o restaurante onde um robalo para duas pessoas custa 83 euros

    Não, não tinha 3 kg. Era um robalo com cerca de um quilo que veio para a mesa em forma de dois singelos lombos, cada um dos quais facilmente acomodável dentro de um prato de tamanho normal.

    Nem sequer ouso questionar como é que um peixe com 1,1 kg se reduz a dois simples lombos. Não vi o peso na balança, mas tendo a confiar por princípio na honestidade inata do ser humano. No entanto, temos de reconhecer que 83 euros e 60 cêntimos por um robalo para duas pessoas está quase ao nível da célebre “mista de peixe” a 140 euros do restaurante do Rossio.

    17.jpeg

    Especialmente quando, em muitos bons restaurantes de peixe um quilo de robalo selvagem é vendido entre 40 e 50 euros e quando na maioria dos supermercados um robalo de mar custa perto de 27 euros por quilo. 

    Eu sei que o Monte Mar, em Cascais, não é um restaurante qualquer, eu sei que o restaurante Sal, na Comporta, cobra 85 euros por um quilo de robalo, mas convenhamos que cobrar o triplo do custo de um peixe na peixaria torna o Monte Mar quase no Sérgio Figueiredo da restauração. Mesmo que estejamos a falar de um restaurante com uma esplanada em frente ao mar. Ou especialmente quando estamos a falar de um restaurante com uma esplanada em frente ao mar…

    02.jpeg

    O serviço 

    Quando liguei para o Monte Mar, em Cascais, para marcar uma mesa para duas pessoas, pedi especialmente para ser uma mesa na esplanada. 

    – Vou deixar essa indicação.

    Ao chegar, encaminharam-me para o interior do restaurante.

    – Mas eu pedi uma mesa na esplanada…

    – Infelizmente, já está tudo reservado na esplanada.

    Olhei à volta e estavam apenas três mesas ocupadas. Duvidei, questionei, mas resignei. Afinal, apesar de já serem 21h e de o restaurante fechar apenas duas horas depois, podíamos sempre estar prestes a assistir a uma súbita invasão de clientes ávidos por uma esplanada. Sentei-me obedientemente no interior, pedi o meu robalo grelhado para duas pessoas e aguardei.

    Às 23h, tinham sido ocupadas apenas duas outras mesas. Mais de metade da esplanada continuava vazia. Quando saí do restaurante, a esplanada continuava tão abandonada como o deserto de Gobi. 

    14.jpeg

    O ambiente 

    Foi pena porque a localização da esplanada do Monte Mar é uma das principais qualidades do restaurante. Situada mesmo de frente para o mar, um dos lados da esplanada está especialmente bem protegido do temível vento do Guincho. O interior é sóbrio e espaçoso, mas bastante menos interessante. 

    09.jpeg

    A ementa 

    Iluminado por uma súbita precaução financeira, resolvi não pedir entradas. Limitei-me a uma imperial (€5), o couvert (pão e manteiga por €3,50 por pessoa) e um pratinho de presunto agradável (€15).

    A seguir veio o peixe. Não cheguei a ver o peixe inteiro, porque o prepararam logo ao lado da mesa, sem eu ter reparado. Se tivesse podido escolher, preferia ter sido eu a preparar o peixe e não desperdiçar toda a deliciosa zona da cabeça e dos restos junto às espinhas laterais. 

    O que veio para a mesa foram dois lombos limpos e arranjados. Estavam saborosos e bem grelhados, mas preferia ter rapado todas aquelas partes que a minha querida Mulher Mistério despreza. A acompanhar, veio um bom feijão verde cortado fininho, batata cozida e brócolos.

    Para acabar o jantar, ainda pedi uma bola de gelado de avelã do Santini (€4,50). Conta final: €124. Mais o vinho, claro.

     

    O bom 

    A vista da esplanada

    O mau 

    Não nos terem sentado na esplanada

    O péssimo 

    O preço do robalo

     

    Um óptimo jantar para si onde quer que o meu dinheiro esteja,

    Ele

     

    fotos: monte mar

     

    Nota: Todas as despesas das visitas efetuadas pelo Casal Mistério a restaurantes, bares e hotéis são 100% suportadas pelo próprio Casal Mistério. Só assim é possível fazer uma crítica absolutamente isenta e imparcial. 
    _____________________________

    Monte Mar

    Av. Nossa Sra. Rosario, 2750-180 Guincho

    De 3ª a domingo, das 12h às 23h

    T: 916 025 305

    21 thoughts on “o restaurante onde um robalo para duas pessoas custa 83 euros

    1. Parece-me bem que alguém não fez o seu trabalho de casa. O restaurante possui um site onde consta o menu, no qual é possível consultar não só a ementa como o respectivo preço. Por isso, se o autor deste blog ficou surpreso com o preço que pagou foi porque quis ou porque já sabia ao que ía mas à falta de motivos para escrever, resolveu discorrer sobre o preço com uma graçola metida a martelo sobre o Sérgio Figueiredo!…
      Quanto à mesa onde ficou, resta pelo menos a sua honestidade ao reconhecer que quando fez a reserva não lhe garantiram que ficaria efectivamente no local solicitado. É por isso que eu, quando peço especificamente para ficar ao ar livre ou junto a uma janela, só confirmo a reserva depois de me confirmarem o local por mim escolhido. E não são poucas as vezes que a cancelei posteriormente por que entendo que quem escolhe um restaurante para pagar valores dessa ordem de grandeza deverá ter pelo menos o direito de usufruir do local por si escolhido!!

    2. A crítica no fim é boa, o cliente é que é fraco.
      Quando marcaram não foi garantida a esplanada, se não garantem a esplanada e ainda assim vai, sabe que pode não ficar la.
      Quanto ao preço, se não pode ou não quer pagar, não vai, se não o enganaram no peso e se cobraram conforme a carta, qual é o problema?? Foi enganado no monte mar? O serviço não foi bom ??? Não entendo esta necessidade que os portugueses têm que falar mal só para parecerem interessantes.
      PS não tenho nenhuma relação com o monte mar para alem de lá almoçar as vezes

    3. Os critérios do Sapo para destacar blogs são um mistério. A quantidade de incongruências deste post são inúmeras e os seus autores falarem em precaução financeira é um absurdo para não escrever um impropério. Desde quando um cliente prepara um prato num restaurante? Se um quilo de robalo custa 85 euros, como é que 1,1 quilos custam 83,60 euros?. 83,60+5+3,5+3,5+15+4,5 dá 115,1 e não 124. Afinal bebeu cerveja ou vinho? ou as duas coisas? E se bebeu vinho quanto é que custou?
      Cada um escreve os disparates que entende, lamentável é o Sapo dar destaque a coisas deste calibre

      José Marques

    4. Talvez, simplesmente, o serviço não esteja à altura do preço, o que não torna necessariamente o cliente fraco mas, antes, demonstra a pretensão a um pseudo elitismo por parte do proprietário sem qualquer razão de ser. Por isso, a crítica no fim não parece ser assim tão boa.

    5. Artigo interessante, objectivo e com visão imparcial. Na minha modesta opinião e com experiência de comer em quase todo o mundo mas mais diversificadas experiências, este valor para um robalo é estupidamente caro. Agora, podem babar comentários pseudo-refinados sobre o target do restaurante e do espaço, não altera a minha observação.

    6. Vem a Peniche há toca do texugo, é só grelhados,ainda ganhas para o gasóleo,levaste uma banhada, acredita sou pescador sei o que digo

    7. Muita coisa se poderia falar, sobre a refeição deste casal mistério…
      Saber se o robalo era selvagem, ou de aquacultura, visto ter apenas 1,1 kg e chegar á mesa, já em lombos. Até 2,5 kg tudo é possível. Saber a zona de captura, pois a de maior concentração de planton, em Portugal, situa se a norte de Espinho, (praia da Aguda). Aproveito para lembrar aos empresários e empregados de mesa mais novos, que antigamente o camarão mais famoso que chegava a Lisboa, ex (Portugália) á muitos anos vinha da praia da Aguda, e pq não sabiam onde ficava, dizia-se que era de Espinho. Conclusão, ter a certeza que é capturado na Aguda e ter mínimo 3 kg o resto é pagar sem dúvidas. Já agora, um robalo de 7 kg tem por média de vida 10 anos…

    8. Me decepcionei péssimo atendimento pessoas iritadas com os clientes e tipo do local que quando termina os funcionarios dizem esse emprego seria otimo se nao fossem os clientes demora no atendimento poucos garçoms carissimo comida razoável não vale a pena.

    9. Presunção e água benta cada um toma a que quer!
      Todos os critérios são discutíveis. Podíamos até perguntar porque é que o mar bate nas rochas? Porque é livre. O dono do restaurante faz os menus e cumpre com o serviço ao seu jeito. O cliente se não está satisfeito, pede o livro de reclamações. Fundamenta a mesma em critérios objectivos e já está. Qual é a dúvida? Não foi bem servido? Reclame! Eu diria neste caso que o cliente tinha outros problemas…hum….

    10. Estive há relativamente pouco tempo no Monte Mar a almoçar com a minha filha, quando chegou a conta tive um amargo de boca, que me leva a não mais frequentar este restaurante. Pedimos um peixe ao sal, como a minha filha não bebe pedi uma garrafa de vinho de 3,75, uma sobremesa para 2, tivemos a desagradável surpresa de €174. Um preço absurdo para a qualidade do restaurante, é bom, mas há melhores no Gincho e a um preço bastante mais simpático. Querem tornsar-se elitistas, que o sejam, mas ainda há um grande caminho a percorrer. Terá sido certamente a última vez que o frequentei. Gosto de comer bem, mas a preços justos

    11. Não concordo. Pode ver-se o preço no site, mas não se vê o serviço. Quando se refee um preço presunção que o mesmo teflete o serviço. Como sabe bem, os robalos tem muitas proveniências e tamanhos.

    12. Parece esquecer-se que o preço do kilo é sempre o mesmo independentemente do tamanho!… E repare que o autor do artigo não fez depender o seu comentário sobre o preço em função do serviço. Assim que ele viu o preço e “iluminado por uma súbita precaução financeira”, resolveu não pedir entradas, tendo-se limitado a uma imperial, o couvert (…) e um pratinho de presunto.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *