os santos populares há 100 anos

    As primeiras Marchas Populares de Lisboa só tiveram três bairros a participar, o desfile era no Parque Mayer e as barracas mais procuradas no início do século eram o Júlio das Farturas e o Vicente da Porcalhota. Na semana do Santo António, recordamos, no podcast Favas Contadas, os Santos Populares há 100 anos e os primeiros tempos das festas de Lisboa. Se quiser ouvir toda a história dos Santos, então só precisa de carregar no play aqui em baixo.

     

     

    O dia 5 de Junho de 1932 ficou marcado por dois acontecimentos históricos, segundo o jornal Notícias Ilustrado: a publicação da fotografia do “primeiro sorriso de Oliveira Salazar” e o anúncio das primeira edição das Marchas Populares de Lisboa. Um sorriso de Salazar não se repetiria assim tantas vezes, mas as Marchas Populares duram até hoje. No entanto, tiveram várias interrupções pelo caminho: durante a Guerra Civil Espanhola, a II Guerra Mundial e especialmente depois do 25 de Abril.

    Em vésperas de Santo António, contamos como foram os primeiros anos das festas de Lisboa, no Parque Mayer. E relembramos a famosa Feira de Agosto que as antecedeu na Rotunda do Marquês de Pombal. Se quiser relembrar esses tempos, então carregue na Galeria aqui em baixo e veja algumas das fotos mais antigas da época.

    O Parque Mayer

    Foram os primeiros anos das Festas de Lisboa, no Parque Mayer, com os carrosséis, circos, rinques de patinagem e as famosas Barracas dos Fenómenos, como a Mulher Transparente ou a Mulher Sereia. Mas o melhor mesmo é ouvir o episódio completo desta semana do podcast. E para isso só precisa de procurar o Favas Contadas em qualquer uma das plataformas de podcast disponíveis em Portugal: ApplePodcasts, SpotifyYouTubeCastBox ou Google Podcasts.

    Se não quiser perder nenhum novo episódio, então só precisa de seguir o podcast em qualquer uma destas plataformas. Porque já sabe: todas as terças-feiras de manhã, contamos uma nova história sobre a origem da comida.

     

    Uns óptimos Santos Populares para si onde quer que estivesse há 100 anos,

    Ele

     

    fotos: d.r.

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *