Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

a melhor ideia dos últimos tempos: um frigorífico solidário colocado no meio da rua

55ccfe581700006e00567788.jpeg

A ideia é simples e prática: em vez de deitar fora a comida que lhe sobrou em casa, deixa-a num frigorífico instalado no meio da rua. Quem precisa só tem de abrir a porta e servir-se. O projecto foi lançado no passado dia 30 de Abril pela Associação de Voluntários de Galdakao, um pequeno município perto de Bilbao, no País Basco, Espanha, e está a tornar-se um sucesso: recebe centenas de quilos de comida por mês e nada sobra. 

A grande diferença entre o frigorífico solidário e outros projectos de ajuda alimentar é a facilidade de todo o processo e o anonimato com que a recolha pode ser feita. Aqui não há intermediários nem redes de distribuição. Em vez de levar o saco do lixo até ao contentor, só tem de levar a comida até ao frigorífico. Por questões de segurança alimentar, só não pode colocar ovos, carne ou peixe crus. Tudo o resto é permitido. A comida feita em casa deve ter apenas uma etiqueta com a data em que foi confeccionada. 

Ao longo do dia, os voluntários da associação passam pelo frigorífico para retirar os alimentos que já tenham passado o prazo de validade. Segundo o site de notícias espanhol Deia, nas primeiras cinco semanas não tiveram de retirar nada lá de dentro: toda a comida colocada foi aproveitada. E o Guardian adianta que, ao fim de sete semanas, tinham sido recolhidos entre 200 e 300 quilos de comida numa população com apenas 29 mil habitantes.

 

 

novidade! novidade! brunch literário em cascais (toma o pequeno-almoço enquanto compra um livro e ainda ajuda crianças com trissomia 21)

11412154_980531961968855_3244948334118971257_n.jpg

Eu gosto quase tanto de ler como gosto de comer...

Ai, Jesus, que já vem aí a Edite Estrela dizer que estou a menosprezar a literatura...

Ok, gosto tanto de ler como de comer...

Está bem, gosto mais de ler do que de comer... O que para aqui interessa é que gosto muito das duas coisas e agora Cascais tem um espaço que vai dar comida e literatura juntas e ao vivo logo pela manhãzinha. Esta novidade fresquinha (e já vamos com dois diminutivos seguidos...) chama-se brunch literário e vai acontecer todos os sábados e domingos na Taberna da Praça, na Cidadela de Cascais, entre o meio-dia e as 16h. Infelizmente, não é buffet, esse tipo de brunch que está para a comida como o Guerra e Paz está para a literatura. Mas não deixa de ser tentador.

 

 

o que fazer no dia da mãe? ir jantar fora e ainda ajudar as crianças do nepal

402813_10151008495343349_86053729_n.jpg

E se, em vez de ir jantar apenas tranquilamente com a sua mãe no domingo, for jantar tranquilamente com a sua mãe no domingo e ainda estiver a ajudar os milhões de crianças que estão a sofrer com o terramoto no Nepal? O restaurante Arigato, no Campo Pequeno, em Lisboa, pensou nisso e vai organizar um jantar especial de angariação de fundos para as crianças do Nepal, em colaboração com a Unicef e com o consulado daquele país em Portugal.