Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

casal mistério

Ele cozinha, ela viaja. Quando estão fora, testam e avaliam restaurantes, bares e hotéis. Quando se juntam em casa, escrevem sobre o que viram: o bom, o mau e o péssimo.

a melhor maneira de entrar em 2019: uma mansão em bali com uma praia privada por €66/pessoa

Isto, sim, é aquilo a que eu chamo entrar com o pé direito: uma enorme quinta, com 6.200 metros quadrados e uma praia privada de sonho, com areia branca, em Bali, na Indonésia, por apenas 66 euros por pessoa.

158245622.jpg

61353679.jpg

 

 

este hotel está a oferecer uma noite para ver a aurora boreal

Para mim, é a promoção do ano. Como já poderá ter facilmente percebido, eu sou absolutamente obcecado por esse fenómeno maravilhoso que enche os céus do norte da Europa com cores absolutamente deslumbrantes. E quando encontrei esta fenomenal promoção no site Thrillist fiquei com o queixo do Cavaco Silva cada vez que come uma fatia de bolo-rei.

tl-horizontal_main_2x.jpg

Então é assim: o hotel chama-se – prepare o dicionário – Ittoqqortoormiit Guesthouse e fica perdido nos confins da Gronelândia, Dinamarca, numa pequena aldeia de 450 habitantes onde a aurora boreal se vê com a mesma frequência que uma trotinete descontrolada em Lisboa. Acontece que o site Hoteis.com lançou uma promoção na qual oferece uma noite grátis neste hotel durante o mês de Março. Se fizer a reserva até ao dia 31 de Dezembro e usar o código de desconto "REMOTE", consegue marcar uma noite para o mês de Março em que paga apenas 1% do preço de tabela mais as taxas.

 

 

a homenagem que faltava para todos os pais: o hilton de lisboa oferece-lhe um jantar grátis no dia do pai

restaurants_n.jpg

Haja quem faça justiça a essa pobre classe de seres peludos, abdómen saliente e roncadura nocturna que dedicou grande parte das suas vidas a empurrar crianças desamparadas em cima de bicicletas com rodinhas, a carregar pequenos petizes às cavalitas ou a contar intermináveis, monótonas e soporíferas histórias de embalar. Sim, estou a falar dessa desprezada classe de seres a que a comunidade decidiu simplesmente chamar "pai". Exacto, essa infeliz classe quase sempre discriminada perante o poder avassalador da sua temível opositora constantemente ovacionada pela opinião pública: a mãe.