design and wine hotel: clássico por fora, fashion por dentro

    859536_406596369443307_1540819282_o.jpg

    Ele tinha uma reunião no norte do país e isso, para nós, é sinónimo de escapadinha mistério. Distribuída a equipa de futsal por avôs, avós, avodrastas e avodrastos (benditas famílias modernas que oferecem mais ajudas e opções de acolhimento para a prole), rumámos a Caminha. Tinha marcado o Design and Wine Hotel, famoso por ter quartos que andam à roda. Infelizmente (ou felizmente) esses quartos não estavam disponíveis mas decidimos manter a reserva.

     

    Wine-Hotel-01-1150x735.jpg

    No caminho para o hotel, achei por bem ligar para avisar que iríamos chegar tarde. Primeiro telefonema: toca, toca, ninguém atende. Segunda tentativa: idem idem, aspas aspas. Terceira: nada. “Será que fechou? Será que vamos bater com o nariz na porta?” Pânico. Medo. Quarta e desesperada tentativa: Aleluia. Atenderam. “Tudo bem, não há problema, estamos à vossa espera”. Ufa! Que alívio! O GPS levou-nos precisamente para o centro da vila que é simplesmente adorável. Estacionámos à porta e dirigimo-nos ao edifício histórico que alberga o hotel.

    05_-Janeiro-2014_Imagem-4.jpg

    01-arch-int-designwine-hotel-09.jpg

    Design-And-Wine-Hotel-photos-Exterior-Hotel-inform

    O hotel

    A fachada clássica esconde um espaço moderno e arejado. A receção, em tons de branco, é simpática e muito bem decorada, com alguns detalhes surpreendentes, como bicicletas antigas ou uma cabine telefónica britânica. O hotel tem duas áreas distintas: a do edifício histórico, renovado e modernizado por dentro, e a da estrutura high tech que se movimenta e alberga os cinco quartos “volantes”, digamos assim, ao fundo do jardim. Como não conseguimos um quarto em movimento, lá subimos a escadaria preta do edifício principal que nos levou ao nosso quarto estático.

    design-and-wine-hotel-room-font-view-bed-m-02-x2.j

    design-and-wine-hotel-S-02-r.jpg

    Os quartos

    O quarto é bom, espaçoso e bem decorado. Em tons de preto e branco, dispensava as riscas pretas e encarnadas que atravessam paredes e teto (o que é que esta gente tem contra paredes brancas?), mas Ele, por exemplo, adorou. Depois tem pormenores deliciosos como um nicho na parede com uma máquina de costura antiga e uma secretária que não é mais do que a base dessa mesma máquina de costura. A cama é gigante e confortável, os lençóis são macios e fofinhos. A casa de banho, em tons de preto, tem um duche ótimo e está bem equipada. A única desvantagem é que as três enormes janelas dão para a praça central da vila que, à noite, é uma animação. Se for num fim de semana de festas e romarias, corre o risco de acordar ao som de bombos e tambores e achar que o fim do mundo se aproxima. De resto, recomendo vivamente este quarto… já os outros não são bem o meu género: não sei se não teria sérias dificuldades em adormecer com tanta informação à minha volta. Veja lá:

    01-arch-int-designwine-hotel-27.jpg

    Design-Wine-Hotel.jpg

    design__wine_hotel_01__r.jpg

    Wine-Hotel-37.jpg

    Wine-Hotel-24.jpg

    Wine-Hotel-27.jpg

    O hotel justifica no seu site a decoração vanguardista dos 23 quartos: “são como uma paleta onde as artes tradicionais, como a pintura, a escultura ou a música, convivem com uma expressão mais contemporânea como a street-art ou a video-art”. Eu diria que convivem demasiado nestes quartos. Mas gostos não se discutem, e apesar dos excessos das paredes, os quartos são, de facto, bons e confortáveis. Cinco destes quartos situam-se na tal estrutura móvel, que ainda segundo o site permite aos seus hóspedes “usufruir de diferentes perspetivas sobre a foz do rio Minho, ao longo do dia”. Eu confesso que olhei e voltei a olhar e aquilo não me pareceu que se mexesse grande coisa. Ele ainda disse: “Não, repara, está mais para a direita do que ontem!” Mas acho que era Ele a querer emoção.

    design__wine_hotel_04.jpg

    design__wine_hotel_11.jpg

    O pequeno-almoço

    É bom mas não é excelente. Como sempre, chegámos em cima do fecho e os ovos mexidos estavam secos, frios e quase no fim. Pedimos mais e trouxeram-nos novos: quentes mas secos na mesma. Não há café expresso, por isso, se quiser café com leite, já sabe, só café de filtro. O expresso paga à parte. De resto, como diria a minha querida mãe, “é passable”. A esplanada, onde bebemos o café e que nesta altura do ano é fundamental para aproveitar o tempo de Verão que por aí anda, é simpática e agradável.

    Design-Wine-Hotel3.jpg

    O serviço

    Cumpre os mínimos olímpicos. Alguns funcionários eram claramente mais simpáticos do que outros. O campeão dos sorrisos foi um rapaz, com cara de estagiário, que trabalhava no restaurante, e que dobrava guardanapos com uma felicidade contagiante. Na receção, dão sugestões de passeios, restaurantes e atividades na região, como passeios de bicicleta, a €1 por hora. Nós optámos por rumar para outras paragens. Mas isso fica para um outro post num blog perto de si.

    Design-Wine-Hotel2.jpg

    Boas escapadelas,

    Ela

     

    3 thoughts on “design and wine hotel: clássico por fora, fashion por dentro

    1. O Casal veio para o Norte, o Minho, que é lindo de morrer.
      Adoro esta vila faz-me lembrar outras épocas, visito-a quase todos os verões.
      Pelo que li do hotel, ainda têm muito para melhorar.
      O design dos quartos é giro, mas cansa.
      Um bom pequeno-almoço é fundamental para conquistar clientes.

      Beijinho

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *