Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

o bolo de casamento do príncipe harry não vai ser assim

07b38c04-7137-4fb9-9d00-23f80b0ca013-getty-119552858.jpg

Banana! Apesar de todo o segredo à volta do casamento do Príncipe Harry com a actriz Meghan Markle, uma fonte próxima do casal revelou ao jornal britânico The Telegraph como vai ser o bolo dos noivos.

Ao contrário do que aconteceu no casamento do seu irmão e da sua mãe, Harry decidiu servir um bolo de banana. "É a primeira vez que um casamento real britânico vai ter um bolo de banana", diz a fonte citada.

Segundo a tradição na família, os bolos de casamento são sempre feitos com frutas desidratadas e frutos secos. Depois são embebidos em muito álcool. A ideia é tornar o bolo dos noivos indestrutível – e comestível até ao dia baptismo do primeiro filho do casal.

A tradição já tem mais de 100 anos, quando a famosa marca de bolachas digestive McVitie's foi convidada pela primeira vez para fazer o bolo de casamento real. Em 1893, a McVitie's foi a responsável pelo bolo do casamento da Rainha Maria com o Rei Jorge V. Em 1947, fez o bolo da Rainha Isabel II. E, em 2011, tratou do bolo de William e Kate (foto em cima) que, apesar de ser um bolo de fruta, como manda a tradição, levava uma base feita com 1.700 bolachas digestive e mais de 16 quilos de chocolate.

 

 

leia as cartas que as crianças escreviam ao pai natal há 100 anos

Dia de chuva, de frio e de luzes de Natal na rua dá-me para isto. Transformo-me num verdadeiro Charles Dickens e sou assolado por uma onda revivalista e comovente. Hoje, passei a minha manhã a ler as mais espectaculares cartas escritas pelas crianças ao Pai Natal no início do século XX.

Há pedidos por uma salamandra porque está frio em casa, por um irmão para poder brincar e até há quem sonhe com a noite em que o Pai Natal lhe traz um palhaço montado em cima de um burro.

O fabuloso trabalho é da página de Twitter Tweets of Old que foi pesquisar os jornais do início do século passado e os está a transformar em tweets. Nesta época do Natal, resolveu fazer um especial com as cartas enviadas pelas crianças para o Pai Natal.

Os textos são cortados e editados para caberem em 140 caracteres, mas são sempre os textos originais escritos no início do século XX. Veja aqui a selecção dos melhores. E pode ir já buscar o lenço – o Charles Dickens não faria melhor.

American_Children_Give_British_Party-_Christmas_For_Evacuees,_Henley-on-thames,_Oxfordshire,_1941_D5698.jpg

 

 

o que os portugueses comiam no natal há 100 anos

1920s-photography-history-christmas-visits-to-pre.

Está a ver aquela posta alta e deliciosa de bacalhau cozido com couves, cenouras, batatas e muito azeite por cima? No início do século XX, isso era coisa que só existia no Norte do país. Do Porto para baixo, a véspera de Natal era passada no mais rígido e rigoroso jejum. A partir do início do Advento, as famílias faziam jejum de carne e, na véspera de Natal, no Sul do país, era jejum total até à Missa do Galo.

A tradição é recordada por Maria de Lourdes Modesto num artigo publicado no jornal Público, em 2009. A maior especialista em comida portuguesa lembra-se que, na década de 30, depois da missa tinha finalmente direito a comer qualquer coisa – e normalmente os pais serviam um doce para quebrar o jejum. No dia 25, então, era servido um almoço completo e, no Alentejo, onde vivia com a família, era sempre porco – peru nem vê-lo. 

No Funchal, a tradição também era a do jejum na véspera e a do porco no Dia de Natal. De madrugada, depois da Missa do Galo, era servida uma canja e um cálice de vinho. Na verdade, a festa só começava depois da missa.

IMG_2618.JPG

Hoje em dia, a ceia da véspera de Natal tem tanta importância como o almoço de dia 25. Mas, há 100 anos, era coisa que existia essencialmente no Norte do País, acima do Porto. Aí, sim, havia uma tradição de jantar em família, com bacalhau – cozido ou em pastéis –, polvo guisado, arroz de polvo ou outros pratos sem carne. Na véspera de Natal, a família reunia-se à mesa para celebrar a festa em conjunto. E Missa do Galo não existia na região.