemplo, no Celeiro), folhas de manjericão inteiras, pepino laminado e morangos cortados fininhos. Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, consulte a receita original aqui.

33569830592_fa12456f0a_b.jpg

 

sangria de espumante com morangos para brindar a este fim-de-semana de verão

A Madonna voltou, o Kikas conquistou o surf internacional e a Ana Malhoa tem um novo namorado – só motivos de festa e isso é tudo o que precisamos para acabarmos este sábado de copo na mão e tchin tchin na ponta da língua. É isso mesmo: vamos brindar. E nada melhor do que uma bela e encantadora sangria para fazer brindes no Verão. 

Hoje, a happy hour cá em casa vai ser com esta fantástica sangria de espumante e morango do delicioso site The Kitchn. Tudo o que vou precisar para fazer este refresco para maiores de 18 anos é de espumante, 7Up, licor de laranja (por exemplo, Cointreau ou este Orangea), pepino laminado e morangos cortados em pedaços. Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, consulte a receita original aqui.

06c1533eb2d90a16ccc59c880f2ac241258aaf30.jpeg

 

 

champanhe de ananás e coco para fingir que estamos a passar o ano nos trópicos

2016 foi um ano de loucos. Começámos o blog em dezembro de 2013 por graça. Rapidamente se transformou num prazer e num vício. Tirando o pequeno pormenor de que trabalhamos os dois e temos uma mini-equipa de futsal de filhos, diria que esta aventura tornou-nos a vida ainda mais caótica do que já era (saudades de um serão a ver séries…). Mas não estamos nem um pouco arrependidos. Estamos radiantes com o feedback dos maravilhosos leitores que temos e com o crescimento impensável do blog.

Só este ano – que ainda nem sequer acabou – tivemos 13 milhões de visualizações. Além disso, juntámos mais de 8,8 milhões de visitas e mais de 4 milhões de utilizadores. Só em pageviews foi um crescimento de quase 80% em comparação com 2015. Como se isto não bastasse, lançámos um livro que já vai na terceira edição e os nossos vídeos tiveram mais de 11 milhões de visualizações em 2016. E já temos novos projectos que surgirão em 2017.

Por isso, só temos razões para comemorar. E como é que se celebra neste blog? Em grande, claro. Como não deu para viajarmos neste final de ano, vamos brindar como se estivéssemos nos trópicos: com um delicioso cocktail de champanhe, coco e ananás, que descobri no fantástico blog Pineapple and Coconut e que se prepara em cinco minutos.

11631120533_542a828e69_b.jpg

 

5 sangrias de espumante para fazer este verão (e brindar ao jogo de portugal)

Verão sem sangria é como um jornalista da CMTV sem microfone. No meu caso, fico perdido, a olhar para o infinito sem qualquer apoio para suportar os dias de intenso calor. E então se a sangria for de espumante, podem trazer os tambores e os gigantones porque vamos ter festa. 

É claro que, mal o dia 21 de Junho surgiu no calendário, eu surgi na Internet incessantemente em busca de cinco salvações para as minhas férias de Verão. E, depois de muito trabalho e ainda mais sofrimento, cheguei a esta magnífica finalíssima de cinco deliciosas sangrias de espumante. São todas fáceis de fazer e deliciosas de beber. Agora, vá lá buscar o jarro e o gelo que isto vai aquecer.

 

Sangria de Toranja e Melancia

ad1ef3d11abbc6f333a2be4348582aed9f8a0fb3.jpeg

Esta receita do blog Whitney Bond é especialmente dedicada à minha querida Mulher Mistério. Desde que descobri aqui que a toranja emagrece que a tento convencer a beber todo o tipo de sangrias e afins porque têm umas rodelas de toranja. E esta sangria tem rodelas e sumo. Espalhe as rodelas de meia toranja no fundo de um jarro, com açúcar por cima, e esmague bem com um pilão ou uma colher de pau. Despeje o espumante (a receita original sugere uma combinação de espumante com vinho branco Sauvignon Blanc, mas eu só vou usar espumante) e o sumo de toranja e misture tudo. Acrescente uns cubos de melancia, uns pedaços de morango, 7Up, muito gelo e pode servir. Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, veja a receita completa aqui.

 

 

a maneira mais eficaz de gelar uma garrafa de champanhe em cinco minutos

wood-light-flowers-hotel-large.jpg

Agora chegou o momento Professor Karamba do dia. Encoste-se um pouco mais ao computador que eu estou prestes a adivinhar como é que vai ser o seu jantar de logo à noite. Está preparado? Então, aqui vai. Por volta das 23h30, alguém vai perguntar: 

– Onde é que está o champanhe?

E alguém vai responder:

– Está ali. Só não está é gelado.

 

ceia de ano novo: quais os melhores vinhos para acompanhar cada queijo

Tive dois grandes desgostos que marcaram profundamente a minha vida. O primeiro foi ver, aos 6 anos, O Campeão morrer à frente do filho. O segundo foi descobrir, aos 26, que os queijos não se comem apenas com vinho tinto. Não é fácil aguentar desilusões desta dimensão sem me tornar de um dia para o outro na versão masculina da Pomba Gira. Mas eu resisti. E é por isso que, todos os anos, dedico uma boa parte da minha passagem de ano a homenagear os queijos e os vinhos.

No entanto, para tudo sair perfeito é preciso encontrar o vinho ideal para cada queijo. E, se no Natal, encontrei um fantástico guia para combinar os vinhos com os pratos natalícios, agora descobri um magnífico dicionário para decidir que vinho deve acompanhar cada tipo de queijo. O trabalho de casa foi feito de forma irrepreensível e ultra-completa pelo site Fix.

Só tem de procurar o queijo que vai servir e ver quais as castas de vinho que mais se adequam. As castas e os queijos portugueses foram acrescentados por nós.

wine-cheese-pairings.jpg

 

 

a sangria do amor, que é como quem diz, um delicioso e incrível espumante com amoras

Hoje acordei apaixonada. Apaixonada pela vida, pelos meus queridos filhos, e claro, pelo meu querido Ele. E decidi celebrar o amor e a vida. Como? Dando abraços a desconhecidos na rua? Não. A prender cadeados em pontes? Não? A cantar serenatas à chuva? Não. A fazer a chamada sangria do amor... há lá bebida mais romântica? O blog da jacquelyn clark acha que não e quem sou eu para discordar?

blackberry-thyme-cocktail_3-480x722.jpg

 

 

um copo ao fim da tarde e um empregado que não sorri

1394442_203450719834531_818071474_n.jpg

Por que azar do destino é que é tão difícil encontrar um sítio em Lisboa onde se possa beber um copo ao fim da tarde? E porque é que, quando encontramos, somos sempre olhados de lado pelos empregados que lá estão? No outro dia, percebi de repente que eram 18h e eu estava no centro de Lisboa, com tempo livre enquanto esperava pela minha querida Ela para jantar. E como, para mim, tempo livre é tempo blogosférico, consultei imediatamente a minha poderosa base de dados, qual Edward Snowden da restauração, à procura de um sítio agradável para beber um copo. Foi assim que encontrei a simpática Champanheria do Largo, um restaurante/bar de petiscos, com vários champanhes, espumantes e cocktails, e, melhor de tudo, aberto das 12h às 24h.

 

 

dois cocktails com algodão doce para um réveillon original

Ano Novo, Cocktail Novo. E o que é que pode ser mais novo do que um cocktail de gin e algodão doce? Já que estou a resistir estoicamente às tentativas que Ela tem feito para mover toda a Família Mistério em direcção a um réveillon na feira do Terreiro do Paço, resolvi trazer um bocadinho da feira para casa. Este ano, vou fazer o último grito da cocktaileria internacional para o nosso jantar de dia 31. E que grito é esse? Cocktails com algodão doce, uma moda que está em tudo quanto é bar por esse planeta fora.

Cotton-Candy-Cosmo.jpg

 

 

salada de peito de pato fumado com salmão e palitos de queijo fresco

 

Está-se mesmo a ver: fim-de-semanazinho com grandes jantaradas fora, almoços até às tantas, sobremesas coladas à sopa da refeição seguinte... basicamente, está asfixiado em comida, não é? Pelo menos, aqui em casa há quem esteja nesse estado lamentável. E foi por isso que hoje fui obrigado a preparar uma refeição light para desintoxicar dos últimos dias. A solução? Uma Salada de Inverno. Sim, é possível juntar as duas palavras no mesmo prato. 

Ao abrir o frigorífico, encontrei um peito de pato fumado que tinha sobrado da passagem de ano (não, não se preocupe que ainda faltavam quatro dias para acabar o prazo de validade). Preparei umas folhas de rúcula, de alface e de agrião (vão vale a pena voltar a dizer que são biológicas, de uma daquelas empresas de cabazes que entregam em casa, pois não?) e juntei uns tomates cherry cortados em quatro. Equanto os verdes estavam a secar, cortei uma cebola: metade às fatias finas para a salada, a outra metade picada para uma panela com um fio de azeite, onde cozinhei ligeiramente uma posta de salmão congelado e umas folhas de coentros.

Depois de o peixe estar pronto - dourado por fora e rosado por dentro - dividi-o às lascas (não é o mesmo que cortá-lo aos bocados) e deixei arrefecer. Enquanto isso, o peito de pato fumado estava ao ar livre a libertar os cheiros da embalagem. Juntei, os verdes, o tomate, o peito de pato, o salmão, o azeite e a cebola que o cozinhou e ainda mais uma maçã laminada e um queijo fresco grande aos palitos. Tudo misturado com mais um pouco de azeite, vinagre balsâmico, sal e pimenta. 

 

E para acompanhar? Bom, não pode ser tudo dieta, pois não? Por acaso estava no frigorífico uma garrafa de espumante Caves da Montanha Grande Reserva bruto de 2005. É mal empregado para acompanhar uma salada? Como dizia o Álvaro Cunhal, olhe que não, olhe que não...

 

 

Um abraço e uma boa semana para si, onde quer que esteja,

Ele