a melhor sugestão para uns dias de sonho no douro  

    Regressámos à estrada em busca do Melhor de Portugal, desta vez em parceria com a CUPRA, que atualmente produz aqueles que são, para mim, os carros mais sofisticados e com melhor design do mercado. Foi ao volante de um CUPRA Formentor que encontrámos este pequeno paraíso: o hotel de charme Quinta da Côrte, uma óptima sugestão para passar uns dias de sonho no Douro.

    Antiga propriedade das famílias Pacheco & Irmãos, a quinta produziu durante anos uvas e alguns lotes de vinho que eram depois vendidos às grandes casas do vinho do Porto como a Croft, a Taylor’s ou a Ramos Pinto. No entanto, nunca teve meios para criar a sua própria marca. Quando, em 2012, o francês Philippe Austruy, dono de várias quintas vinícolas em França e não só, viajou até ao Douro em busca de novos investimentos, apaixonou-se pela Quinta da Côrte.

    Apesar de estar em mau estado e a precisar de obras urgentes, Philippe não descansou enquanto não comprou a propriedade a todos os herdeiros. Um ano depois, a Quinta da Côrte produzia o seu primeiro tinto do Douro. E aqui a tradição mantém-se: sem recurso a meios mecânicos, o trabalho é realizado com enxadas, mulas e cestos carregados à mão ou às costas durante as vindimas.

    Para descobrir este pequeno paraíso escondido nas margens do Douro, nada melhor do que o CUPRA Formentor. Além de ser confortável e seguro para fazer as curvas e contracurvas das estradas ao longo do rio, quase não dá pela sinuosidade do caminho.

    Fomos descansadamente a apreciar a paisagem sobretudo graças ao Assistente de Faixa de Rodagem que nos ajuda a manter na trajetória certa. Mesmo quando o meu querido Marido Mistério fica embevecido a olhar para a vista em vez de olhar para a estrada. Este sistema é provavelmente o melhor amigo de pessoas como ele, que se distraem em cada curva. Bendito Assistente!

    A quinta

    A Quinta da Côrte fica a cerca de 26 km do Peso da Régua e conta com 24 hectares, sendo que a maioria se estende pelos típicos socalcos que levaram esta paisagem a ser classificada Património Mundial pela UNESCO. E a casa principal alberga hoje um enoturismo incrível, remodelado com muitíssimo bom gosto. Philippe Austruy convidou o famoso arquiteto e designer de interiores Pierre Yovanovitch para fazer o projeto de decoração e o resultado está à vista.

    Os interiores

    Uma decoração sóbria, elegante e contemporânea, com detalhes deliciosos como o original candeeiro da cozinha a marcar a diferença. A ideia foi manter viva a alma do edifício principal que data do século XIX, por isso, a fachada, as janelas e as persianas antigas foram recuperadas.

    O proprietário queria que os hóspedes tivessem uma experiência autêntica e, para isso, foram utilizados materiais tradicionais, como azulejos, xisto e madeira maciça para remodelar a casa principal.

    A ideia é que se sinta em casa, não num hotel. Ao todo, são 8 quartos (4 na casa principal, os outros 4 nos edifícios adjacentes), com uma decoração simples mas sofisticada, com roupa de cama em linho bordado, casas de banho com faianças artesanais portuguesas, e uma vista deslumbrante sobre o vale.

    A cozinha é a alma da casa, com uma impressionante chaminé coberta por azulejos e o candeeiro que eu adorava ter em casa sobre uma enorme mesa de madeira com referências ao Douro. Também as salas de estar e a biblioteca estão decorados com móveis e vários objetos de cerâmica originais e sofisticados.

    Os piqueniques

    Conte ainda com um serviço de bar e restaurante onde a cozinheira prepara pratos simples e caseiros feitos a partir de ingredientes locais e frescos, alguns produzidos na herdade. Tem também a opção de pequeno-almoço continental ou buffet. Mas se tiver bom tempo peça para lhe prepararem um piquenique nos jardins, com vista para as vinhas.

    A piscina exterior está aberta todo o ano e pode sempre explorar a região a pé ou de bicicleta. Mas o melhor mesmo é sentar-se ao volante do CUPRA Formentor e passear até ao Peso da Régua, ao longo do rio Douro.

    Pelo caminho, almoce no DOC, o ótimo restaurante do chef Rui Paula.

    Ainda não tem planos para a sua passagem de ano? Do que é que está à espera?

     

    Um ótimo ano para si, onde quer que esteja,

     

    Ela

     

    fotos: d.r.
     
    Preços com pequeno-almoço incluído
    – Época baixa
    (de 16 de outubro a março):
    de 170€ à 210€ segundo a categoria
    – Época média (de abril a 14 de julho):
    de 200€ à 240€ segundo a categoria
    – Época alta (de 15 de julho a 15 de outubro):
    de 280€ à 320€ segundo a categoria

     

    Este post foi feito com o apoio da CUPRA

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *