Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Casal Mistério

Casal Mistério

e o melhor bolo-rei de lisboa é…

15.12.18

…O bolo-rainha, da Pastelaria Garrett, no Estoril. Eu sei que rei não é rainha e Estoril não é Lisboa, mas desde que vi a estrela de um reality show como Presidente dos Estados Unidos que aprendi a relativizar tudo.

20181213_104839.jpeg

Primeiro, convém fazer as apresentações. A Garrett é uma pastelaria com mais 80 anos que serve dois dos melhores bolos que já provei: as fabulosas pratas, umas bolachas muito fininhas e estaladiças ligeiramente tostadas e que conseguem atingir o nível perfeito de doce que se quer num bolo para acompanhar um café (vai ver como é capaz de comer uma caixa inteira, num instante, a seguir a um jantar em sua casa); e o fabuloso bolo-rainha, uma verdadeira mina de frutos secos e tostados que combina nozes grandes e deliciosas, amêndoas fininhas e laminadas e pinhões saborosos, essa autêntica raridade nos dias que correm.

Eu sei que bolo-rainha não é bolo-rei: não tem a gulosice das frutas cristalizadas nem o interior húmido do açúcar derretido. Mas isso é o bolo-rainha tradicional. O da Garrett consegue desmentir todos esses preconceitos.

20181213_104805.jpeg

 

Primeiro, porque a quantidade e a qualidade dos frutos secos é sobrenatural. No exterior, não deve haver um centímetro quadrado sem um fruto seco delicioso e crocante e, no interior do bolo, as passas misturam-se na perfeição com a as amêndoas e os pinhões, o que nos leva a facilmente dispensar as ginjas, as laranjas e outros exageros cristalizados.

Depois, porque o tal interior húmido e delicioso é muito maior neste bolo do que em muitos e famosos bolos-reis que andam por aí. Tanto a gordura libertada pelos frutos secos tostados como o sumo caramelizado das passas criam um recheio húmido e verdadeiramente viciante. E ainda leva uma fina camada de açúcar – nada de exageros – que derrete delicadamente por cima do bolo, criando uma cobertura mais consistente que entranha discretamente até ao interior.

20181213_104614.jpeg

A seguir, a massa. Nunca ao longo desta provecta idade consegui encontrar um bolo que tivesse uma consistência tão leve e fofinha. Há bolos mais fofos, mas que são mais pesados, e bolos mais leves mas que são mais duros. O bolo-rainha da Garrett consegue estar no ponto de equilíbrio perfeito entre a leveza de uma nuvem e a fofura de uma bochecha do Louis Armstrong.

Finalmente, o aroma. O cheiro de um bolo-rainha da Garrett é capaz de perfumar uma sala durante um dia inteiro sem cair no odor enjoativo do excesso de frutas cristalizadas. É uma mistura incrível entre o álcool das bebidas adicionadas à massa, o caramelizado das passas e o tostado dos frutos secos. É tão agradável que até custa comê-lo.

É claro que nada pode ser perfeito e aqui o drama é a confusão. Quando chega a época do Natal, a Pastelaria Garrett torna-se uma arena de wrestling, onde os clientes alternam entre a violência sobre os adversários e o suborno aos empregados para conseguirem um bolo sem precisarem de esperar mais de meia-hora.

20181213_103709.jpeg

Na véspera de Natal, a loucura é tão grande que logo de manhã se forma uma fila de gente com dezenas de metros, que dá a volta à rua, com um único objectivo: levar para casa, acabadinho de fazer, o melhor bolo-rei e rainha de Lisboa. Lisboa distrito, claro, que este é um blog rigoroso.

 

Um óptimo bolo-rainha para si onde quer que o bolo-rei esteja,

Ele

 

2 comentários

Comentar post