Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

como cozinhar salmão ao vapor no forno: uma receita de um chef 3 estrelas michelin que só leva 2 ingredientes

É provavelmente a maneira mais deliciosa e suculenta de cozinhar lombos de salmão fresco. E também a maneira mais fácil. O autor desta estrondosa invenção é o chef francês Michel Bras, orgulhoso detentor de três repenicadas estrelas Michelin, desde 1999, graças ao seu famoso restaurante Le Suquet.

Metade do segredo para o sucesso deste salmão está em encontrar um tabuleiro fininho para colocar o salmão no forno. A outra metade está na água que vai hidratar o peixe, deixando-o suculento e irresistível por dentro. Mas o melhor é começar pelo início. E é para isso que está aqui a fantástica receita compilada pelo sempre respeitável The New York Times. Tudo o que vai precisar é de salmão e cebolinho – além, claro, de sal e pimenta para temperar.

22WOLFERT5-articleLarge.jpg

 

o maior vendedor de trufas nos estados unidos é um miúdo de 24 anos que comprou o seu primeiro carregamento pela net

LAVIN-HowaTexasTeen-AgerBecameNewYorkCitysTopTruff

Os chefs Michelin chamam-lhe Truffle Boy. Na verdade, ele chama-se Ian Purkayastha, é filho de um índio e de uma texana e ganhou esta alcunha porque começou a vender um dos alimentos mais caros do mundo aos 15 anos.

Hoje Ian fornece 90% dos restaurantes Michelin de Nova Iorque e tem como clientes mais de 200 chefs de topo em todo o país. Em 2016, ganhou 5,6 milhões de euros a vender as comidas mais caras, deliciosas e exóticas do mundo. E sabe qual é que é um dos seus cinco produtos favoritos? Os leitões de três meses que importa de Portugal e Espanha.

 

 

um almoço de sonho num comboio do século xix ao longo do rio douro

IMG_9993.jpg

Se é fã de alta gastronomia e do livro ou do filme “Crime no Expresso do Oriente” este programa é a sua cara. Depois do sucesso da primeira edição, “Vila Joya no Douro”, que juntou no ano passado o mítico comboio presidencial português e o chef do restaurante do luxuoso hotel algarvio, Dieter Koshina, chega agora, durante o mês de maio, um programa mais variado e abrangente.

AJC_4005.jpg

 

o que é que faz quando um cozinheiro o recebe com um ar contrariado?

13692_867857769954020_1176810666266472662_n.jpg

Mal entrei no Stash, o restaurante de sanduíches do chef Pedro Lemos, no Porto, a primeira coisa que vi foram dois olhos a revirarem-se num movimento circular que podia indicar uma de duas coisas: ou um manifesto mal-estar associado a um estado de pré-desmaio, ou um manifesto mal-estar associado à nossa presença. Como em vez de desmaiar o cozinheiro suspirou, presumo que o revirar de olhos estivesse associado à nossa presença.

De facto, éramos seis bocas cheias de fome. De facto, chegámos ao Stash – The Sandwich Room para almoçar já perto das 16h. Mas, de facto, só ousámos cometer essa imprudência porque, à porta, diz que a cozinha do restaurante funciona até às 17h e pensámos que simpáticas recepções como esta só teriam lugar a partir das 16h45.

 

 

a prova cega que faltava: josé avillez juntou-se a uma criança de 10 anos para eleger o melhor bolo-rei de lisboa

É a final mais aguardada do ano, o tira-teimas da década, o combate do milénio. É a verdadeira Liga dos Campeões dos bolos-reis.

A apenas uma semana do Natal, o Casal Mistério organizou a prova por que todo o mundo ocidental aguardava, só para responder a uma das perguntas que acompanha gerações e gerações de famílias portuguesas: onde está o melhor bolo-rei?

IMG_0701.JPG

 

largo do paço, um incrível restaurante com uma estrela michelin num dos sítios mais bonitos de portugal

menu.jpg

Há quem vá jantar ao Largo do Paço por ter sido eleito o segundo melhor restaurante da Europa, há quem lá vá por ter uma estrela Michelin, eu vou apenas para comer. E especialmente para comer à mão. Não estou a falar de comer à mão um delicadíssimo bombom pegado com a ponta de dois dedos num elegante salão de chá da Place Vendôme, em Paris. Estou a falar de comer à mão uma cabeça de gamba como se faz no restaurante do Barbas, na Costa de Caparica. E este é dos poucos restaurantes Michelin onde isso acontece.

 

mini bar, definitivamente um restaurante onde tem de ir pelo menos uma vez na vida (ou duas... ou três... ou quatro...)

11051862_10152946451118439_8685024343575988883_o (

José Avillez sempre foi uma figura que me indignou profundamente. Não posso aceitar que exista alguém que consiga cozinhar daquela maneira – e especialmente que esse alguém não seja eu. Imagino o que será um fim-de-semana em casa dos Avillezes: 

– Oh querido, já estou com uma certa fome.

– Não te preocupes, meu amor, dá-me só cinco minutinhos que te faço já aqui um lombinho de novilho corado, ligeiramente fumado com alecrim, legumes da estação, tutano e puré de alho. Ou será que preferes um rabo de boi com grão, foie gras, tendões de vitela e creme de cebola com queijo da serra? Também não me custa nada...

Não é justo Deus ter-se esquecido de mim na Papua Nova Guiné quando decidiu montar uma banca à porta de casa dos Avillezes, em Cascais, para distribuir pelo mundo o talento para cozinhar. E, ainda por cima, juntou-lhe também a simpatia, a humildade e a capacidade de trabalho. Irra, que é demais!

É por isso sempre com uma profundíssima inveja interior que eu entro nos restaurantes de José Avillez. E desta vez o escolhido foi o Mini Bar, o mais surpreendente e inovador restaurante do chef com duas estrelas Michelin.

 

 

a dica que vai revolucionar a sua vida na cozinha: ovos mexidos em água a ferver (com a garantia de um chef michelin)

2015-09-11-1441992447-9506809-poachedscrambledeggs

Quem é que um dia decidiu que os ovos mexidos deveriam ser fritos numa frigideira? Não foi seguramente a vítima que, a seguir, tem de lavar a frigideira com ovo agarrado até às entranhas. Nem foi o chef americano Daniel Patterson, orgulhoso detentor de duas honrosas estrelas Michelin, que resolveu revolucionar a forma como o mundo cozinha ovos mexidos. Patterson colocou em causa tudo o que se sabia até agora e criou uma nova técnica de cozinhar os ovos. Além de sujar menos, eles ficam mais macios, mais molhados e mais fofinhos. Ainda por cima, só demora 20 segundos a fazer. Tudo o que precisa é de seguir estes cinco simples passos reunidos pelo jornal online Huffington Post.

 

 

o restaurante mais escondido do algarve (e onde come o melhor tártaro de atum com gelado de wasabi e muito mais!)

03Vistas.jpg

O primeiro prato que lhe servem no restaurante Vistas, no Algarve, é intragável. Mesmo. Literalmente. Ao ponto de não se conseguir tragar de maneira nenhuma.

Na verdade, nem é suposto. Quando se senta à mesa daquele que é um dos melhores e mais discretos restaurantes do Algarve, no Monte Rei Golf & Country Club, na Serra do Caldeirão, ao pé de Tavira, a primeira coisa que lhe colocam na mesa é um prato com uma pequena moeda branca no meio. Depois, antes que pegue no garfo e na faca, o empregado despeja por cima um pouco de água e a moeda cresce até se transformar, como que por magia, num guardanapo enrolado.

Esta não é apenas uma graça de início de refeição. É o melhor retrato do restaurante: um espaço clássico, com uma decoração tradicional, mas onde toda a gente o procura surpreender em cada detalhe. E as maiores surpresas vêm da cozinha.

Restaurante-Vistas-Salada-de-Esferificacao-de-Moza

 

 

novidade! novidade! abriu um restaurante de frangos de um chef michelin no mercado da ribeira (e nós não gostámos)

20150423_Chicken_All_Around_JS-7884 (1).jpg

- Boa noite. Como é que é este frango ML Style?

- Hmmm... Sei que tem vários ingredientes.

- Pois, isso eu desconfio que possa ser verdade.

- E sei que um dos ingredientes é espargos. É que há muita gente que não gosta... Mas o melhor é perguntar à minha colega ali.

Esta minha conversa não foi com o segurança do Mercado da Ribeira, em Lisboa. Nem com o responsável da manutenção. Foi mesmo com uma empregada do novíssimo Chicken All Around, o último restaurante do chef Miguel Laffan, o próprio do "ML". Dirigi-me diligentemente até à "minha colega ali" e repeti a pergunta.

A senhora olhou de forma atrapalhada para um conjunto de folhas à sua frente. Começou a virá-las freneticamente. Depois procurou no verso. E acabou por se virar para uma terceira colega, que estava atrás de si, a perguntar. E foi esta heróica senhora que conseguiu finalmente esclarecer esta minha dúvida hiperbólica. O frango ML Style é igual a um cachorro, mas com salsicha de frango.

 

 

receita deliciosa para um fim de semana em dieta: peixe ao sal com molho vièrge e amêijoas à bulhão pato

IMG_5895.JPG

Aproxima-se a uma velocidade furiosa mais um fim-de-semana de austeridade gastronómica. É verdade! Hoje em dia Ela está para o meu sistema digestivo como o Passos Coelho está para a minha conta bancária. Mas eu não desisto. E todos os dias trabalho arduamente – não propriamente para aumentar a minha contribuição ao fisco mas para aumentar o meu prazer à mesa. Não há dieta que me deite abaixo. E para este fim-de-semana tenho uma sugestão light e deliciosa para partilhar com todas as amigas da Ágata Roquette que existem por esse mundo fora. 

 

a feitoria, um jantar de sonho num restaurante com uma estrela michelin

restaurant_feitoria02.jpg

Até aos 10 anos, para mim Michelin era a alcunha que me davam na escola – não por ser rápido, mas por ser parecido com o boneco empneuzado. Aos 20, percebi que Michelin era também a marca dos pneus do meu carro. E só aos 30, entrei no mundo dos restaurantes Michelin. Hoje, com 83 anos e quatro meses, sou um bocadinho céptico em relação a tudo quanto são estrelas.

(Ok, sou capaz de ter exagerado ligeiramente em relação à idade, mas não em relação às estrelas.)

O que para aqui importa é que um jantar num restaurante com uma estrela Michelin é uma experiência, mais do que uma refeição. E a experiência não começa quando uma pessoa se senta à mesa. Começa muito antes, no momento em que pega no telefone e decide que é ali que quer jantar.