Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

novidade! novidade! começou hoje o festival europeu de comida de rua no estoril (com comida saudável e tudo)

image.jpeg

São dezenas de roulottes com todo o tipo de comida que vão ocupar os jardins do Casino Estoril até ao próximo domingo. Com uma fantástica vista para o mar, rodeado de relvados e palmeiras, o Street Food European Festival tem entrada gratuita e está num sítio maravilhoso, ideal para aproveitar este calor tropical que tomou conta do país com a mesma velocidade com que Pinto da Costa despede treinadores. Ao longo de cinco dias, vai haver concertos, espectáculos, show cookings e, acima de tudo, vários sítios para comer de forma descontraída ao pé do mar. 

 

 

novidade! novidade! já fomos à incrível varanda do novo hotel intercontinental no estoril

11728907_913792852027210_6940102224708694156_o.jpg

“Eu ainda sou do tempo do Hotel Atlântico”. São frases como esta que me deprimem. Fazem-me sentir antiga. Mas é um facto. E contra factos não há argumentos. Lembro-me perfeitamente de ir para lá com os meus avós quando era criança. Por isso, foi com muita curiosidade que acompanhei a demolição do velhinho e abandonado Atlântico e o nascimento do moderno e luxuoso Intercontinental Estoril.

 

organic caffe, o novo restaurante de comida saudável (e com uma simpática esplanada para estes dias de calor)

11390241_1100881123274916_1046453220222811365_n.jp

Entrar no Organic Caffe, o novo restaurante do Banyan Tree Spa, no Hotel Palácio, no Estoril, é como entrar numa comunidade hippie dos anos 70. Não há homens de cabelo comprido nem cigarros de erva a circular de mão em mão. Mas aqui tudo transmite calma e tranquilidade. Os empregados parece que deslizam silenciosamente, sempre com um sorriso de felicidade e boa onda na cara; o ambiente é silencioso e zen; e a decoração mistura fotografias claras e bem iluminadas com cores alegres e plantas verdes.  

 

 

o incrível brunch do conceito food store (ou o dia em que dei cabo da minha dieta de vez!)

Escondido nas profundezas de Bicesse, na Rua Pequena, ao lado de um típico cabeleireiro de bairro, tememos o pior quando estacionámos o carro no meio de uma espécie de praceta rodeada de prédios, depois de curvas e contracurvas por estradas que nem sabíamos que existiam.

478953_362689100431679_1669773048_o.jpg

10857307_951355841564999_815089758556168236_o.jpg

 

 

novidade! novidade! abriu um novo bar com bons gins premium a €5 (e nós já lá fomos)

10610772_552049641562443_2583489793106435646_n.jpg

€5? Será que ouviu bem? Ouviu lindamente. Mas como o assunto é delicado, vou repetir por extenso, como se faz nos cheques: cinco euros e zero cêntimos. O Secret Bar, o novo bar de gin que abriu há uns dias em São João do Estoril, é um sério candidato ao grande prémio do gin premium mais barato. Nós, como é evidente, já lá fomos. E provámos...

 

 

sugestão para esta 5ª feira: concerto gratuito de ana moura e jantar no nobre estoril

Temos boas notícias para si e más notícias para os seus jovens herdeiros. A fadista Ana Moura vai dar um concerto esta quinta-feira no Casino Estoril e a entrada é gratuita. Infelizmente, não podem entrar no casino menores de 18 anos. Posto isto, a nossa sugestão é simples: empacote a criançada para um destino não muito longínquo e vá ver aquela que é uma das melhores fadistas da actualidade. Com o dinheiro que poupa nos bilhetes, aproveite e vá jantar num tête-à-tête ao Casino Estoril. E onde, pergunta Vocelência. Ao novo restaurante de Justa Nobre, respondo eu. Qualquer semelhança entre este restaurante e o Bitoque no Ponto é pura coincidência.

Estivemos lá pouco depois de o restaurante ter aberto e é uma pequena maravilha. Como fomos jantar tarde, optámos por dividir uns óptimos petiscos. Mas, como o concerto – a propósito do seu álbum "Desfado" – só começa às 22h30 (às 21h15 tocam Ana Roque e Bruno Fonseca), dá para jantar antes ou depois – a escolha é sua. O casino fez ainda um acordo com a CP para o caso de querer ir de comboio e não ter chatices para arrumar o carro. Basta dizer que vai aos Grandes Concertos do Casino Estoril (Etah, nome pomposo!) e pagará apenas um euro por um bilhete de ida e volta. É claro que pode sempre encontrar aquelas turbas de jovens que lhe pedem emprestado o seu iPhone novo para nunca mais o dar de volta. Mas por um euro onde é que se arranja segurança?

Nós estaremos seguramente no Lounge D na próxima quinta-feira (se calhar, é melhor levar o carro) e, quem sabe, se não voltamos ao Nobre. 

Só de pensar naquela sopa de lagosta...

 

 

os restaurantes preferidos de juan carlos em portugal

Um homem acorda e depara com uma notícia destas, assim vinda do nada: Juan Carlos abdica do trono em Espanha. Acabou o melodrama no PS. Acabou o psicodrama no Tribunal Constitucional. O País já tem tema para os próximos dias. Perante isto, resta-nos fazer o nosso trabalho. E esse é responder à pergunta essencial para compreender todo o debate da sucessão na Casa Real Espanhola. Já adivinhou? Exactamente: quais são os restaurantes preferidos de Juan Carlos em Portugal? Nós sabíamos que vocês sabiam que nós sabíamos quais eram. Por isso aqui ficam as mesas e os petiscos do Rei de Espanha enquanto viveu no Estoril, com a ajuda do livro Um Rei no Estoril, de José António Gurriaran. Depois de ler isto, finalmente, sim, está preparado para seguir o tema da sucessão em Espanha. 

O Pescador

Era neste restaurante do centro de Cascais, junto à lota do peixe, que Juan Carlos costumava encontrar-se com os grandes amigos: Babá Espírito Santo, Bernardo Arnoso (Maná) e Jorge Arnoso. Todos o tratavam por Juanito. Mais tarde juntou-se ao grupo Francisco Pinto Balsemão, a quem o Rei costumava chamar Chiquinho ou Paquito. Antigo bar de pescadores, onde o dono (também ele um antigo pescador) costumava atender o clientes descalço, o restaurante foi o escolhido por Juan Carlos para jantar com a futura Rainha Sofia na véspera do casamento da sua irmã, a infanta Margarida, com Carlos Zurita.

Juan Carlos tornou-se amigo do dono do restaurante, Ramiro, a quem trata por tu. O que o Rei de Espanha mais gosta de comer neste restaurante são os lagostins, o linguado de Cascais, os pastéis de bacalhau e os chocos fritos. A mãe de Juan Carlos, D. Maria de Borbón, era fã do linguado grelhado e o seu pai, D. Juan, tinha como prato preferido a dourada no forno com batatinhas. Cada vez que entrava no restaurante, a primeira coisa que o conde de Barcelona perguntava era:

- Ramiro, tens Barca Velha?

Acompanhava todas as refeições com vinho tinto, um hábito herdado pelo filho que também não gosta de beber vinho branco.


Estalagem do Muchaxo

Era um dos locais mais românticos de Cascais na época em que os Condes de Barcelona viviam no País. Mesmo em frente à, na época deserta praia do Guincho, o Muchaxo era uma pequena barraca onde se chegava normalmente num coche puxado por cavalos. Juan Carlos costumava vir passear para aqui com Maria Gabriela, uma das filhas do Rei de Itália, mais conhecida por (pequena homenagem à minha querida Mulher Mistério...) Ela, entre os amigos mais chegados. O Rei de Espanha começou a frequentar o espaço quando este ainda se chamava apenas A Barraca e era uma simples tasca de marisco fresco apanhado na praia. Ia lá muitas vezes com a família para comer bruxas (também conhecidas como santiaguinhos e um dos pratos preferidos da sua mãe) e amêijoas à espanhola.

O dono do restaurante é Tony Muchaxo, que atendeu o Rei de Espanha várias vezes, e que, mesmo depois de a família se ter mudado novamente para Espanha, enviava bruxas para a mãe de Juan Carlos. Uma vez Tony esteve em Madrid e resolveu ir visitar Juan Carlos ao Palácio da Zarzuela. É claro que foi parado no primeiro controlo de segurança antes de chegar à residência dos Reis de Espanha. Disseram-lhe que, para passar, precisava de uma autorização do Ministério dos Negócios Estrangeiros. Tony voltou para trás e um tempo depois comentou o caso com a infanta Margarida. A irmã do Rei deu-lhe o telefone particular de Juan Carlos e disse-lhe: 

- Toma o telefone directo do meu irmão, Tony. Telefona-lhe e verás como te recebe logo.

Tony não ligou. 

English Bar 

Foi aqui que Mário Soares e o conde de Barcelona jantaram em 1974, logo a seguir ao 25 de Abril. O pai de Juan Carlos estava com medo das consequências da revolução em Portugal. Nessa altura, havia instabilidade política e a própria embaixada de Espanha em Lisboa já tinha sido assaltada e incendiada. As famílias com quem se davam os condes em Cascais e no Estoril, os Espírito Santo e os Champalimaud, aconselharam-nos a ir para o Canadá. D. Juan não queria. Adorava Portugal e preferia continuar cá.

Raul Morodo, que mais tarde veio a ser embaixador de Espanha em Portugal, organizou um jantar entre D. Juan e Mário Soares, então ministro dos Negócios Estrangeiros. Soares pediu ao conde de Barcelona para não deixar o País – dava má imagem para o exterior. E ofereceu-se para lhe colocar um polícia à porta da Vila Giralda, privilégio de que a família real espanhola nunca tinha beneficiado. 

Depois desse jantar, D. Juan de Borbón decidiu ficar.

Hotel Palácio

Foi aqui que a infanta Pilar celebrou os seus 18 anos, numa enorme festa no jardim do hotel, e era aqui que os pais de Juan Carlos iam para dançar ou para tomar um cocktail de fim de tarde no bar. D. Juan de Borbón bebia sempre um Dry Martini e D. Maria um Old Fashion. Quando o Conde de Barcelona chegava, os empregados pediam sempre "Um Dry Martini tamanho de rei", porque, em vez de uma dose de gin, levava duas. De vez em quando, o pai de Juan Carlos pedia um whisky – e também era duplo.

As doses duplas começaram numa tarde em que a mãe do Rei de Espanha estava com a mulher de Santiago Muguiro, ex-secretário da embaixada de Espanha. D. Maria provou o seu cocktail e reclamou a um empregado do Hotel Palácio:

- Está muito fraco.

O barman comentou o episódio com o próprio Muguiro, que lhe recomendou: 

- Quando preparares cocktails para os senhores, serve sempre duplo.

Juan Carlos e o irmão não costumavam beber bebidas alcoólicas. Normalmente pediam água ou sumos.

Santini

Era em casa de Atilio Santini que o Rei Juan Carlos trocava muitas vezes de roupa quando saía da praia e era na sua geladaria que comia os seus gelados preferidos. Atilio tratava o Rei por Juanito e Juan Carlos ficava muitas vezes à conversa com o fundador do Santini. Foi Atilio quem forneceu os gelados para o casamento da infanta Pilar, em 1967.

 

Um abraço para o rei onde quer que ele esteja,

Ele

 

 

 

blue boutique hostel, o novo spot cool do estoril

No próximo fim-de-semana, a linha de Cascais vai ser invadida por malta jovem. Não, não é um arrastão, nem um festival de música, nem um concerto do Hardwell (sou uma mãe muito à frente: como é que eu sei quem é o Hardwell?, estarão a perguntar-se; cultura de quem tem filhos adolescentes, para quem ir a um concerto da Miley Cyrus ou do “melhor DJ do mundo” é uma questão de vida ou de morte). Estou a falar do Cascais Surf à Noite que acontece no próximo sábado, dia 3 de maio, na praia de Carcavelos. Vão lá estar surfistas e fãs da modalidade de todo o país e arredores e, por isso, lembrei-me de vos mostrar este novíssimo hostel, que acabou de ser inaugurado no Estoril. Chama-se Blue Boutique Hostel e é “o spot” para surfistas, bodyboarders, kite surfers e afins. 

Com vista para o mar, esta renovada casa centenária típica da zona de Cascais tem cinco andares com todos os tipos de quartos e mais alguns (suites, quartos individuais, familiares ou dormitórios), além de terraços, varandas, bar interior e exterior, jardim, sala de estar, WI-FI gratuito, estacionamento privado, sala de jogos, zona de "chill out" e serviço de receção 24 horas.

O verdadeiro espírito de um hostel está presente em cada canto: no ambiente, na decoração leve e alegre, nos espaços comuns e, sobretudo, nos preços acessíveis: sendo o mais barato de €14 – cama e pequeno-almoço incluído – e o mais caro de €150 – Master Suite, também com pequeno-almoço.

Vocacionado para desportos aquáticos, o hostel disponibiliza aulas de surf, kite-surf, paddle board, passeios de barco, surfaris, aluguer de equipamentos desportivos (bicicletas, pranchas, fatos) etc. E tem ainda uma lista infinita de coisas que dão sempre jeito: jogos de tabuleiro, livros para a troca, playstation, barbecue, televisão por cabo, refeições disponíveis, toalhas para alugar e máquina de lavar. Mas nada como espreitar o site e o Facebook do hostel, para ficar a saber tudo.

