Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

há mais novidades no mercado da vila em cascais

1075856_528725360578056_712508530_n.jpg

Hoje temos uma boa e uma má notícia. Ou uma má e uma boa notícia, como preferir.

Só precisa de dizer: qual quer ouvir primeiro?

Então, não diz nada?

Foi o que eu pensei, emudeceu com o choque: uma má notícia para o Casal Mistério é uma hecatombe para a humanidade gastronómica. Mais ou menos.

Vamos então começar pela tragédia alimentosa. O Gulli fechou. É assim mesmo. De repente. Como se fosse uma pancada seca. Para doer menos. Ouviu bem. O Gulli fechou. E com ele uma das mais espantásticas esplanadas da Estremadura lusitana. 

 

 

onde almoçar com esta chuva? na carpacceria do mercado de campo de ourique (uma refeição só de carpaccios)

1901281_288889947928317_1869584713_n.jpg

E aos 13 dias do 10º mês do ano da graça de 2014, somos obrigados a reconhecer: acabou o Verão – que, este ano, nunca chegou a começar. Perante esta pequena hecatombe atmosférica, há que fazer duas coisas:

1º) Tirar os Kispos da naftalina;

2º) Descobrir um sítio onde almoçar decentemente sem me afogar na chuva (como o meu Kispo está sempre pronto a ser usado, mesmo ao lado da minha caixa de Bombocas e das minhas pastilhas Gorila, passei directamente para este ponto).

E a solução está... aqui: chama-se Contessa e é uma magnífica carpacceria no Mercado de Campo de Ourique.

 

 

novidade de última hora! acabou de abrir o novo páteo do petisco no mercado de cascais

Este fim-de-semana fomos a Cascais para fugir das cheias, das trovoadas e das campanhas eleitorais e experimentar o novo restaurante Hamburgueria do Bairro, acabadinho de inaugurar. E chegámos à conclusão que uma família numerosa não pode sair de casa sem tropeçar em resmas de novos espaços por todo o lado. Então Cascais está a transformar-se numa verdadeira Disneylândia para os mais sérios concorrentes do Biggest Loser: em cada esquina está uma nova oportunidade para ganhar peso e comer bem.

 

 

novidade! novidade! o novo restaurante de bruschettas e saladas do mercado de cascais

Antes de começarmos, uma pergunta fácil:

- Achou graça à Gaiola Dourada, não achou? À casa da Rita Blanco, com o napron de renda em cima da televisão e o galo de Barcelos no centro da mesa de jantar?

Então também vai achar graça a este novo restaurante, que abriu há umas semanas no Mercado da Vila, em Cascais. Aqui há galos de Barcelos, louças das Caldas, pratos em forma de coração, azulejos nas paredes e tudo o que poderia caber em casa do Roberto Leal. O espaço é tão kitsh que se torna engraçado. É como jantar no meio da Gaiola Dourada, entre a Rita Blanco e o Joaquim de Almeida. Além disso, a comida é boa.

 

 

novidade! novidade! agora pode comer o melhor marisco no mercado de cascais

Mal chegámos de férias, enfiámo-nos no carro e fomos directos a Cascais. Não para visitar o Ricardo Salgado nem para abrir uma conta no Banco Mau. Fomos conhecer o novo restaurante de marisco do momento. Aberto há poucas semanas, o Marisco na Praça é a primeira boa notícia da remodelação do Mercado da Vila, que a Câmara de Cascais tem feito no último ano à mesma velocidade que o Banco de Portugal investiga o BES.

Eu sei: podia ser mais rápido. Eu sei: o novo restaurante podia ser mais divulgado. Eu sei: até podia ter uma página no Facebook, já que estamos no ano da graça de 2014. Mas também sei outra coisa: este novo spot é uma óptima notícia para o Verão. E tem três qualidades difíceis de encontrar: bom marisco, bom ambiente e bons preços.

 

A ementa 

O método

Na verdade, não há bem uma ementa. O restaurante funciona como se fosse um mercado. Localizado na zona onde as peixeiras da praça têm as suas bancas, está cuidadosamente rodeado de vidro para reduzir o barulho e o cheiro à volta. Mal entra, encontra uma banca com o marisco do dia e os preços ao quilo. Tem um rapaz a atendê-lo e é a ele que diz quanto quer de cada marisco e como o quer cozinhado. Depois ele pesa à sua frente e manda o marisco para a cozinha. Enquanto isso, o cliente segue em frente até à caixa, onde paga o marisco que pediu e as bebidas. E aqui decide: quer comer ali ou quer levar para casa? Se quiser ir embora, adeus e boa viagem. Se quiser ficar, aproveite que isto é bom. Depois de escolher onde se quer sentar, os empregados servem-no como se estivesse num restaurante normal. Trazem-lhe mais bebidas e mais comida, se quiser. Tudo o que pedir na mesa paga no fim.

O marisco

Mas, vamos voltar ao princípio. Então, o que é que há na banca do marisco à nossa espera? Bruxas de Cascais, perceves, amêijoas, ostras, canilhas, camarões, carabineiros, sapateira e a mais agradável de todas as surpresas: lambujinhas. Eu sei que o nome não é digno de um sítio onde viveram reis, príncipes e banqueiros. Mas posso garantir que é um marisco maravilhoso. Considerada a segunda divisão distrital da amêijoa, a lambujinha é muitíssimo saborosa e muito mais barata. Com uma concha mais frágil e menos côncava, vale mesmo a pena experimentar. Nós pedimos lambujinhas à Bulhão Pato e estavam deliciosas.

A seguir, escolhemos umas ostras, que estavam fresquíssimas, ao nível das de Cacela Velha, se bem que mais caras (2 euros a ostra), e umas deliciosas bruxas de Cascais. Este marisco, muito difícil de encontrar, é um irmão anão do cavaco – não o Presidente da República, o marisco dos Açores. Muitíssimo saboroso e bem cozido, é caro. Mas como é muito pequeno, com 200 gramas (16 euros) tem um óptimo prato para dividir.

Finalmente, escolhemos um camarão frito com um magnífico arroz de alho (solto e delicioso) e uns perceves, a única desilusão da noite – estavam muito salgados e cozidos demais: ao tirar a casca, o marisco soltava-se da cabeça.

Por tudo isto, pagámos menos de 25 euros por pessoa. O preço pode baixar até aos 15 euros por pessoa se optar, por exemplo, por uma sapateira.

 

A cerveja

Há muito tempo que não bebia uma imperial tão estupidamente gelada. Para dias de calor a seguir à praia, é perfeito.

 

O ambiente 

O ideal é ir cedo, a seguir à praia. Assim faz um lanche ajantarado e evita as enchentes. Parece que à sexta e sábado costuma estar cheio, mas ao domingo está vazio.

A decoração é simples e castiça, com candeeiros em ferro, mesas em madeira e caixas de vinho com os talheres lá dentro. A cozinha está também rodeada de vidro, o que nos permite ver tudo à nossa volta: de um lado, o chef a tratar do jantar; do outros, as peixeiras a tratarem do peixe. É o ambiente perfeito para um restaurante num mercado. E ainda tem uma pequena esplanada que dá para a área exterior do mercado.

O serviço 

São miúdos. E isso tem vantagens: são simpáticos, rápidos e disponíveis. E desvantagens: quando perguntei se tinha lapas, respondeu-me que não tinha cracas. Apesar da baralhação, correu tudo muito bem. É claramente um sítio para voltar. E parece que, durante o Verão, ainda vão abrir mais restaurantes no Mercado da Vila. Um dos que mais promete é um espaço explorado pelos donos do Páteo do Petisco. A remodelação demora, mas promete.

O bom 

O sítio, mesmo no meio do mercado do peixe

O mau 

Os perceves

O óptimo 

As ostras, as bruxas e as lambujinhas

 

Boas mariscadas para si onde quer que esteja,

Ele

sábado é o dia nacional do gin tónico e vai haver descontos em todo o país

No domingo, Portugal entra em campo para defrontar os Estados Unidos no Mundial – e, na véspera, nós comemoramos. Como é que é?! Começa a loucura casaleira: comemoram na véspera do jogo?! Sim, senhor. Mas não é por qualquer receio infundado de que Portugal não consiga derrotar um país que começou a jogar futebol já depois de o Pequeno Saul ter aprendido a andar de bicicleta. Não, senhor. Nós comemoramos de véspera porque sábado é o Dia Nacional do Gin Tónico. E faça favor de se levantar da cadeira quando falamos de uma solenidade desta magnitude.

Graças a essa autêntica instituição da República que já é a Gin Lovers, no sábado haverá celebrações de copo na mão por todo o País. E nem sequer o farão passar por esse suplício que é ouvir um discurso de meia hora do Presidente da República. Este é um Dia Nacional como deve ser: com bebidas a preços reduzidos, restaurantes com pratos especiais e um mega-mercado exclusivamente dedicado e esses dois heróis globais: o gin e a água tónica.

Feita a introdução, vamos aos detalhes mais interessantes. Primeiro, o mercado. Entre as 13h e as 18h, decorrerá no Vestigius Wine & Gin, no Cais do Sodré, em Lisboa, uma feira onde pode comprar gins, águas tónicas, folhas e especiarias, copos, utensílios e outras coisas absolutamente essenciais para quem gosta de gin. Em parceria com a garrafeira Delidelux, haverá ainda promoções.

Mas este não é o único motivo para ir ao Vestigius Wine & Gin no sábado. Entre as 13h e as 23h, terá vários gins premium à venda no bar com 50% de desconto.

Se no fim-de-semana não estiver por Lisboa, consulte a lista de restaurantes, bares lojas e garrafeiras de todo o país que aderiram a este dia emblemático (não se percebe porque é que ainda não é feriado...) com descontos especiais. Poderá também procurar quais os chefs que vão preparar pratos especiais inspirados no gin para celebrar a data: do Marmòris de Vila Viçosa ao Porto Palácio, passando pelo Can the Can ou o Eleven, haverá muita escolha.

E se nada disto for suficiente para si, então carregue aqui e veja a lista dos 54 espaços, espalhados por 12 distritos, que aderiram ao Dia Nacional do Gin Tónico. E não aderiram só com bandeirinhas e cartazes, aderiram com descontos a sério que vão até dois gins pelo preço de um.

Agora confesse lá: no 10 de Junho não tivemos nada disto...

Um feliz Dia Nacional do Gin Tónico para si onde quer que esteja,

Ele

o melhor sítio para comprar sardinhas em lisboa

São as marchas populares a sair à rua e eu a entrar em casa. Para mim o Santo António é como o perú de Natal: morre de véspera. Não é que não goste de festa. Mas, se tivemos arraiais durante toda esta semana, porque é que haveríamos de escolher logo o dia com mais gente?

Posto isto, foi preciso encontrar uma solução alternativa para quatro bocas insaciáveis a salivar por sardinhas, saladas de pimentos, churros, farturas e outras comidas suficientemente calóricas para fazer sorrir o Fernando Mendes e o José Carlos Malato à mesma mesa. E a solução foi um arraial caseiro: com churrasco, com sardinhas, com salada, com orégãos, com pimentos, com sangria, com cerejas e com tudo a que temos direito. Hoje vou falar das sardinhas; quando Portugal entrar em campo falamos da sangria, que é um óptimo acompanhamento para o jogo da selecção.

 

mercado gourmet no campo pequeno

O que é que se passa? O Campo Pequeno parece o Speedy Gonzalez dos mercados nacionais. Está verdadeiramente hiperactivo e, sinceramente, começo a não ter estômago para tanta coisa (bom, com mais umas corridinhas junto às docas, somos capazes de arranjar espaço para uns petiscos). Depois do Chocolate, depois do Comidas do Mundo, agora é a vez do Mercado Gourmet. Como dizia o Bart Simpson, "Ai, karamba!". 

 

 

 

 

Azeites, patês, queijos, presuntos, paios, salpicões, enchidos, vinhos, ervas aromáticas (ganhe fôlego que isto continua...), produtos biológicos, conservas, condimentos, vários tipos de pão (...inspire mais uma vez...), licores, chocolates, compotas, variedades de mel (...só mais uma), doces, bolos e infusões. É impossível ficar em casa, não é? Depois vêm os detalhes interessantes: a entrada é gratuita e a ideia "é recriar o espírito dos mercados antigos portugueses, onde se pode encontrar um pouco de tudo". Tudo isso é muito bonito, mas a mim, quando me falam de azeites, patês, queijos, presuntos e vinhos na mesma frase, já fico de boca aberta. E não é de espanto, é mesmo de fome. Quanto tempo mesmo é que falta para o dia 7 de Março?

 

 

 

Um abraço gourmet para si, onde quer que esteja,

Ele

oh, não! outro mercado de chocolate?

Lá teremos de pegar na equipa de futsal e rumar a Cascais outra vez. Este Mercado da Vila está a animar! Depois do Mercado do Mar, agora é a vez de um fim de semana inteiro dedicado ao chocolate. Preto, leite ou branco, líquido ou em tablete, em bolo ou brigadeiros, vai ser a loucura entre os dias 21 e 23 de Fevereiro. Degustações, workshops, conferências, mostras e vendas, demonstrações de chefs ao vivo, e até palestras sobre a minha tentação preferida. O Melhor Bolo de Chocolate do Mundo, a Theo Kakaw, a Bittersweet Chocolates e o Ponto Condensado, entre muitos outros, já confirmaram a presença!

 

 

Vou começar o jejum já! Fechar a boca até sábado porque não vou resistir a lá dar um salto. E desta vez, vou convencer o marido mistério a enfiar a família no comboio: através de uma parceria entre a Câmara Municipal de Cascais e a CP, a viagem até Cascais só custa 1 euro. 

O Mercado do Chocolate pode ser visitado sexta-feira das 12h00 às 24h00, sábado das 10h00 às 24h00 e domingo, entre as 10h00 e as 20h00.

E o melhor, como sempre, fica para o fim: A entrada é gratuita.

Encontramo-nos lá?

Ela

 

 

mercado do mar este fim de semana em cascais

 

É sexta-feira, você quer ir para a brincadeira e, apesar de no bolso não ter um tostão, quer ideias, não é isso? Pois claro, é exactamente para isso que nós estamos aqui, tal como o Boss AC está para os pós-adolescentes à procura de um emprego melhor - para o reconfortar. Meta-se no carrinho e faça-se à autoestrada. Vinte e cinco minutos depois, se partir de Lisboa, como nós, está no centro de Cascais, à frente do Mercado da Vila. Nós explicamos. Fascinados com o sucesso do Mercado de Campo de Ourique, os senhores da Câmara Municipal de Cascais quiseram também remodelar o mercado de Cascais. E têm uma coisa a seu favor: sobra-lhes na beleza e na amplitude do espaço aquilo que lhes falta na originalidade. Por isso, de vez em quando, (que todos os dias dá muito trabalho) organizam fins-de-semana temáticos no mercado. Não espere nada de muito sofisticado, nem a onda moderna e trendy de Campo de Ourique. Mas pode ser que um dia chegue lá. No Verão é agradável. No Inverno vamos experimentar.

Este fim-de-semana, de hoje a domingo, entre as 12h e as 23h, vai lá estar o Mercado do Mar. Haverá spots de restaurantes como o Moules&Gin e o Sushiway, haverá vinhos e produtos gourmet à venda e ainda sessões de "show cooking". Tudo à volta do peixe. Eu não estou à espera de nada muito tchan!, mas acho que vale a pena dar lá um salto para experimentar. Vá e depois diga-nos o que achou aqui nos comentários.

 

 

 

 

 

 

Bom fim-de-semana para si, onde quer que esteja,

Ele

mercado de campo de ourique

 

Este mercado não é para velhos…nem para crianças

 

Mercado de Campo de Ourique. Sábado, 21h.

 

Estávamos cheios de curiosidade de espreitar a primeira versão portuguesa do mercado de São Miguel em Madrid. Por isso, decidimos arriscar uma visita logo no primeiro fim de semana depois da abertura. Previmos o caos. E confirmou-se o caos. Pior: levámos a tiracolo a nossa filha pré-adolescente que ficou mais ou menos em estado de choque: “oh mãe, isto é que é sair à noite? Nunca vou sair à noite!”. O mercado estava a abarrotar de gente mas apesar da densidade populacional, estava um frio de rachar. E nem a maralha nem os poucos cogumelos espalhados pelo espaço serviram para aquecer o ambiente. As filas eram de tal forma intermináveis que decidimos dividir-nos. Cada um com a sua hercúlea tarefa: ele na charcutaria, a nossa filha nas bebidas e eu no sushi. Sempre com a ladainha de fundo: "Com licença, com licença!", "Esta mesa está ocupada?", " Posso levar esta cadeira?" Quarenta minutos depois reencontrámo-nos para juntar forças para a próxima batalha: encontrar uma mesa vazia. Detalhe: sem mãos para degladiar, já que estávamos carregados com uma pirâmide de petiscos e sushi, e tabuleiros são um luxo por aquelas bandas. Nova separação familiar. Batalha perdida. Valeu-nos um recanto de um balcão ainda por arrendar que a nossa preciosa filha ocupou com unhas e dentes enquanto nos ligava desesperadamente por telemóvel: “Mãe, pai, corram! Estou no terceiro corredor ao pé da fruta, debaixo de um monte de gente.” Nova corrida, com petiscos numa mão, garrafa de vinho e copos altos na outra. Novo reencontro familiar. Lá petiscámos em pé, esganados de fome e estoirados qual soldados nas trincheiras. Estava tudo ótimo mas o nosso pensamento era só um: “fugir dali o mais rapidamente possível!”

 

O Bom:

 - o conceito de vaguear pelo mercado e petiscar aqui e ali é divertido, sobretudo para a faixa etária dos 20, que não se importa nada de estar horas em pé. E é um ótimo ponto de partida para uma noite de copos

- todo o espaço do mercado ficou muito giro depois de remodelado

- a decoração das tasquinhas/bancas de petiscos está engraçada

- a oferta é diversificada: charcutaria, marisco, sushi, hambúrgueres, crepes, etc., e boa.

 

O Mau e o Péssimo:

- há vinte mesas para centenas de pessoas

- petiscar aqui e ali é muito giro mas é escusado as bebidas serem também à parte

- as filas intermináveis

- a ausência de tabuleiros

- o frio de rachar

 

Por Ela