Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

sabia que há 100 anos comia-se torradas com café com leite na noite de são joão?

PRAÇA DA LIBERDADE E AVENIDA DOS ALIADOS - 1960

Não estamos a falar do pequeno-almoço, estamos mesmo a falar da tradição na noite da festa. Segundo o escritor e investigador Hélder Pacheco, citado pela revista Visão, as sardinhas são uma moda recente, importada de Lisboa. Só terão chegado ao Porto na década de 1940, "com a realização da primeira Feira Popular, no Palácio de Cristal”. Antes, havia uma tradição radicalmente diferente na noite de São João: "Na véspera, comiam-se torradas à meia-noite e bebia-se café com leite”. No próprio dia, então, assava-se o anho, num tabuleiro de barro, acompanhado por umas batatinhas.

Mas esta não é a única surpresa da maior festa do Porto.

 

 

as melhores sugestões para fugir à confusão do são joão: três hotéis de sonho perto do porto

17810592_aRZcc.jpg

Está quase a chegar esse dia emblemático em que pôr um pé numa rua do Porto é sinónimo de levar com um martelo na testa. Eu sei, é duro sobreviver ao São João depois dos 20 anos. Eu consigo, mas é preciso muito treino de ginásio. E é por isso que hoje temos aqui três maravilhosos hotéis, perto do Porto, para onde pode emigrar durante os Santos Populares.

 

 

está resolvido o drama dos santos populares: como tirar a pele dos pimentos assados sem se queimar (e sem perder o sabor)

51b0c1d074c5b6299d0002ee._w.540_s.fit_.jpg

Sardinha sem salada não é sardinha. Salada sem pimento não é salada. E pimento sem as mãozinhas a arder enquanto se tira a pele não é pimento. Já sei que há sempre a solução habitual: colocar os pimentos por baixo da torneira, com a água fria a correr, e ir tirando a pele com os dedinhos semi-escaldados. Mas tenho uma triste notícia para o grupo da torneira: a água fria a correr aniquila todo e qualquer sabor que o pimento tenha. É aquilo a que se pode chamar um genocídio culinário. E é por isso que existe uma solução mais saborosa, mais eficaz e mais conservadora da saúde dos meus dedinhos sapudos.

Se assar os pimentos na brasa, pincele-os com um pouco de azeite e ponha-os em cima da grelha, rodando-os de vez em quando para grelharem de todos os lados.

Se os assar no forno, corte-os primeiro ao meio e retire as sementes. A seguir, pincele-os com azeite e ponha-os com a pele para cima sobre uma folha de papel vegetal num tabuleiro, cinco a dez centímetros abaixo do grelhador. Ligue o grelhador do forno durante uns 10 minutos. 

Quando a pele começar a ficar tostada, retire-os e coloque-os logo dentro de um saco de plástico para congelar bem fechado. O calor vai fazer a pele soltar-se dos pimentos. Quinze a 20 minutos depois estão prontos. Quando abrir o saco, os pimentos estão mornos e a pele sai como se fosse uma folha de papel. Além de tudo, vai ver que o sabor não tem nada a ver.

 

Uma boa sardinhada para si onde quer que os pimentos estejam,

Ele

 

foto: the kitchn