Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

wish, um dos novos melhores restaurantes para jantar no porto (e não, não tem só sushi)

13501745_1231881730155343_3376957023167467784_n.jp

Tenho de fazer uma confissão séria e genuína: não sei bem por onde começar. Estou aqui sentado à frente do computador, triste e nostálgico, a pensar se comece por falar do pudim abade de priscos caramelizado que vem acompanhado por uma bola de gelado de Queijo da Serra deliciosa e por uma telha de amêndoa crocante. Ou se fale dos finíssimos raviolis de pato desfiado, com molho de foie gras e uma redução de Vinho do Porto por cima. Ou se descreva o carpaccio de veado, com um molho de queijo creme e raiz de rábano e umas bolachas de queijo crocantes. Ou se refira o deslumbrante sushi com manteiga de amendoim. Ou os cogumelos com trufas. Ou o sashimi de vieiras. Ou o paté de atum. Ou...

 

11216699_1079099468766904_2629244281247415564_n.jp

...O ambiente

É isso, vou começar pelo ambiente. Agora que já abriu o apetite e que está aí a salivar como se fosse uma hiena à espera do Rei Leão, vamos fazer uma curta pausa para falar um bocadinho de tecidos, bordados e decoração. 

O Wish é o mais recente projecto do chef António Vieira, um dos mais talentosos e versáteis chefs do Porto. Lembra-se do Shis, aquele restaurante com uma vista de sonho, na praia do Ourigo, na Foz, Porto? Exactamente, aquele que fechou depois de ter sido destruído pelo mar e por um incêndio uns meses mais tarde. Pois bem, António Vieira era o responsável pela cozinha divinal. E, depois destes dois azares, abriu, no ano passado, o Wish, perto da Praia do Ourigo, no Largo da Igreja da Foz, um dos recantos mais charmosos do Porto.

14264015_1295657920444390_3231424225494883881_n.jp

Nos dias de sol, há uma simpática esplanada de madeira mesmo de frente para a igreja. Nos dias de chuva, há um ambiente confortável e acolhedor que mistura uma insólita colecção de chapéus coloniais pendurados nas paredes com cadeiras aconchegantes onde nos apetece passar uma tarde inteira refastelados.

12729202_1147661405244043_7061699499342019676_n.jp

A ementa

Mas antes que nos troque pelo site da La Redoute, o melhor é começar a falar da comida. Há poucos restaurantes em Portugal que conseguem juntar uma fantástica ementa mediterrânica com uma maravilhosa oferta de sushi. E se a isto acrescentarmos ainda uma carta de doces de nos deixar a babar como um São Bernardo em dia de calor, então temos o paraíso. Mas, como dizia o esquartejador, vamos por partes.

12540532_1163123257031191_3367404007133935550_n.jp

O couvert

Cheguei ao Wish de braço dado com a minha querida Mulher Mistério para mais um jantar romântico a dois, algo cada vez mais frequente desde que os nossos filhos entraram a acelerar pela adolescência a dentro. E, como não tínhamos a mesa pronta, esperámos uns minutos ao balcão enquanto caíamos nos braços de um fantástico Hendricks com pepino. 

Mal nos sentámos à mesa, trouxeram-nos dois tipos de pão: um de centeio e outro escuro, com sementes e polvilhado com farinha por cima. Ao lado, veio um pouco de manteiga e umas azeitonas verdes muito tenrinhas molhadas em azeite. Mas o melhor do couvert (€2,50 por pessoa) não é nada disto. É um fantástico paté de atum, feito com um saboroso peixe ainda em nacos e que se sente a cada trincadela.

20160513_232351.jpg

As entradas

O paté foi só um aperitivo para o que se seguiu. E aqui é melhor fazer uma pausa para falar de arrependimento. Esta nova mania da minha querida Mulher Mistério de querer dividir todos os pratos em cada restaurante por onde passamos é das piores invenções dos últimos anos. Especialmente quando um desses pratos tem em cima estes divinais raviolis de pato (€12) que estão destacadíssimos no top das melhores entradas que esta boca de João Bafo de Onça já provou. 

A massa é fininha e suave e, dentro de cada um dos três raviolis que vêm para a mesa, está um pato desfiado ultra-saboroso. Por baixo, um aveludado molho de foie gras dá um sabor fabuloso e, no topo, a redução de Vinho do Porto tem o toque adocicado que faltava. Para acabar, ainda vem uma pancetta estaladiça que transforma cada garfada numa experiência inesquecível. 

11998874_1069275339749317_7503322292389589176_n.jp

Quando eu ainda estava a martirizar-me por ter aceitado partilhar os raviolis, chegou um carpaccio de veado (€10) finíssimo com um sabor suave e uma textura macia. O carpaccio traz ainda uma surpreendente mistura de queijo creme com raiz de rábano que lhe dá um toque ligeiramente picante e delicioso. Por cima, vêm umas miniaturas de cenoura e de espargos verdes e umas bolachas de queijo tostado e crocante que ligam lindamente com tudo o resto.

12096487_1076676002342584_9055669927528224725_n.jp

As entradas só terminaram quando trouxeram para a mesa uns cogumelos selvagens com um escalope de foie gras, umas trufas laminadas e um ovo cozinhado a baixa temperatura (€16). Apesar de tudo isto ligar lindamente e de o ovo estar perfeito, o escalope de foie gras estava rijo demais, o sabor a trufas não se notava muito e a tosta que acompanhava estava ligeiramente queimada. Mesmo assim, comemos tudo sem pestanejar.

20160513_231640 (1).jpg

O sushi

E foi com este currículo que experimentámos finalmente o sushi. Primeiro um sashimi de vieiras (€9) absolutamente magnífico e muitíssimo fresco – eu sou um fundamentalista das vieiras – que vinha servido com um pouco de wasabi, dentro de uma concha; e depois um mix de 33 peças (€36) que misturava camarão, salmão, atum e peixe branco das formas mais surpreendentes. 

20160513_233852 (1).jpg

Aqui não deve esperar sushi puro e tradicional, mas antes uma cozinha de fusão que mistura um peixe fresco e saboroso com um arroz bem equilibrado e alguns ingredientes inesperados. Eu adorei a mistura do peixe com manteiga de amendoim que pode chocar os mais puristas, mas que estava simplesmente fantástica; e o atum braseado com sementes. Ela preferiu o sashimi de salmão e os hot rolls que não fazem tanto o meu género.

12961599_1188171247859725_7910337801222020031_n.jp

A sobremesa

Sim, ainda houve uns centímetros cúbicos de estômago livres para partilharmos uma das melhores sobremesas dos últimos tempos. Trata-se de um fenomenal pudim Abade de Priscos (o tal das 20 gemas de ovos...) com uma bola de gelado de Queijo da Serra suave e com uma telha de amêndoa que é qualquer coisa de divinal (€6,50): no fundo, é uma bolacha muito leve feita à base de claras de ovos e de amêndoa laminada. Quando vai ao forno, insufla ligeiramente criando uma crosta crocante e cheia de ar no meio. Por cima de tudo isto, ainda vem um fio de caramelo que percorre toda a sobremesa e que combina na perfeição com o gelado de Queijo da Serra.

Eu metia-me já no carro, a caminho do Porto, só para comer esta maravilha outra vez hoje ao jantar.

20160514_000831 (1).jpg

O serviço

Foi sempre muitíssimo simpático e ainda mais acolhedor. Quase sempre que vou jantar fora no Porto, sinto um cuidado e um carinho a receber os clientes que não é tão frequente em Lisboa, onde tudo é mais impessoal. Aqui parece que os empregados acompanham os clientes pessoalmente ao longo de toda a refeição – desde o simpático barman que nos serviu o gin quase personalizado, até à atenciosa relações públicas que nos preparou a mesa e nos foi entregar as bebidas à mesa, passando pelos empregados que nunca nos deixaram de braço estendido mais de dois segundos para pedir alguma coisa.

Mesmo quando o restaurante já estava vazio e começaram a passar a ferro as toalhas das mesas ao lado para o almoço do dia seguinte, tentaram fazê-lo o mais discretamente possível. 

12143068_1079117792098405_4073497104909614072_n.jp

As crianças 

Tem um menu infantil com creme de legumes, bifinho picado com ovo estrelado, batata frita e arroz e uma bola de gelado por 12 euros. 

 

O bom

O serviço, o ambiente e a zona

O mau

A tosta semi-queimada dos cogumelos selvagens

O óptimo

A comida, em especial os raviolis de pato e o pudim Abade de Priscos com gelado de Queijo da Serra

 

Um óptimo jantar para si onde quer que o Porto esteja,

Ele

 

fotos: wish; casal mistério

 

Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial. 

______________________________

Wish
Largo da Igreja da Foz, 105 e 107, Foz, Porto
Domingo a quinta, das 12h às 00h; Sextas e sábados, das 12h à 1h
T: 912 375 313