fomos jantar ao melhor restaurante do porto segundo as redes sociais

    Terminal-4450-A-Cidade-na-ponta-dos-dedos-de-Sanch

    Ter 4,9 valores no Zomato está hoje para um restaurante quase ao mesmo nivel do que ter o Salvador Sobral no Festival da Canção. E o Terminal 4450, em Leça da Palmeira, consegue isso e mais algumas coisas: a avaliação é a mais alta de todo o Porto naquela rede social e foi atingida através de uns significativos 516 votos e não através da boa vontade da família dos donos. Se isto não chega para lhe despertar o apetite, fique a saber que aos 4,9 valores do Zomato se juntam uns pomposos 4,7 valores dados pelos clientes no Facebook e uns honrosos 4,5 no TripAdvisor.

    É claro que, perante tanta agitação, nós não podíamos ficar quietos no nosso cantinho. E, por isso, organizámos uma excursão mistério para levar a família em peso até ao restaurante mais popular do Porto. Não foi uma, não foram duas, foram seis esfomeadas almas atentas a todo e qualquer detalhe deste verdadeiro fenómeno da restauração cibernética.

     

    15391239_1802858106651106_6679127234737435666_n.jp

    O ambiente

    A entrada conquistou logo a ala sub-18 da família. Depois de percorrer um longo corredor, que parece a manga que liga os aviões aos aeroportos, vai dar a uma sala com uma placa a dizer “check in” e com umas malas antigas à frente de uma parede de madeira. Tudo tem um ar rústico e surpreendente que se torna irresistível a qualquer adolescente em busca de likes no Instagram. 

    12961590_1693288124274772_7276832388839866516_n.jp

    O Terminal 4450 fica dentro do porto de Leixões e mantém várias das referências originais de um terminal de embarque. Além das malas antigas da entrada, há ainda um enorme placard, na sala principal, onde antes se anunciavam as partidas e chegadas e agora se enumeram as especialidades. Na mesa, dão-lhe uma lista que parece um passaporte. E, se olhar pelas enormes janelas que ocupam um dos lados do restaurante, tudo o que vai ver é o porto e os navios.

    12742759_1675679502702301_6362298655574319995_n.jp

    Mesmo a arquitectura do espaço mantém o enorme pé direito do armazém, as incríveis vigas de madeira e alguns fantásticos detalhes rústicos que tornam este num dos restaurantes mais encantadores do Porto. De dia, as janelas gigantescas para o rio dão uma luz incrível à sala. De noite, o ambiente é animado com uma área de restaurante e uma zona de bar à frente do balcão.

    Como nós fomos num dia cheio e fizemos a reserva em cima da hora, ficámos sentados nestas mesas altas com uns também rústicos bancos sem encosto que rapidamente se tornaram num perigoso atentado contra as minhas pobres costas. O meu único consolo foi perceber que, na zona das mesas baixas, mais de metade dos lugares também tem bancos corridos – e sem encosto. Eu sei que para as novas gerações esta modalidade “sem encosto” é uma animação, mas para mim, um pobre pai de família a caminho da meia idade, é um suplício.

    16174865_1819157155021201_4098070454083683244_n.jp

    A ementa

    Calma, pode respirar fundo, este blog não é escrito pelo Siza Vieira – acabaram os comentários de arquitectura de interiores. Chegou a altura de falar de comida. E aqui comida é carne – das melhores que tenho comido ultimamente. Suculenta, saborosa e muitíssimo bem grelhada, vem em doses enormes, quase gigantes. Mas antes é preciso dar espaço ao…

    13692823_1734689206801330_9175245260326672482_o.jp

    …Couvert…

    …que ele merece. Enquanto eu e a minha querida Mulher Mistério discutíamos se pedíamos dois ou três pratos para os seis, trouxeram-nos a primeira surpresa da noite: uma caneca cheia de pipocas com manteiga, pimentão doce e orégãos. É escusado dizer que esta foi das melhores invenções que encontrei recentemente no maravilhoso mundo do couvert, essa autêntica instituição do jantar fora que é tantas vezes reduzida a umas desenxabidas carcaças e a uns arrepitantes pacotes de manteiga. Aqui não. Aqui o couvert é digno de um restaurante a sério. 

    13873038_1738995616370689_1611988112885867641_n.jp

    As pipocas são verdadeiramente viciantes, com um toque picante que deixou a Família Mistério encantada. Além disso, trazem-lhe um saco de papel pardo com pão rústico, pão escuro e broa, uma manteiga de linguiça demasiado mole mas saborosa e umas azeitonas com queijo feta bem temperadas. É tudo agradável, mas nada se compara à surpresa das pipocas que ligam lindamente com uma imperial (ou um fino) antes de começar o jantar.

    1531772_1683034955300089_3070425012825014653_n.jpg

    As entradas

    É uma das grandes falhas do Terminal 4450. Aqui não há propriamente entradas, há “snacks” para petiscar. E começar uma refeição com umas papas de sarrabulho, com uma francesinha ou com umas costelinhas de porco na brasa não é propriamente o meu ideal de abrir o apetite. O único snack que me pareceu razoável como entrada foi o bife tártaro – e só mesmo dividido porque a quantidade servida é mais do que razoável para um prato principal.

    Debaixo do olhar crítico da minha querida Mulher Mistério em dieta, pedimos dois tártaros de boi para os seis (€10 cada). A carne vem muitíssimo fresca, saborosa e bem cortada, com o tempero mesmo no ponto. No meio, estão misturados uns grãos de mostarda deliciosos. À volta, traz uns pedaços de cebola frita crocante que ligam lindamente com a carne macia. E por cima uma gema de ovo para misturar. 

    20161209_231343 2.jpg

    Os pratos principais

    Para as crianças, pode pedir um prego, um hambúrguer de boi ou o menu infantil (ver abaixo). Os adultos não podem deixar de experimentar o divinal Black Angus. É um bife enorme para duas pessoas (€42) que quase se desfaz na boca. Muito bem marcado por fora e mal passado por dentro, vem para a mesa cortado em tiras suculentas. Numa tacinha ao lado, trazem-lhe um agradável molho de mostarda, mas eu sou um feroz defensor da dupla flor de sal e pimenta rosa que, quando a carne é deliciosa chega perfeitamente. 

    15391439_1800773863526197_667763917580393733_o.jpg

    Nós pedimos ainda o T-Bone que também vem em formato XXL (€45). A carne estava cozinhada na perfeição, suculenta e mal passada – mas se só pedir uma carne, não hesite dois segundos: o sabor e a consistência do Black Angus são imbatíveis. 

    Para cada uma destas carnes, pode escolher três acompanhamentos. E aqui houve boas e más notícias. Primeiro, as boas que não queremos desanimar ninguém. O palitos de polenta fritos são quase perfeitos. Estaladiços por fora e macios por dentro, ainda levam um bom parmesão ralado por cima que é uma verdadeira delícia. 

    15181694_1795424890727761_8057292933055622648_n.jp

    O esparregado também estava fantástico. Feito com espinafres frescos e saborosos, que ainda se sentem ao trincar, consegue ser cremoso e macio sem se tornar uma papa. As tiras de cogumelos portobello grelhadas eram outra maravilha. E o arroz de estrugido, que é como quem diz arroz cozinhado por cima de um refogado, estava muitíssimo saboroso e soltinho.

    As únicas desilusões foram as argolas de cebola frita (que estavam moles e quase nada estaladiças) e as batatas fritas. E aqui temos de fazer um intervalo nos elogios. Um restaurante com a fabulosa carne do Terminal 4450 merecia umas batatas fritas estaladiças fininhas e dignas do bife que acompanham. Estas vinham cortadas em gomos e ligeiramente moles. Eu, que sou verdadeiramente obcecado pelas batatas fritas ultra-estaladiças e cortadas à mão em finíssimos palitos do Café de São Bento, em Lisboa, não percebo esta tendência dos restaurantes de carne servirem batatas fritas em gomos – além de serem demasiado grossas, são moles, o que é uma pena. 

    15178144_1792384861031764_4809413516544376898_n.jp

    As sobremesas 

    Há uma coisa que não pode deixar de provar: a fantástica Bola de Berlim. É muito doce? É. É muito calórica? É. Mas qual é a Bola de Berlim que não é muito doce nem muito calórica? Esta consegue ter uma massa leve macia e um recheio viciante.  As crianças devoraram-na, eu aspirei-a.