Isto sim. Vale a pena. Vou mostrar este post aos mais velhos da nossa equipa de futsal. Talvez se inspirem para uma futura viagem de finalistas (porque é que agora há viagens de finalistas por tudo e por nada? Mudam de ciclo, viagem de finalistas... Mudam de ano, viagem de finalistas...). Tudo menos Lloret del Mar. Que medo!

 

Bom feriado,

Ela

 

um restaurante a não ir

Como já puderam perceber, se há coisa que eu odeio fazer é dizer mal, criticar ou sequer fazer uma graçola com algum restaurante. Mas alguém que acorda um dia e resolve chamar Opíparo ao seu restaurante, é alguém que quer muito ser achincalhado na rua, não é? Segundo o dicionário Houaiss da Língua Portuguesa, opíparo é "o que tem magnificência, esplendor, opulência; sumptuoso; o que é feito ou apresentado de forma abundante; rico, esplêndido, próspero". Não havia assim nenhum adjectivo ligeiramente mais modesto para rotular o restaurante, não? Tinha mesmo de ser logo a palavra mais nova-rica e pretensiosa do dicionário, não é? E depois uma palavra que rima com pífaro, o que também é fascinante.

Mas, ok. Tudo isso eu consegui ultrapassar, depois de ter visto pela primeira vez, há uns meses, aquele magnífico nome no paredão do Estoril. Ontem, no meio de um calor insuportável e de uma sede de quem está há cinco dias a caminhar no deserto, resolvi parar. Eu sei que todos os Deuses me alertavam para a desgraça: o nome irritante, a decoração arrivista, o facto de ser fim-de-semana no paredão do Estoril e de eu estar no meio de milhares de pessoas... Mas não resisti. Afinal, só queria beber uma Coca-cola na esplanada com vista para o mar. E nem precisava de mesa nem nada. Era só uma cadeira, pagava logo quando pedisse e ia-me embora sem chatear ninguém. Às 17h, quando já não há clientes a almoçar, não ia ser difícil, pois não? Ia, ia. No Opíparo, ia. E foi.

- Não temos mesa. Nem vamos ter tão cedo.

- Eu sei, eu sei. Mas eu só quero beber uma Coca-cola. Pago já e puxo uma cadeira para me sentar. Há imenso espaço vazio, não deve haver problema, não...

- O patrão não costuma gostar disso.

- Mas não se importa de lhe perguntar? Eu pago já...

[Aparece um homem com um ar ainda mais antipático do que o anterior]

- Lá fora não há cadeiras. Se você levar uma cadeira cá de dentro...

[Mas porque é que continua a haver empregados que insistem em tratar os clientes por você?]

- Ok, não tem problema. São duas Coca-colas com gelo e limão, então. Eu levo esta cadeira aqui.

[Cinco minutos depois, aparece o mesmo homem do ar mais antipático do que o anterior]

- Você assim não vai ser atendido!

[Você-2; Eu-0]

- Desculpe?

- Sem mesa, não pode ser servido. Não temos onde registar o seu pedido.

- Ai não posso ser servido...

[...e quando tudo se preparava para uma enorme discussão aos gritos...]

- ...então muito obrigado, boa tarde.

 

E saí. Alguma coisa me diz que não é para voltar.

Afinal, o nome até tem uma justificação: é a cara do restaurante, desde as ordens do patrão até à antipatia dos empregados. Só a vista é que é uma pena: é mesmo deslumbrante.

Uma boa opiparada para si, onde quer que esteja,

Ele

bolo do caco hamburgueria gourmet II

 

Já lá estivemos, já lá comemos e até já escrevemos sobre ele. Então porquê voltar ao assunto? Começa a faltar temas, é? A crise atirou-nos para o sofá de casa? Calma... não tire já conclusões precipitadas. Volte lá a olhar para o título. Não vê um "II"? Exactamente, estamos aqui para lhe dar uma novidade bem fresquinha, acabadinha de sair. Depois do sucesso do Bolo do Caco Hamburgueria Gourmet de Oeiras (de facto, é difícil encontrar um restaurante mais cheio desde que o FMI aterrou no aeroporto da Portela), agora vai abrir o Bolo do Caco Hamburgueria Gourmet do Monte Estoril. E quem diz agora, diz dia 5 de Fevereiro. Está interessado? Então aqui ficam mais informações: tudo isto se passará na Avenida Sabóia, 515 C e para marcar, pode ligar o 21 467 20 60. Chega de novidades? Não chega, não. A ementa terá dois pratos novos: o Dragon Burger (com caril, tikka massala e chutney de manga) e o Sabóia Burger (com camarão e ovas de lumpo). Enquanto não vamos lá experimentar tudo isto incógnitos, fica aqui a crítica mistério que fizemos ao restaurante de Oeiras:  

http://casalmisterio.blogs.sapo.pt/5606.html

 

