Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

um delicioso almoço de sushi de fusão?! à descrição?! por €12,90?! é isso mesmo! só é pena a barulheira à volta

946207_675981515750134_55364945_n.jpg

Entrar no Sushisan do Saldanha, em Lisboa, é como embarcar num avião de uma companhia low cost. Não é que tenha uma hospedeira à sua espera à entrada, mas tem a expectativa tão baixa como o investimento em manutenção de um avião da Ryanair.

 

11130269_1070051029676512_6053607593052700542_n.jp

O ambiente

O espaço é confuso e barulhento. Nós chegámos por volta das 13h, sem reserva, e já tínhamos um grupo à nossa frente à espera de mesa. À volta, as mesas estavam cheias e a densidade sonora atingia o nível do Mercado do Bolhão em hora de ponta. Ainda ponderei ir buscar ao carro o megafone que uso em casa para meter as crianças na ordem quando não vão para o banho, mas optei por recorrer à linguagem gestual para comunicar com a empregada que nos recebeu. 

Apesar da confusão, cinco minutos depois já estava sentado a uma mesa num canto – foi a vantagem de sermos só dois – e seis minutos depois, tinha duas ementas de plástico à minha frente. Até aqui, low cost no seu melhor: confusão, rapidez, eficácia e ementas de plástico.

Mesmo a decoração é um convite a não ficar ali muito tempo: paredes pretas soturnas, desenhos abstractos em encarnado meio assustadores e umas cadeiras de plástico que lhe deixam o rabo semi-congelado ao sentar-se. Em alternativa, tem sempre uma esplanada no passeio da rua – mas aí ganha no barulho dos carros aquilo que perde no barulho de uma sala a abarrotar com pessoas a falar no tom de voz da Cristina Ferreira.

No entanto, tudo isto desaparece no preciso instante em que o primeiro prato de comida chega à mesa.

528029_611107422237544_2106602938_n.jpg

A ementa

Antes, convém, contudo, falar dos preços, o verdadeiro golpe low cost do Sushisan. Um almoço de rodízio de sushi e sashimi por €12,90 é quase tão atractivo como uma viagem Lisboa-Porto por €30. Com uma vantagem: aqui não precisa de se sentar com a mala ao colo. 

O rodízio está algures entre a qualidade do Sushic e o preço do Noori. Primeiro, vem para a mesa um rolo de Hot Philadelphia, feito com salmão, cebolinho e queijo creme, que eu dispensava, mas que Ela comeu com entusiasmo – falta de prática em rodízios: a primeira ronda é a que traz as salsichas e as carnes piorzinhas para não nos deixar muita área estomacal para a picanha – e uma sopa miso agradável – como enche pouco, pode-se comer à vontade.

IMG-20151103-WA0001.jpg

Mas depois chegou a grande surpresa: um combinado com 40 peças, feitas com um peixe fresquíssimo e bem cortado e umas misturas absolutamente surpreendentes. Se está à espera de sushi puro e tradicional, este não é o local para si (apesar de terem vindo para a mesa 12 fresquíssimas peças de sashimi de salmão, atum e peixe branco). Agora, se gosta de sushi de fusão – meus caros amigos e camaradas (já estou a adoptar a linguagem do próximo Governo...) – este é o paraíso na Terra dos preços baixos.

10997282_1073096732705275_2939586065409128452_n.jp

O festival começou com uns divinais rolos de salmão braseado recheados com tempura de salmão e salpicados com um molho agridoce. O crocante da tempura combinado com a frescura do salmão funciona de forma perfeita. Mas há mais. Na selecção do chef, vêm também uns óptimos gunkans de salmão com cebolinho picado por cima e outra combinação com arroz por fora, salmão cru no topo e tempura de salmão por dentro.

Há ainda umas boas combinações com morangos frescos e uma última deliciosa opção com a pele de salmão em crosta por fora e atum picado com molho teriyaki por cima.

941547_655732234441729_1580081939_n.jpg

Acabada esta degustação, chega a melhor notícia: pode pedir para repetir o que quiser, tanto as entradas como peças específicas do combinado. Nós repetimos a tempura com o salmão por fora, os gunkans e o sashimi que estava realmente fresquísssimo. E podíamos ter continuado assim, a repetir e a repetir e a repetir, até à hora do jantar ou até rebentarmos como a personagem dos Monty Python, no filme O Sentido da Vida (pense bem antes de clicar no link, são imagens eventualmente chocantes).

No entanto, optámos por nos retirar apenas com um café Nespresso (€1,20), o que é um óptimo sinal para um restaurante low cost.

1016517_674864825861803_2108716995_n.jpg

O serviço

Foi sempre rápido e eficaz. Os empregados não têm muito tempo para ficar à conversa com os clientes porque têm mais do que fazer, mas foram simpáticos e competentes. O único detalhe que merece um pequeno reparo ocorreu quando a minha prezada Mulher Mistério resolveu pedir um copo de água a acompanhar o café e a empregada apareceu com um copo de plástico, enquanto se justificava:

- Tem de ser assim.

Ficámos com uma dúvida existencial: "tem de ser assim" porque Ela pediu um copo de água da torneira ou porque acabaram os copos de vidro?

 

As crianças

Não tem menu infantil.

 

O bom

O sushi

O mau

A decoração

O péssimo

O barulho

 

Um óptimo almoço para si onde quer que o sushi esteja,

Ele

 

fotos: sushisan; casal mistério

 

Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial.

9 comentários

Comentar post