Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

brownies de chocolate com vinho tinto, um bolo alcoolizado para homenagear o presidente do eurogrupo

Se o presidente do Eurogrupo acha que estamos a gastar demasiado dinheiro em mulheres e bebidas, quem somos nós para contestar? Não, senhor. Aguentámos até aqui sem fazer qualquer comentário sobre o seu penteado estilo Marco Paulo acabado de sair do duche, por isso não é agora que vamos desautorizar uma cabeça tão fresca (a começar pelo gel, claro). Vamos é já tratar de provar essa tão pertinente observação. 

Os portugueses bebem álcool demais? É verdade, sim senhor. E, a partir de hoje, vão começar também a comer álcool demais. Tudo graças a esta fabulosa receita do fantástico blog Broma Bakery que, apesar de ser sediado em Nova Iorque, seguramente há-de ter alguma relação com algum descendente de português de New Jersey. E seguramente ele beberá vinho. E seguramente foi por isso que inventaram esta incrível receita de borwnies de chocolate com vinho tinto. Está tudo dito!

Para fazer esta maravilha – e brindar ao penteado de Jeroen Dijsselbloem – só vai precisar de manteiga sem sal, chocolate meio-amargo partido em pedaços, açúcar mascavado, ovos, cacau em pó, farinha, sal, extracto de baunilha e vinho tinto – muito vinho tinto! Para saber as quantidades certas de cada ingrediente, consulte a receita original aqui.

Red-Wine-Brownie.jpg

 

 

o restaurante que está a combater a lei anti-imigração de donald trump de forma viral

donald-trump.jpg

Chama-se Kiwiana e já era um famoso restaurante neo-zelandês em Brooklyn, Nova Iorque. Mas, esta semana, o restaurante virou notícia em quase todos os jornais americanos por causa da campanha que lançou contra as leis anti-imigração que Donald Trump assinou mal tomou posse.

O restaurante do chef Mark Simmons, ex-concorrente do concurso Top Chef, não organizou propriamente uma manifestação à porta da Casa Branca. Limitou-se a escrever uma pequena nota no final de todas as contas entregues aos clientes. A seguir ao valor a pagar, os clientes podem ler: "Os imigrantes tornam a América grandiosa (eles também cozinharam a sua comida e serviram-no hoje)".

Captura de ecrã 2017-02-09, às 15.53.02.png

 

a loucura do momento: um hambúrguer com um pão recheado de queijo que explode ao trincar

Esta tem sido uma semana de loucos! Não, não estou a falar do lançamento do primeiro livro deste vosso casal amigo (e que pode conhecer aqui). Nem da divinal mousse de Nutella só com dois ingredientes que deixou a Família Mistério de relações cortadas com a balança cá de casa (aqui). Estou a falar da revolução que está a acontecer no maravilhoso mundo dos hambúrgueres.

Depois do novo hambúrguer de Nutella da McDonald's (de que falámos aqui), agora a Internet está à beira de uma apoplexia por causa de um pão recheado com queijo. A ideia foi lançada pelo restaurante Raw Material, em Nova Iorque, e está a espalhar-se pelas redes sociais como um verdadeiro tsunami de calorias. 

Captura de ecrã 2016-11-17, às 12.38.32.png

 

espere até ver esta omelete japonesa por dentro

449c9db6dda1ada5fecc12b2e110ec79e49f3562.jpeg

Chama-se Omurice e é das coisas mais espectaculares que eu já vi nos últimos tempos. Esta omelete japonesa é uma conjugação das palavras "omelette" e "rice" e está a tornar-se viral na Internet graças a um vídeo publicado pelo site Insider Food.

Tradicionalmente, a omurice é uma omelete recheada com arroz frito com ketchup e frango, o que está longe de ser alguma coisa de especial. A novidade é a variação criada pelo chef do restaurante Yokoshuya Eat, em Quioto, no Japão, e que é considerada a melhor receita de omurice alguma vez feita. 

 

 

a melhor maneira de acabar com a polémica sobre os ingleses e a comida portuguesa: a verdadeira receita de fish and chips

Devo confessar que já não tenho mais argumentos para explicar a esse mago da culinária internacional que dá pelo nome de Giles Coren que um robalo ao sal não é um prato demasiado salgado. Eu sei que temos de usar três quilos de sal grosso e que isso pode impressionar qualquer inglês mais sensível, mas acho que não vale a pena tentar chegar ao cerebelo de alguém que baliza a sua avaliação gastronómica pelo cruel homicídio de uma lagartixa testemunhado em Portugal durante a infância.

TMM16COREN1_a_475010c.jpg

 

 

vai uma mini-sanduíche de sushi para fazer esquecer a desgraça do sushi fest?

Depois da hecatombe que foi o primeiro dia do Sushi Fest, tínhamos de demonstrar publicamente a nossa solidariedade para com as vítimas do desastre. E como é que nós nos solidarizamos? Com uma receita fácil de sushi para fazer em casa. Vamos lá admitir: o mais difícil é o momento de enrolar, não é? Quando vemos os japoneses a enrolarem as algas como se estivessem a passar o rolo da massa... e quando percebemos que não somos japoneses – definitivamente. 

Pois bem, acabou o drama. Agora deixou de ser preciso enrolar o sushi graças a esta fantástica receita de mini-sanduíches de sushi do blog Not Quite Nigella.

 

Ingredientes

  • 1,5 chávenas de arroz para sushi
  • 1/4 de chávena de mirin
  • 1 colher de sopa de açúcar
  • 1 colher de chá de sal
  • 2 folhas de algas nori
  • 1 pepino
  • 3 colheres de sopa de maionese japonesa Kewpie
  • 100 gramas de lombo de salmão fresco cortado fininho (a receita original é com salmão fumado, mas...)
  • 1/4 de abacate grande
  • 1 colher de sopa de sementes de sésamo tostadas
  • Wasabi
  • Molho de soja
  • Gengibre em pickle

__sushi-bites-6.jpg

 

 

já provámos o novo pastel de bacalhau com queijo da serra e... (até tenho medo de dizer isto)

slider-2-2.jpg

Finalmente, o país decidiu discutir um tema verdadeiramente importante para o nosso futuro enquanto nação valente e imortal. Estava cansado de ver jornais e televisões cheios de notícias fúteis sobre o default da Grécia, a venda da TAP ou a crise do euro. O importante, o relevante, o determinante é o pastel de bacalhau com queijo da serra. Isso, sim, tira-me o sono. E é por isso que estou aqui hoje, qual Judas a caminho do lavatório, para me confessar publicamente perante vós: eu, Ele Mistério, provei o pastel de bacalhau com queijo da Serra. 

Quando Maria de Lourdes Modesto fala, eu levanto-me da cadeira para ouvir em sentido. Quando Maria de Lourdes Modesto grita "obscenidade" e "pornográfica figura", eu transformo-me no Diácono Remédios, de bazuca ao ombro. No entanto, desta vez não resisti à tentação. Eu sei que é uma traição nacional, mas provei. Chamem-me pornógrafo, chamem-me Animatógrafo do Rossio, chamem-me o que quiserem... Mas eu fui lá, entrei por aquela porta de pecado, peguei num pastel de bacalhau carregado de queijo da Serra e trinquei. Devo mesmo confessar que degluti. Pior: até digeri.

 

 

eu quero ter o corpo da jessica athayde (apesar de ser homem) e fui buscar as receitas dela

JMO_5262-copy1.jpg

Depois de muito reflectir sobre o assunto, que é coisa séria, vou tomar uma posição pública neste caso de interesse nacional: a Jessica Athayde está para a gordura como eu estou para o Buda sentado. Posto isto, decidi: eu quero ter o corpo da Jessica Athayde – mesmo que tenha de adoptar algumas protuberâncias a que não estou habituado, acima do umbigo. Nesta saga nacional pelo corpo perfeito, desafio o Fernando Mendes e todos os outros homens com mais de 60 quilos (numa espécie de Ice Bucket Challenge Dietista) a seguir os hábitos alimentares da Jessica Athayde. Vamos formar um exército de Jessicas Athaydes para marchar contra a ditadura da anorexia aspiracional.

 

 

a resposta de downton abbey ao water bottle-gate

Se ver o Lord Grantham e a Lady Edith com uma garrafa de água atrás foi um escândalo, ver o Carson e todo o resto do elenco de Downton Abbey com uma garrafa de plástico na mão é um apocalipse.

Durante a promoção da quinta série de Downton Abbey, a produção divulgou uma fotografia em que aparecia esquecida uma garrafa de água em cima da lareira. Problema: a série passa nos anos 20 e as garrafas de plástico só começaram a passar de mão em mão nos anos 60. 

 

 

#somostodosmacacos e comemos bananas (saiba em que restaurantes)

Enquanto o mundo está a discutir se o gesto do Dani Alves foi genuíno ou uma campanha de marketing, nós estamos a comer – bananas, claro. Enquanto Neymar dizia no Instagram #somostodosmacacos, nós investigávamos. Enquanto você está a ler este post, nós já temos as nossas profundas conclusões para partilhar com o Mundo. #Somostodosmacacos. E requintados. Gostamos de comer bananas. Especialmente boas bananas. Aqui fica então a nossa homenagem a Dani Alves e a Neymar: os melhores sítios de Lisboa e Porto para comer bananas. Lamentamos, mas não tivemos tempo de procurar os restaurantes que servem bananas em Villarreal...

Começamos pelos pratos principais. No Assinatura, em Lisboa, pode provar um maravilhoso filete de peixe espada com banana. O chef António Gomes, do restaurante Típico, no Hotel Corinthia, em Lisboa, também já preparou um prato especial com banana para um Lisboa Restaurant Week no ano passado. Mas já não está na ementa. Só para deixar água na boca, aqui fica: era um filete de peixe espada e banana braseados, servidos com puré de cenoura perfumado com cardamomo e acompanhado com chips de batata doce. Talvez agora o prato volte à ementa.

Sobremesas temos em Lisboa e no Porto. Chakall tem este fantástico cheesecake de banana com chocolate quente e morangos frescos no Volver

E Pedro Lemos criou esta divinal Banana da Madeira no seu inconfundível restaurante do Porto. É feito com um brownie, uma redução de vinho da Madeira, caramelo, banana e uma mousse de banana. É servido com um sorvet de limão e bocadinhos de chocolate.

Se não tiver paciência para se enfiar num restaurante, tem sempre a hipótese Santini e passear-se pelas ruas da cidade com o fantástico gelado de banana da marca.

Ou optar por uma solução radical e enfiar-se no restaurante Meia Banana, em Vila Nova de Gaia, ou no Bananeiro, em Matosinhos. Se nada disto for suficiente para si, resta-nos sempre o José Cid. É carregar no play e ouvir bem alto...

 

 

...pode ser que alguém consiga ouvir em Espanha.

 

Um abraço ao Dani Alves e ao Neymar, onde quer que eles estejam,

Ele