Até lá vá abrindo o apetite,

Ele

boulan – tea room and gourmet corner, um dos segredos mais bem guardados do monte estoril

Está a ver o Mimosa, uma pastelaria muito conhecida no coração do Monte Estoril? Vá até lá, mas entre no portão ao lado, no número 4 da Avenida do Lago, onde se esconde uma casa de chá chamada Boulan: um dos meus sítios preferidos, na linha de Cascais, para um brunch tardio ao fim de semana ou um lanche quente nestes dias de chuva e frio. Aberto das 8h30 às 19h00, serve refeições light (um incentivo para quem como eu vive a começar uma dieta amanhã) e não só... E o problema começa exatamente no “não só”. Mal entro e me deparo com o menu escrito a giz numa ardósia numa das paredes da sala, começa a água a crescer-me na boca, o coração a bater mais depressa, e pronto, esqueço-me rapidamente das minhas boas intenções e sigo o meu instinto animalesco: “Queria, se faz favor, uma dose de scones com todas as compotas (para ir variando) e manteiga (para não enjoar), uma fatia de bolo de chocolate… ah, e um chá (para não engordar!)”

O brunch 

Servido aos sábados, domingos e feriados entre as 11h e as 15h30, inclui oeuf à la coque, iogurte natural com granola, seleção de queijos, presunto, fiambre e salmão fumado, alfaces variadas, seleção de dois pães e um croissant, sumo natural de fruta, bebida quente e escolha de 2 compotas, marmelada e manteiga. Tudo fresco e bom, por 15 euros, por pessoa.

Se não for alarve como eu, pode sempre optar pelo continental, por 8 euros. E se for obcecado pelo físico como a Carolina Patrocínio, tem o Bio à sua disposição: com uma seleção de cereais com granola, um sumo natural, pão escuro, um queijo fresco ou fiambre de frango, e claro, salada. Esta opção light custa-lhe 9,5 euros.

O almoço 

Aqui é mais fácil resistir às tentações, porque a oferta light é boa, variada e com ótimo aspeto. E, por isso mesmo, enche o olho e o estômago: desde sopas aveludadas, a wraps das mais variadas cores e feitios, quiches, empadas, sandwiches e deliciosas saladas, garanto-lhe que não fica com fome. Pessoalmente, peço sempre o wrap de salmão com queijo filadélfia que vem com uma ótima salada e enche-me as medidas.

O lanche  

Aqui é que a porca torce o rabo. É onde me desgraço. Porque o difícil é escolher entre a imensa oferta de chás e os apetitosos scones com as mais diversas compotas, e os bolos caseiros ou os sumos naturais. Os scones, a tarte de lima com framboesas e o bolo de chocolate fazem-nos esquecer que temos uma balança em casa.

O serviço

Simpático mas ligeiramente demorado, já que sempre que lá vamos, estão apenas duas pessoas: uma na cozinha, a outra sozinha a servir na sala. Mas se não tiver pressa, nem dá pelo tempo de espera… e a espera compensa.

O ambiente  

A esplanada é simpática, cuidada e bem decorada. Lá dentro, o ambiente é agradável se não optar pela varanda com vista para os courts de ténis do Clube do Lago, onde se pode fumar. A decoração é moderna e arejada. Tão arejada que, no inverno, trememos de frio. Um conselho: leve casaco porque não vai conseguir tirá-lo. 

No final, quando for a hora de pagar, fique sentado à mesa e não se dirija ao balcão, porque senão a sua conta vai inevitavelmente inchar. Eu estou a avisar: tenha cuidado e não ceda à tentação, porque é impossível resistir ao “gourmet corner” do Boulan, situado precisamente ao lado da caixa registradora. As latas de chá (Mariage Frère, Kusmi Tea) são lindas de morrer, as bolachas e os biscoitos caseiros (Casa Fina) de chorar por mais, os aperitivos salgados (Cottage Delight) uma tentação, as compotas (Quinta do Freixo) uma loucura, e os chocolates (Valrhona) ou o foie gras (Fauchon) de perder a cabeça. 

No regresso a casa, um último conselho: esconda a balança!

 

Um ótimo lanche,

Ela