Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

quer uma surpresa original para o dia do pai? 5 brunches espetaculares para ir em família (entre €6 e €25)

17022169_1931434537075551_6520839167810554638_n.jp

Este ano o Dia do Pai calha a um domingo (que bom!) e já se sabe, domingo para a Família Mistério é sinónimo de brunch. Confesse lá: há melhor programa do que celebrar em família uma data tão especial do que à volta de uma mesa recheada de tentações deliciosas, sem pressas? Bem me parecia. Por isso aqui ficam cinco sugestões de brunchs para o Dia do Pai: 2 no Porto e 3 em Lisboa.

 

novidade! novidade! abriu um hotel no largo do intendente com um restaurante irresistível

4F9A6833.jpg

Chama-se 1908 Lisboa Hotel, tem quatro estrelas e não vou descansar enquanto não for lá jantar e dormir uma noite, ouviste meu querido Marido Mistério? Eu sei que somos de Lisboa, mas não há nada melhor do que variar de cenário de vez em quando, não concordas? Eu sabia que sim…

4F9A7123.jpg

 

 

gioia food lab, o novo restaurante onde quase toda a comida é biológica, sem glúten ou sem trigo

Captura de ecrã 2017-03-07, às 18.13.44.png

Os ingredientes são preferencialmente biológicos, não há açúcares refinados nem farinhas de trigo, o glúten é evitado e até a água "é filtrada e depois energizada ao ponto de se tornar antioxidante, mais alcalina e muito mais amiga do seu corpo". Eu sei, parece a carta de apresentação da Clínica do Tempo, mas não se assuste. É o Gioia Food Lab, o novo restaurante de comida saudável (e, já agora, deliciosa, o que também ajuda) de Lisboa. 

Antes que me confunda com a Ágata Roquette, deixe-me esclarecer o seguinte: eu também fiquei assustado com a conversa da água energizada, antioxidante e alcalina. Mas não há razões para isso. Apesar deste susto inicial, o Gioia está longe de ser um restaurante fundamentalista: prefere ingredientes biológicos; se não houver, usa não-biológicos.

 

 

novidade! novidade! o chef kiko abre um novo restaurante no mercado da ribeira

17310112_1831192483798853_3531574508948642980_o.jp

O homem não pára. Depois do Talho, depois da Cevicheria, depois do Asiático e depois de ter protagonizado um duelo de sobremesas com uma avó para este vosso Casal Mistério (veja aqui), Kiko Martins abre um novo restaurante, a 15 de Março, no Mercado da Ribeira, em Lisboa.

Chama-se O Surf & Turf (eu sei, o artigo definido não joga muito bem, mas é o que se arranja) e vai ter uma zona com lugares exclusivos, o que, no Mercado da Ribeira, é cada vez mais um bem tão essencial quanto a água no deserto do Atacama. O restaurante fica no corredor lateral do mercado e terá um espaço próprio, com lugares sentados ao balcão, e uma esplanada exclusiva para o exterior, bem longe da confusão da zona central.

15442137_1043967195730836_3540679498297487476_n.jp

 

 

será que este é o restaurante com a melhor vista de lisboa?

11703108_524344034379789_981083679001987912_n.jpg

Estou orgulhoso de mim mesmo (já que mais ninguém está, pelo menos resta-me o auto-orgulho): consegui resistir estoicamente a mais um ano sem jantar fora no Dia dos Namorados. É verdade: sou um ferveroso adepto do não-jantar de Dia dos Namorados. Não aguento aquele ambiente de noivas de Santo António em que todos os empregados dos restaurantes olham para si a contabilizar quantas vezes é que dá a mão durante a refeição.

E por isso é que estou aqui hoje com uma maravilhosa sugestão para o jantar de Dia Seguinte ao Dia dos Namorados. Ou quinta-feira seguinte. Ou fim-de-semana seguinte. É indiferente a data. O importante é aproveitar aquela que é uma das mais deslumbrantes vistas de Lisboa para um jantar romântico e sossegado sem balões cor-de-rosa pendurados nos tectos nem corações de papel espalhados pelas mesas.

 

o que fazer no dia dos namorados: 5 programas originais para fugir ao jantarinho do costume

12491803_1132475050109703_5585097812382126342_o.jp

Essa data fundamental no calendário internacional está a chegar e nós não a podemos deixar passar em branco. Primeiro conselho: fuja dos restaurantes como o Diabo da cruz. O dia 14 de fevereiro é sinónimo de restaurantes a abarrotar, ementas fixas, serviço péssimo, corações nas mesas, decorações kitsch, namorados a olhar para os telemóveis, enfim, um filme de terror. Por isso, ou prepara um tête-à-tête em casa, fazendo uma receita especial que encontre no blog deste seu casal amigo, ou se quiser mesmo surpreender o amor da sua vida, a paixão dos seus dias, a luz dos seus olhos, espreite uma destas sugestões. Ainda vai a tempo de ganhar alguns pontos na sua relação…

 

adivinhe quanto tempo esperámos para provar uma tapioca da rita pereira

15621795_352885301756835_5435533766185620018_n.jpg

Quando alguém me falava de tapioca eu lembrava-me sempre dos maravilhosos pequenos-almoços que experimentámos em Trancoso, no Brasil, com esta espécie de crepe fininho e crocante recheado com as melhores maravilhas que a Natureza já produziu: fruta fresca acabada de apanhar, goiabada divinal ou um queijo coalho único. No entanto, as minhas fabulosas memórias gastronómicas foram esmagadas, em Dezembro passado, por uma espera de 43 longos minutos a olhar para uma fotografia da Rita Pereira sorridente, numa televisão.

Eu confesso que tenho uma enorme simpatia pelo talento e pelo sorriso contagiante da Rita Pereira, mas 43 minutos a olhar para uma fotografia sua enquanto esperava por uma tapioca é um pouco demais – até para um fã incondicional.

 

o melhor prato que já provámos este ano: as divinais cornucópias caramelizadas com recheio de sapateira, do rabo d'pêxe

14046158_2116138555278856_1640324658781691690_n.jp

Não há nada melhor do que começar o ano com uma surpresa destas. E quando digo "destas" estou a falar de umas divinais cornucópias de sésamo com sapateira e maionese de kimchi. Eu sei que devia guardar o melhor prato para o meio do texto e assim criar suspense, mas isto não é um filme do Hitchcock – é o novo restaurante do chef Paulo Morais. E este é um dos melhores pratos que provámos recentemente. 

Trata-se de uns cones crocantes feitos com sementes de sésamo e levemente caramelizados. A bolacha é muitíssimo leve e ligeiramente doce, o que contrasta na perfeição com o recheio: uma pasta fabulosa de miolo de sapateira que ainda leva no topo um bocadinho de maionese de kimchi. A mistura do adocicado meio caramelo dos cones com o sabor a mar da pasta de sapateira é das melhores coisas que comi este ano (eu sei que o ano só começou há 11 dias, mas eu garanto-lhe que já comi muito). E o toque exótico da maionese de kimchi deixa-lhe uma vontade imensa de repetir esta entrada.

Agora que já desabafei, aqui vai o contexto: este prato é a estrela da ementa do Rabo d'Pêxe, um restaurante que abriu no final de 2015, em Lisboa, e onde eu já fui almoçar (veja aqui), mas que, desde o Verão, tem uma nova ementa e um novo chef: Paulo Morais, ex-Penha Longa, ex-Bica do Sapato, ex-QB e ex-Umai. E uma dessas novidades são estas fabulosas cornucópias que tem mesmo de provar. Mas há mais...

 

10 novos restaurantes que temos mesmo de experimentar em 2017

14939539_1221708187888782_4433250787559154918_o.jp

É a minha mais inflexível resolução de Ano Novo. No primeiro domingo do ano, a Família Mistério reúne-se no mais cerimonioso conselho familiar para debater o assunto mais importante do ano: quais as prioridades para os próximos 12 meses. Como já pode seguramente desconfiar, cá em casa as prioridades são os mais urgentes restaurantes a visitar. Aqueles que nos deixam de Oceano Atlântico na boca só de ler a primeira breve descrição. E em 2017 há maravilhosos motivos para nos fazer pegar já nos talheres. Estas são as nossas prioridades para o Ano Novo.

 

este texto é essencial para o seu natal e passagem de ano: estamos a falar da melhor loja de queijos do país!

15350594_805045146302490_737354196595345993_n.jpg

Hoje não vale a pena falar de restaurantes nem de hotéis. Nem de receitas ou pratos elaborados. Faltam menos de 24 horas para a véspera de Natal e já não há tempo para jantares fora nem para fins-de-semana tranquilos. As poucas horas que nos restam são para tratar daquele que para mim é um dos momentos mais importantes de qualquer jantar: a hora do queijo.

Aquele momento em que molhamos a colher no recheio amanteigado de um Queijo da Serra, ou que desfazemos em lascas um fabuloso Parmesão, ou que derretemos no forno um extraordinário Camembert com frutas secas e nozes.

Apetece, não apetece? Eu calculei… E é por isso que me tornei um peregrino da Queijaria, em Lisboa. Desde que descobri esta fabulosa loja especializada em queijos artesanais (foi aqui, nos idos de 2014) que não consigo dar um jantar em casa sem lá ir antes abastecer-me de maravilhosos exemplares: desde um forte e intenso Blue Cheese a uma cremosa e suave Burrata.

 

croquetes com crosta de amendoim, picapau, amêijoas e gambas ao sal: onde comer os melhores petiscos

O mundo parou na semana passada para conhecer as novas estrelas Michelin do país. Nós paramos hoje para conhecer os melhores petiscos para acompanhar uma cervejinha bem gelada. As estrelas Michelin são uma maravilha, mas fim-de-semana alargado que se preze exige um bom petisco com uma imperial ao lado. E quando falamos de petiscos não podemos evidentemente deixar de falar de croquetes, de picapau, de amêijoas ou de gambas. Daqueles petiscos que nos deixam a boca a aguar como se fosse as cataratas do Niagara.

 

Os Croquetes com Crosta de Amendoim, da Tasca da Esquina, em Lisboa

Tasca da Esquina - Croquetes 2.jpg

Se um croquete satisfaz muita gente, um croquete com crosta de amendoim satisfaz muito mais. Esta divinal criação do mundo da croqueteria é uma invenção da fantástica Tasca da Esquina, em Lisboa, e é também uma das 73 fabulosas receitas do primeiro livro do Casal Mistério (que encontra aqui).

Os croquetes da Tasca da Esquina são um dos petiscos que fazem parte do couvert, juntamente com um bom pão saloio, um paté de salmão, espadarte e atum com um forte sabor a mar, umas azeitonas tenrinhas e temperadas com orégãos e um fantástico queijo de entorna que é aquele queijo pequenino alentejano muitíssimo saboroso e amanteigado.

Mas o que nos traz aqui hoje são os divinais croquetes. Feitos com um recheio hiperleve, que quase parece um creme, levam uma crosta de amendoim crocante que é qualquer coisa do outro planeta. O recheio leva chouriço, carne de vaca, vinho branco e uma pitada de colorau – tudo na medida certa, leve, desfiado e tão cremoso que quase se desfaz na boca. O exterior mistura o pão ralado com o amendoim picado, o que torna a crosta ainda mais crocante e saborosa. Com uma boa mostarda a acompanhar são irresistíveis.

 

 

loco, um restaurante michelin onde lhe trazem uma frigideira com molho de bife para molhar o pão

Captura de ecrã 2016-11-25, às 16.24.28.png

Quando o telefone tocou, percebi definitivamente o perigo desta vida dupla que levamos:

– Estou? Temos um problema. Já chegámos ao restaurante e afinal, não temos mesa marcada!

A voz de pânico do casal de amigos que ia jantar connosco ao Loco, o novíssimo restaurante do chef Alexandre Silva, acabadinho de ser premiado com uma estrela Michelin, deixou-me à beira da apoplexia.

– Como não?! Ainda hoje me ligaram do restaurante a confirmar a reserva.

– Nada! Já dei o teu nome, já dei o nome da... (lamento, mas não posso reproduzir o nome) e nada.

Foi neste momento que uma luz desceu do céu para me iluminar.

– Ah… pois… A reserva deve estar noutro nome.

De facto, a ideia inicial era um jantar a dois. E, por isso, resolvi fazer a reserva num nome falso para não levantar suspeitas. Até aqui, brilhante. O problema foi ter deixado os nossos amigos chegarem antes de nós e perceberem que eu marco mesas em nome de Ermengardo Afonso.

 

já alguma vez imaginou jantar numa colorida cabana de pescadores, no centro de lisboa? então tem de conhecer o isco

13096271_1188802894493715_3066019097205778780_n.jp

Primeiro, um aviso: se tem mais de um metro e setenta, pense duas vezes antes de se sentar num destes banquinhos castiços à frente de uma destas mesas de escola primária; se for o Luís Marques Mendes, então seja bem-vindo ao Isco, este restaurante foi feito a pensar em si. 

Agora, vou desfazer um dos grandes mistérios que acompanharam a sua vida ao longo dos últimos três anos: infelizmente, eu não sou o Luís Marques Mendes e por isso passei todo o jantar a tentar encontrar um sítio onde arrumar confortavelmente as minhas pernas de Cristiano Ronaldo. Levantei as pernas, estiquei as pernas, encolhi as pernas e não consegui encontrar uma única posição adequada ao meu alto e espadaúdo metro e oitenta e quatro.

Não se pode dizer por isso que tenha tido uma refeição extraordinariamente confortável. Em compensação, pode dizer-se com toda a segurança que tive uma refeição deliciosa de peixe e marisco que me custou menos de 30 euros.

Mas antes da comida, vamos às cadeiras.

 

um brunch com ovos mexidos, croissant e um delicioso salame com frutos secos só por €6,80? bem-vindo ao brick café

1012400_585465974892565_9122848844667453504_n (1).

Acenar-me com uma factura de €6,80 é o mesmo que pôr uma câmara de televisão à frente do Donald Trump – fico fora de mim com tanto entusiasmo. E então se essa factura for para pagar um brunch com uns fabulosos cubos de salame recheados com bolacha e frutos secos, estou pronto para me atirar de cabeça das Cataratas do Niagara (é pena o Trump não alinhar nesta aventura, também...).

Como já pode ter percebido, isto tudo é uma deixa mal conseguida para lhe falar do brunch do Brick Café, em Lisboa, uma das mais felizes e românticas relações qualidade-preço que a cidade já viu.

 

os deliciosos petiscos e a looooonga espera para jantar no novo bairro do avillez em lisboa

14184529_10154084230878439_7400102626609647171_n.j

Duas horas é o tempo que um aluno do ensino secundário demora a fazer um exame nacional de Latim.

Duas horas é o tempo de duração de um jogo de curling (se tudo correr bem, claro!).

Em duas horas, é possível celebrar dois casamentos, dá para jogar uma partida e meia de râguebi, consegue-se ir de Lisboa ao Algarve de carro.

Em duas horas, pode embarcar num avião no Porto e sair em Paris para comprar uns deliciosos queijos num mercado francês.

Mas, em duas horas, eu e a minha querida Mulher Mistério não nos conseguimos sentar numa mesa para quatro pessoas, numa sexta-feira à noite, na Taberna, do Bairro do Avillez, em Lisboa. Em bom rigor, demorámos duas horas e quatro minutos desde que chegámos com um casal amigo até que nos sentámos no novíssimo restaurante da moda em Lisboa.

O novo espaço de José Avillez é um projecto claramente ambicioso demais para quem quer manter um serviço minimamente adequado ao século XXI. E esse é o maior problema do Bairro do Avillez – porque a nível da comida ou da decoração o restaurante é uma maravilha.