como nasceram os petiscos portugueses mais estranhos

    Hoje vamos falar de tripas, miolos, estômago e até de testículos, peço desculpa, túbaros. Alguns consideram-nos verdadeiros petiscos, outros dizem que são impossíveis de comer. Mas a verdade é que são alguns dos pratos mais emblemáticos da cozinha portuguesa. No entanto, sabe quando, como e por que começámos a comer estes alimentos? Calculámos… É por isso que hoje vamos contar a história daqueles que são alguns dos petiscos mais estranhos da gastronomia portuguesa, no novo episódio do podcast Favas Contadas. Se quiser ficar a saber tudo sobre a origem da mioleira ou das tripas, então carregue no play aqui em baixo.

     

     

    No episódio desta semana do podcast do Casal Mistério, explicamos o que é que as tripas à moda do Porto têm a ver com a conquista de Ceuta. Mas também contamos como nasceu o hábito de comer mioleira. Ou ainda a origem das Sopas de Cavalo Cansado. E para que não fique nenhum assunto delicado por abordar, ainda falamos dessa verdadeira especialidade alentejana que dá pelo enigmático nome de túbaros. Se tiver dúvidas sobre aquilo de que estamos a falar, então o melhor mesmo é ouvir o episódio desta semana e tirar todas as dúvidas.

    Estrangeiros provam os petiscos portugueses mais estranhos

    Mas para abrir o apetite antes de ouvir o podcast, o melhor é ver este vídeo em que desafiámos vários turistas estrangeiros a provarem alguns destes petiscos portugueses mais estranhos.

     

     

    Veja a reacção deles e depois oiça o episódio desta semana em Apple PodcastsSpotifyYouTubeCastBoxGoogle Podcasts ou qualquer outra plataforma de podcasts. E para não perder nenhum novo episódio, só precisa de seguir o Favas Contadas em qualquer uma destas plataformas. Porque já sabe: todas as terças-feiras, a partir das 7h da manhã contamos uma nova história sobre a origem da comida.

     

    Um óptimo podcast para si onde quer que estejam os petiscos mais estranhos,

    Ele

     

    fotos: veja

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *