Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

lasanha vegetariana, um jantar saudável para os amigos dos nossos filhos

A nossa casa transformou-se numa autêntica biblioteca escolar. Os nossos filhos insistem que estudam melhor com amigos do que sozinhos. Claro que não é verdade, mas já que têm de passar o fim-de-semana com a cabeça mergulhada nos livros, prefiro ceder um dia e, no outro, estudam sozinhos. É claro que quando dei por mim, hoje tinha uma pequena multidão de mochila às costas à porta de casa. E o que deveria ser uma tarde de estudo termina invariavelmente com um:

- Mãe, o X, o Y e o Z podem jantar cá em casa?

- Podem…

E é assim que o meu pobre Marido Mistério acaba na cozinha num final de tarde de sábado. É senso comum que quase todas as crianças gostam de lasanha mas, desta vez, achei por bem dar-lhe um toque mais saudável e sugeri ao meu querido Ele fazer esta incrível e irresistível receita do blog Half Baked Harvest: uma lasanha vegetariana.

Ele só precisou de azeite, uma courgette cortada em pedaços, cogumelos picados, um pimento vermelho sem sementes e picado, dois dentes de alho picados, molho de tomate, leite de coco, piripiri, tomates secos, lentilhas, massa de lasanha, espinafres frescos, manjericão fresco, mozzarella fatiada, provolone e parmesão ralados, e molho pesto para servir.

Se quiser saber as quantidades certas de cada ingrediente, para 6 pessoas, espreite aqui a receita original.

Simple-Vegetarian-Skillet-Lasagna-1.jpg

 

 

5 hiper-dietéticas receitas de massas que não levam massa

Pode chamar-lhe spiralizer, espiralizador, zoodler ou o que quiser. Não se preocupe que ele não se ofende. O que interessa é ter um à mão sempre que sentir um daqueles ataques de fome em que é capaz de comer uma panela inteira de massa com a mesma sofreguidão com que Cavaco Silva come uma fatia de bolo-rei. 

Desde que eu decidi oferecer este pequeno aparelho de cozinha à minha querida Mulher Mistério num muito merecido Dia da Mãe (aturar uma mini-equipa de futsal não é fácil), a nossa vida cá em casa mudou. E nunca mais deixámos de fazer massa para o jantar apenas porque Ela estava em dieta. Só que, em vez de massa calórica e carregada de hidratos de carbono, espiralizamos as muito mais saudáveis courgettes, cenouras, abóboras ou beterrabas. Qualquer vegetal pode facilmente ser transformado em finíssimos fios de massa bastante mais dietéticos. 

Se quiser saber onde comprar esta dádiva dos Deuses mais magros, veja aqui. Se quiser conhecer umas receitas deliciosas e ultra-saudáveis siga em frente. Temos cinco fabulosas receitas para si.

 

Massa de Courgette com Camarão e Molho de Abacate

Esta invejável criação do blog Not Enough Cinnamon tem tudo: uma massa deliciosa, um molho cremoso e um recheio suculento. Ainda por cima, é fácil de fazer e saudável de comer. Tudo o que vai precisar é de uma courgette por pessoa, camarão, abacate, sumo de limão, leite de coco, flor de sal e pimenta rosa moída no momento. Comece por cozer o camarão em água e sal. Coloque o camarão quando a água estiver a ferver. Mal começar a ficar cor-de-rosa, retire-o logo para não deixar secar.

Depois bata o abacate, o sumo de limão, o leite de coco, a flor de sal e a pimenta rosa num robot de cozinha. Corte as courgettes em fios no espiralizador, passe-as por um pouco de azeite numa frigideira durante um minuto, escorra a água e misture a massa de courgette com o molho. Sirva com o camarão por cima. Vai ver que a massa fria fica deliciosa no Verão. Veja a receita completa aqui.

 

5 formas fáceis, deliciosas e saudáveis de comer vegetais

Já não aguento mais os protestos dentro da minha cabeça. Metade dos meus neurónios (os da razão) revoltaram-se contra a outra metade (os da sofreguidão) e eclodiu uma guerra sangrenta. Os neurónios da razão defendem um regime alimentar saudável; os neurónios da sofreguidão defendem risottos de alheira, queijos amanteigados, shots de vodka de Maltesers e tudo o que tenha mais de 500 calorias por garfada. Confesso que, para acalmar esta guerra civil cerebral, vou alternando: uns dias razão, outros dias sofreguidão. E hoje é dia de razão.

Depois de muito pensar e sofrer, encontrei cinco magníficas receitas para fazer com vegetais e, vá lá, um bocadinho de nada de calorias.

The-BEST-Roasted-Broccoli-www.SimplyScratch.com_-6

Brócolos Assados com Parmesão 

Corte os brócolos em pequenas bonsais "brocolares" e coloque-os num tabuleiro com um fio de óleo de amendoim (é o mais indicado para ir a altas temperaturas). Leve o tabuleiro ao forno pré-aquecido a 260º C durante 12 minutos ou até os brócolos ficarem tostados. Retire e sirva com queijo parmesão ralado e um pouco de flor de sal (experimente a da Ria Formosa que é uma delícia). A receita e a fotografia são do simply scratch

 

 

pode parecer estranho, mas é uma combinação deliciosa: ovos com iogurte grego

Senhoras e senhores, cidadãs e cidadãos, leitoras e leitores, amigas e amigos... ok, eu paro com esta lenga-lenga.

Pessoas (assim é mais fácil), apresento-vos o Chitãozinho e Xororó da culinária. É a dupla mais perfeita, divertida e inesperada com que podíamos sonhar: ovos com iogurte grego. Antes de começar a protestar, tenho de lhe lembrar que ovos mexidos com um pouco de leite sempre fez a alegria de qualquer um. Agora imagine se, em vez de leite, juntar o muito mais cremoso e delicioso iogurte grego. Além da textura suave, o iogurte vai dar aos ovos uma consistência mais uniforme e o gosto inigualável meio azedo.

O fantástico site Food52 chama-lhe uma ligação maravilhosa e até sugere vários pratos em que pode – e deve – juntar iogurte: omeletes, ovos mexidos, ovos benedict, ovos verdes ou, a minha preferida, ovos cocotte.

199aa92e-3cbb-4904-bb74-f75212741e54--2013-0611_no

 

 

5 receitas de batatas fritas que não são batatas nem fritas

São batatas fritas? São. Levam batata? Não. Mas chamam-se batatas fritas? Sim. Mas são fritas? Não. Sinto-me ligeiramente como o Marcelo Rebelo de Sousa, versão comentador, a tentar explicar uma teoria e o seu contrário. No entanto, não é fácil falar destas cinco maravilhosas receitas que vão alegrar os seus dias dietéticos. 

De facto, o fabuloso site The Kitchn chama-lhes batatas fritas. Mas, de facto também, não levam batatas nem são fritas. São feitas com vegetais light e saudáveis e sempre no forno, sem óleos nem outras invenções do Belzebu das Gorduras.

Tudo o que vai precisar para fazer estas fantásticas batatas fritas sem batata do site The Kitchn é cortar os vegetais em palitos com cerca de 1 centímetro. Depois, tenha à mão um pouco de azeite para pincelar os vegetais antes de cozinhar e sal fino para espalhar por cima. Coloque os vegetais num tabuleiro, por cima de uma folha de papel vegetal, e leve ao forno pré-aquecido a 220º C durante 20 a 25 minutos. E já está.

Bom, já está é força de expressão. O The Kitchn aconselha a misturar queijo parmesão e ervas aromáticas, dependendo dos vegetais usados, para fazer um upgrade de sabor a estas receitas. Por isso, é melhor ver as sugestões uma a uma ou então ver as receitas originais aqui.

 

Cherovia com Alecrim

veggie-fries2.jpg

Transformou-se numa obsessão cá em casa. Já fiz em palitos no forno, em puré ou em sopa e é uma delícia – um sabor que consegue juntar o adocicado da cenoura com um toque de avelã e noz. Coloque no forno com sal e alecrim espalhado por cima. O alecrim vai ficar estaladiço e com um sabor muito mais seco (parecido com o amendoim) do que o do alecrim fresco (que sabe quase a pasta de dentes).

 

 

10 alimentos que não pode guardar no frigorífico – nunca, jamais, em tempo algum!

food-lunch-meal-tomatoes-large.jpg

Nós cá em casa temos um problema delicado. Ela chega do supermercado e a primeira coisa que faz é abrir o frigorífico e despejar lá para dentro todos os sacos que comprou. Queijos? Vão para o frigorífico. Fruta? Vai para o frigorífico. Chocolate? Frigorífico. Batatas? Frigorífico. Batatas?! É verdade. Acho que só não põe o papel higiénico no frigorífico porque não cabe. 

Há anos que a tento evangelizar em relação às vantagens de manter alguns alimentos fora do frigorífico. E foi, por isso, com uma profunda satisfação que encontrei estes dois artigos sobre o que não se deve guardar no frigorífico: um do Huffington Post e outro da Best Health Mag. Atenção, minha querida e amada Mulher Mistério: estamos a falar do que NÃO se deve guardar no frigorífico!

 

5 dicas para conservar os legumes e a fruta em casa durante mais tempo

É um dos grandes dilemas da Humanidade: devo guardar o tomate dentro ou fora do frigorífico? E outro: como é que eu evito que uma banana apodreça em poucos dias? E mais um: como é que posso conservar as ervas aromáticas frescas em casa? Pois bem, a dilemática acabou. Estas são as dicas por que a Humanidade há tanto ansiava. Escusam de agradecer...

 

#1 Guarde o tomate fora do frigorífico

tomato-salad-with-shallot-vinaigrette-capers-and-b

O aviso é da respeitadíssima revista Bon Appétit. Aquela textura farinhenta e empapada que o tomate às vezes tem vem do excesso de frio. A forma ideal de conservar o tomate é num local fresco e seco, afastado de outra fruta por causa do etileno que está na fruta e que acelera o apodrecimento. Quanto àquele mito de que o tomate dura mais com o pé virado para cima ou para baixo, é indiferente. Não há nenhum dado científico que suporte isso. A única diferença é que se virar um tomate maduro com o pé para baixo vai evitar que se forme uma enorme mancha no fundo do tomate.

 

 

7 alimentos que nos fazem perder peso (leu bem, alimentos que emagrecem!)

Há os alimentos que não engordam e há os alimentos que emagrecem. Como é que é? Exactamente isso que acabou de ouvir pelas ondas da Internet: emagrecem. E porquê? Porque estão carregados de água. Parece que está a trincar, mas na verdade está a beber. Um estudo da Universidade de Tóquio acompanhou mulheres que comiam alimentos ricos em água e concluiu que estas mulheres tinham índices de massa corporal mais reduzidos e – a grande preocupação da minha querida Mulher Mistério – uma cinturinha de Sara Sampaio.

A justificação é que a água nestes alimentos enche essa barriguinha faminta e por isso faz comer menos. Ou seja, ao ingerir estes alimentos, não só não engorda como vê o ponteiro da balança a cair vertiginosamente (já estou a exagerar com o entusiasmo). É por isso que já estou a preparar o meu cesto de supermercado para este Verão segundo as dicas do fantástico site Health, que escolheu sete alimentos com, pelo menos, 90% de água.

 

Brócolos

broccoli-390206_640.jpg

Além de uma fonte de água, são também uma óptima fonte de cálcio e fibras, uma boa ajuda para lhe transmitir uma sensação de saciedade. E, melhor de tudo, só têm 30 calorias por dose.