    15672546_1807388309531419_9136369358084254129_n.jp

    O serviço

    Quando um serviço é rápido, eficaz, sorridente e simpático, que mais é que um cliente pode dizer?

    12670651_1691809587755959_8866383286205686493_n.jp

    As crianças

    Há um menu infantil. Por €10, trazem-lhe um hambúrguer no prato com ovo e batata frita, um refrigerante ou uma água e uma bola de gelado de sobremesa. Os mini-misteriosos mais velhos preferiram dividir as duas carnes que pedimos e só o mais novo é que optou pelo hambúrguer de boi.

     

    Leia ainda:

     

    O bom

    O ambiente e a decoração são maravilhosas – só é pena os bancos sem encosto

    O mau

    As batatas fritas em gomos

    O óptimo

    A carne, em especial o Black Angus

     

    Uma óptima carne para si onde quer que esteja,

    Ele

     

    fotos: terminal 4450; casal mistério

     

    Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial. 

    _________________________

    Terminal 4450
    Avenida Doutor Antunes Guimarães – Terminal 4450
    Leça Da Palmeira, Porto
    De terça a domingo, das 12h30 às 15h e das 19h30 às 23h
    Sexta e sábado até às 2h
    T: 919 851 933
    www.terminal4450.pt

     

    9 thoughts on “fomos jantar ao melhor restaurante do porto segundo as redes sociais

    1. O restaurante é mesmo muito bom! A única coisa que deixa a desejar, na minha opinião, é a qualidade do café que servem no final. As batatas, Ainda que não sejam da vossa preferência, são boas e não são gordurosas, estão ao nível da refeição servida! Bom apetite 😉

    2. Faltou referir que este restaurante, apesar de fantástico, obriga a escolher entre dois turnos possíveis, ou jantamos às 20h ou às 22h, o que me tem levado por diversas vezes a não escolher este restaurante para jantar.

    3. A longa referência à arquitectura interior do restaurante parece confirmar a tendência atual da restauração. No meu caso e acredito no de muitos mais, essa parte é terciária. Ainda assim não posso deixar de notar a vulgaridade da proposta não fora o enquadramento do espaço envolvente. Corroboro o desconforto que se sente, quer à mesa com bancos corridos, quer à dos bancos altos, a aconselhar costas de contorcionista. Talvez um dos restaurantes mais desconfortáveis do País. No que concerne ao menu e à que deveria ser competente qualidade, lamento discordar. Interroguei-me sempre que lá fui, a razão da nota alta atribuída (que referem) nos diversos sites. Encontrei uma eventual explicação, dado o constante incumprimento do horário das reservas, bebem se uns cocktails generosos, de boa nota mas talvez em demasia. (servidos após serviço mendigado). Quanto ao valor qualidade vs preço do Tomawak, TBone, Black Angus. Uma observação surge imediatamente, – Que saudades da posta do “Abel” e das batatas fritas…Sublinho que não é pelo valor da factura que ela surge, mas pela falta de qualidade da charcutaria. Se um restaurante de média qualidade de Bragança, dá dez a zero a um dos pretensos melhores restaurantes do Porto!!! Não há muito mais a acrescentar. Querem comer arquitetura? Vão à “Casa de Chá da Boa Nova” , que alia um local de eleição, uma arquitetura classificada a uma cozinha de eleição a um valor sem surpresa.

    4. Fui experimentar esta semana… bem… mas que pilha de sal… desde as batatas, passando pelos legumes, feijão preto e terminando no costeletão… que desilusão…

    5. Fui experimentar neste mês. O espaço é interessante mas desconfortável e frio para o inverno. Pedi a picanha (meu corte preferido) e foi uma ilusão pois tiraram a gordura (o que dá o sabor) e também chegou morna, e arrefeceu muito rápido. A cebola achei muito salgada e a sobremesa (pannacotta de banana) sem graça. Penso voltar para experimentar o tão falado Black Angus que não diz qual corte é. Tem outras Steakhouses melhores e honestas.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *