Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

3 presentes completamente originais para o dia da mãe

eb2455813613340d25c6c0b5b65a4d2da3359042.jpg

Não me diga que se preparava para oferecer outra vez o raminho de flores do costume. Ou o livrinho sugerido, em desespero de causa, pelo empregado da livraria. Ou a caixinha de bombons comprada, à última hora, na bomba de gasolina a caminho de casa da sua mãe. (Sim, os diminutivos são para denegrir os presentes habituais de Dia da Mãe e não consequência de uma "inhite" aguda que acabou de me atingir).

Basicamente, eu sou adepto dos presentes caprichados, demoradamente ponderados e preparados. Mesmo que, no fim, Ela nunca use aquilo na sua vida, pelo menos não se vai esquecer tão cedo do que recebeu.

Este ano, depois de muito pesquisar, esta é o meu top de presentes para o Dia da Mãe. São os mais originais e criativos que encontrei. E que gostaria de dar à senhora, minha progenitora, e à senhora, progenitora dos meus mini-misteriosos.

 

 

rio maravilha, o restaurante mais surpreendente de lisboa

11232274_934339929935405_4045029311201234329_n.jpg

O estilo Mike Tyson de Diogo Noronha pode não ser a imagem tradicional de um chef em Portugal, mas convém que não se deixe distrair pelos braços cheios de tatuagens do responsável do Rio Maravilha. O novíssimo espaço, que abriu há poucas semanas no LXFactory, em Lisboa, consegue juntar no mesmo local um restaurante fantástico, um bar animado e uma vista deslumbrante.

 

o genial hino da selecção feito pela rádio comercial

Era tudo o que faltava para animar um país que se agarrou ao joelho mal soube que Ronaldo tinha uma tendinose rotuliana (não havia mesmo problema físico com um nome mais sinistro, pois não?). Vasco Palmeirim escreveu alguns dos melhores versos sobre a selecção desde que o Esteves cantou "Deixem-se de tretas, força nas canetas que o maior é Portugal". Ricardo Araújo Pereira cantou, Nuno Markl deslumbrou e toda a equipa da Rádio Comercial gravou a música mais genial dos últimos tempos.

Quem mais é que seria capaz de escrever um verso como este:

O país não tem receio/

tem um míster com risca ao meio./

Quem vai dar tudo por tudo/

é o médio mais barbudo./

A selecção tem o melhor ambiente/

tira selfies com o Presidente.

Ou este:

Um só objectivo/

não queremos brincadeira/

Vamos limpar tudo/

depilação à brasileira./

Estados Unidos, Gana e Alemanha/

Até os comemos com feijão e picanha.

Ou ainda este:

Não ligamos a novelas/

Não vamos em carnavais/

Não dançamos o samba/

Não queremos ver fios dentais.

 

Eu sei que não é nenhuma sugestão culinária nem o próximo destino de sonho. Mas, como falava de feijão e picanha, achei que valia a pena partilhar. Ouça, cante e embrulhe-se na bandeira: o Mundial começa já na quinta-feira.

 

 

Boa sorte ao médio mais barbudo e ao míster de risca ao meio, onde quer que eles estejam,

Ele

será que john lennon imaginou a sua música assim?

É provavelmente a música sobre a paz mais reconhecida em todo o mundo. E, na minha modesta opinião, é também a mais bonita. Em homenagem aos 50 anos dos Beatles, o ilustrador mexicano Pablo Stanley pegou na letra de John Lennon mais cantada em todo o planeta e fez a banda desenhada mais genial e partilhada dos últimos tempos. O resultado é este: 

  

E já tem uma versão no you tube:

 

 

 

Não deixe de espreitar o site de Pablo Stanley.

Um ótimo fim de semana,

Ela

as torradeiras e as maneiras estúpidas de morrer

 

Confesse lá: nunca tirou com um garfo aquela torrada irritante que ficou presa à torradeira? Nunca se engasgou com um bocado de comida porque se estava a rir enquanto engolia? Nunca atravessou a linha do comboio fora da passagem de nível? Provavelmente, não. Mas muitos milhares de pessoas morrem todos os anos em todo o mundo das formas mais estúpidas. E eu, que já vi uma torradeira a arder cá em casa, costumo ter algum cuidado com aquelas-coisas-que-evidentemente-nós-não-vamos-fazer-mas-toda-a-gente-faz. E é por isso que, hoje, dia de Carnaval, resolvi relembrar aqui esta sarcástica e divertida campanha da Metro Trains, a companhia ferroviária de Melbourne, na Austrália. Não é propriamente a sugestão de um novo restaurante. Mas foi a sugestão do meu filho do meio que descobriu agora este vídeo e que cada vez mais se preocupa com os irmãos mais novos. É útil para os miúdos - e não só.

 

Um bom Carnaval para si, longe das torradeiras,
Ele

ganhe bilhetes para o concerto dos xutos com o vinho dos xutos

Um vinho com nome de banda? Uma banda com nome de vinho? Não é natural. O que é natural e fica bem é cada um usar o cabelo com que nasceu... Peço desculpa, perdi-me, não queria falar do restaurador Olex; queria falar do vinho Xutos&Pontapés - que, apesar de não ser natural, é um vinho da Casa Agrícola Alexandre Relvas, a mesma que produz o Herdade de São Miguel. E porque é que se lembra o meu amigo mistério de falar da Casa Agrícola Alexandre Relvas a uma hora destas, pergunta o taxista lá do fundo: por acaso, os Xutos&Pontapés vão apoiar o Cavaco Silva para um terceiro mandato em Belém? O mundo está louco, mas ainda não chegou a tanto. Não senhor. A propósito do concerto dos Xutos, no próximo dia 8 de Março, no Meo Arena, a CAAR (vamos lá parar de repetir o nome do Alexandre Relvas, senão a Comissão Nacional de Eleições ainda interdita o blog do Casal Mistério...) está a oferecer, em parceria com a Sapo Sabores, cinco bilhetes duplos para o espectáculo.

Para concorrer, basta ir ao Sapo Sabores e responder a uma pergunta sobre o vinho dos Xutos; ou então ir à página do Facebook da CAAR e enviar uma fotografia original e criativa e coiso e tal. Para saber mais pormenores, despache-se, vá até qualquer um destes sites, leia as instruções com atenção e concorra até dia 24 de Fevereiro. Para ir ver o João Cabeleira a suar pela Bastet, vale a pena fazer qualquer coisa. Eu estou nisto - mas discretamente, para não ser descoberto.

Um "tchau, bacano" para si, onde quer que esteja,

Ele