pizza fácil com massa de couve flor, que é o mesmo que dizer quase sem hidratos de carbono

    Esta receita é música para os meus ouvidos. Quando a descobri, parece que me caiu uma lágrima de emoção, não tantas como as do Paulo Portas na hora da despedida, mas estive perto. Pensando bem, estou há tanto tempo em dieta como o Paulo Portas esteve à frente do partido… talvez mais. Bem, mas voltando a esta ideia fantástica do blog Gimme Delicious: a maravilha desta pizza é que não tem farinha e tem poucos hidratos de carbono. É hoje que vou “enganar” os miúdos com esta receita. Aposto que eles nem vão perceber a diferença.

    Só vou precisar de uma cabeça média de couve-flor, queijo parmesão ralado, queijo mozzarella, um ovo, sal, alho em pó, alecrim ou manjericão picados, orégãos, molho marinara e mais queijo mozzarella. Se quiser saber as quantidades certas destes ingredientes, espreite aqui a receita original.

    califlower-crust-pizza-46.jpg

     

    Pré-aqueça o forno a 260º C. Retire os caules da couve-flor e corte-a em pequenos bouquets. Coloque-os no liquidificador ou na Bimby e triture-os de forma a ficarem com uma textura de arroz. Se não tiver um liquidificador, pode usar um ralador de queijo. Deite a couve-flor ralada numa taça e leve-a ao micro-ondas durante 4 ou 5 minutos na potência máxima. Retire-a do micro-ondas e deixe arrefecer durante 5 minutos. Depois, embrulhe a couve-flor num pano de cozinha como se fosse uma trouxa e esprema bem para sair o máximo de água possível. 

    Junte a couve-flor cozinhada, um ovo, o alho em pó, o queijo e os temperos. Misture bem até obter uma massa homogéna. Estique a massa de couve-flor em forma de pizza, por cima de uma folha de papel vegetal ligeiramente untada, e leve-a ao forno durante aproximadamente 10 a 15 minutos (dependendo do seu forno) ou até a massa ficar dourada e crocante. Retire-a do forno e junte-lhe os toppings: o molho de marinara e o queijo mozzarella para fazer uma margherita.   

    Volte a colocar a pizza no forno, mas desta vez ligue o grelhador e deixe-a durante 2 a 5 minutos ou até o queijo começar a derreter. Mas tem que estar com atenção para não deixar queimar o queijo. Sirva quente!

     

    Um ótimo sábado,

    Ela

     

    receita e foto: gimme delicious

    6 thoughts on “pizza fácil com massa de couve flor, que é o mesmo que dizer quase sem hidratos de carbono

    1. Não havia couve-flor, fiz com aquela “híbrida” com brócolos… não recordo o nome. Metade atum e metade cogumelos. A massa desfaz-se talvez devido à tomatada… mas o sabor é muito bom thks

    2. O ideal para a massa não desmanchar, seria misturar a ela um pouquinho de farinha integral ou de aveia ou quinoa ou de tapioca, para dar liga, e assim não desmanchar.

    3. Olá Cláudia,
      Desculpe só responder agora mas as mensagens, os mails e os comentários são tantos que nem sempre conseguimos responder em tempo útil. Eu nunca experimentei congelar a massa, mas acredito que sim, que possa ser congelada! Depois conte-nos como correu! Um beijinho, Ela

    4. Bom, tendo em conta que eu e a mulher mistério andamos a par e passo na nossa luta contra a balança e na procura insana de opções saudáveis, resolvi experimentar as duas receitas de pizza: com base de couve flor e com base de batata doce e aveia.
      A de couve flor fiz uma marguerita normal e, depois de sair do forno coloquei rúcula, canónigos, tomate cherry, pistachios e umas farripas de presunto. Na de batata doce, fiz a vontade ao marido guloso, mas que agora até anda um adepto fervoroso de um estilo de vida saudável e coloquei tomate, mozzarella fresca (light, obviamente), cogumelos frescos, cebola e linguiça (e o que me contorci a pensar o quanto vou ter que penar para eliminar as rodelas de linguiça do meu pneu (tudo o que é bom da vida se acumula no meu Michelin).
      Bom, convidei a minha mãe para jantar, dizendo que ia fazer pizza. Sempre que faço rodízio de pizza (tenho um excesso de criatividade cada vez que quero fazer pizza… começo com uma focaccia e acabo com, pelo menos 6 pizzas diferentes) a malta saliva e os putos começam a andar de volta de mim a pedir uns twists, como natas e banana e outras coisas que não compreendo numa pizza. A minha mãe, que é inimiga da balança, de qualquer exercício físico ou restrição alimentar, adora as minha pizzas.
      Muito orgulhosa das minhas duas horas na cozinha servi as pizzas…
      Não contei com o meu mais velho para este petisco porque qualquer vegetal, verde ou não, é considerado inimigo público número um. A mais nova, que é a chamada “boca santa” andava a saltitar à porta do forno ansiosa pelo menu.
      Bom, a coisa não correu como esperava. A mais pequena, assim que colocou a pizza de couve flor na boca, cuspiu-a para o guardanapo e emitiu um “desculpa, mas isto não é pizza”…
      A minha mãe, disse: “convidaste-me para comer pizza e dás-me isto?”.
      O meu marido tentou mastigar com algum ar de prazer e acabou por dizer: “se me tivesses vendido isto como outra coisa, talvez fosse diferente, mas, não. Não resulta!”.
      O mais velho, enquanto enfardava a sua massa afogada em natas, apenas se limitou a sorrir como quem diz: “não sei porque Insistes…”.
      Bom, o que sobrou será, seguramente o meu almoço, enquanto o resto da Malta se vai deliciar com uma churrascada, arroz de feijão, batata frita e afins…
      Saldo: deverei ter queimado algumas calorias naquelas duas horas na cozinha 😀

    Deixe um comentário

    O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *